terça-feira

Treinos "impossiveis"




No outro dia num dos post aqui colocados falava em alguns treinos „impossiveis“ que tenho feito. Ando a descobrir que o que parece inatingivel afinal é possivel conseguir fazer, com um esforço excumungal mas possivel.

Nestes últimos tempos tenho tido alguns, de há umas semanas para cá, pelo menos uma vez por semana e normalmente é à 3a ou 4a feira.

Lembro-me perfeitamente da primeira vez que vi um destes treinos na prescrição semanal ... foi em Fevereiro e consistia em fazer 20x400m com um minuto de intervalo ... isto depois de uma catrefada de km para aquecer e outra para retornar à calma. 20 series???? Eu no meu auge de atleta auto-didacta a preparar alguma meia ou até maratona lembro-me de fazer 8, 10, no máximo 12 series e já era um pau 😊 ... 20 series??? Como aguento isto? ... na altura nem pestanejei ... fui para a minha „pista“ a pensar „se não fizer 20, faço 8 ou 10 ... o que der“ ... a verdade é que fiz as 20 e à velocidade pretendida ... esfolei-me todo para o conseguir, andei 2 dias todo empenado, mas aquele sentimento de ter conseguido ninguém me conseguiu tirar.

Outro consistiu numas rampas de 200m ... talvez uns 8% de inclinação ... 16 x a dar o gás possivel ... à 8 já não via nada mas aguentei, o sabor metálico do sangue na boca ao fim foi sinal que dei o que tinha.

Foi assim tb com uns 20x1km... quando fiz contas de cabeça tinha que andar muito perto do meu RP da meia Maratona. E isto com pernas pesadas, sem descanso. Mas fiz 😊

Houve outros pelo meio e houve o da semana passada ... quando abri o mapa de treinos dessa semana tinha uma célula tapada ... só vi 20x e depois aparecia um 3 ... não sei pq achei que seria 20x3min ... não é mau de todo, já estou por tudo e sempre é menos que o da semana anterior. Na 3ª feira de manhã ao ir confirmar o que tinha de fazer vi que tinha que aumentar a célula para ver tudo ... 20x1200 com mais umas coisas antes, pelo meio e depois ... fartei-me de reclamar, alguém deve ter ficado com as orelhas a arder. Acho que fiquei tipo puto reguila amuado  e fez-me lembrar quando era um chavalo e a minha mãe me deixava recados para fazer quando ia trabalhar ... a minha resposta era sempre „não faço nada“ ... e depois fazia ... já o meu irmão dizia sempre que sim, fazia tudo e na realidade não fazia nada 😊 ... e fiz o tal treino „impossivel“ ... no total sabia que iria dar uns 40km o que não sabia é que não iria andar muito longe do meu RP da Maratona.



Mesmo com um aquecimento de vários km a rolar e com 3km finais de retorno à calma, incluindo os intervalos entre cada serie feitos a rolar e uma ou outra paragem para hidratar ... tudo feito sozinho às volta de 1000m ... a meio do treino quando ainda conseguia fazer contas de cabeça é que me apercebi que com aquele andamento ainda batia o meu recorde à maratona ... era giro 😊, se me aguentar é o que vou fazer ... mas ali por volta da serie 12 ou 13 a vontade passou-me não sei porquê ... e quando cheguei à serie 17 e cada perna já pesava 1 tonelada cada desisti completamente da ideia de até fazer a Maratona ... fiz as 3 últimas (mal feitas diga-se, o ritmo baixou) e obriguei-me a fazer os km prescritos de retorno à calma meio arrastado para não levar nas orelhas do treinador. Já no carro, sentei-me uns bons 20 minutos na mala, bebi não sei quantos litros de água e para me levantar uma grua teria sido ideal. Estava como quando corro uma Maratona no limite ... já nem me lembrava de como era e mesmo assim subi ao segundo andar pelas escadas evitando o elevador 😊



Mas estava orgulhoso e comprovei algo que eu sei ... valho bem menos que as 3h14 que tenho à Maratona. Quem sabe não poderá ser um objectivo mais para o Outono, depois de voltar a conseguir andar nomalmente após a PT281 😊

A ver vamos ... uma coisa de cada vez ... ahhh ... e hoje foi dia de treino „impossivel“, falhado 😊

segunda-feira

Grande Rota do Caramulo - GR 53



No plano da semana que passou tinha 5/6 horas soft de Monte para domingo. Tenho aproveitado sempre que posso para ir com a Pikinita conhecer alguma Serra ou um percurso marcado por sítios que ainda não conhecemos – temos alguns critérios, um deles é não distar mais de 1 hora de casa. E foi assim que demos de caras com mais uma Grande Rota, a GR53 do Caramulo, um percurso muito recente inaugurado em Setembro de 2019.

Não conheciamos o Caramulo, o Maps dizia que ficava a 1h05 de carro de casa e que a GR53 tinha ca.30km de distância com pouco mais de 1000m D+ ... perfeito 😊 ... no sábado soubemos que a malta dos Montemorrows ou lá como se chamam afinal não iam fazer a caminhada a Drave por causa do calor e duas ou trés mensagens bastaram para termos companhia da boa ... a ala Ultra daquela malta ia embarcar na nossa aventura .. bemvindos a bordo Raquel e Paulinho 😊

Domingo, um pouco antes das 9h estávamos a arrancar do centro do Caramulo, mesmo em frente ao Museu para mais uma viagem à descoberta. 
sigaaaa...




Os primeiros 10km (descemos 450m em 5km) iam levar-nos por cotas baixas, por campos e florestas, passando pequenas aldeias onde imperava o granito puro  ... o percurso impecávelmente bem marcado ...  alguns cursos de água como um poço que descobrimos ainda bem cedo (talvez aos 5km) e que deu direito à primeira (e única ) tolada refrescante de toda a jornada. 




esta tem brazão ...

só foi pena que a partir de meio não tenhamos encontrado mais nenhum spot destes… tinha feito jeito

Ainda frescos, pese embora o forte calor se fizesse já sentir, ainda fizemos algumas investidas paralelas ao percurso oficial para ir ver uma capela ou uma cascata sempre muito bem indicadas por placas. Outros pontos de interesse foram deixados para umas segundas núpcias 😊 ... tudo feito muito tranquilamente numa especie de „corrinhar“ ... aproveitei a companhia do Paulinho para „sacar“ mais algumas informações importantes sobre a PT281+, prova que ele já completou por duas vezes – não será por falta de informação que poderei falhar - temos que aproveitar tudo o que esta malta com muita experiência nos possa ensinar – nota de rodapé e a titulo de exemplo: já sei qual o creme para os pés que vou levar 😊
muitos anos a virar frangos ...
 


 e é isto ….
 

Entretanto o nosso corpinho já pedia uma mini fresquinha e tal como eu adivinhei, a salvação estaria em Múceres, uma aldeola simpática com o único café que encontramos aberto até ali e que viria a ser o único até aos 20km já no alto da Serra. 




topem isto ...

aqui mais ao pormenor ...

Estivemos ali uma boa meia hora ... duas rodadas de minis, uma sandocha que levamos de casa e umas histórias* da dona do tasco depois estávamos prontos para arrancar. 



*esta tenho que contar – a senhora do tasco engraçou connosco e decidiu abrir o livro – uma das histórias que nos contou foi que andavam a trabalhar no campo e que ela a dar uma risada cuspiu a placa de cima dos dentes ... não teria sido grande problema se o cão do vizinho não lhe tivesse abocanhado a placa e fugido a sete pés com ela na boca ... a senhora quanto mais berrava e corria o cão mais fugia 😊 ... uma história que acaba bem porque a senhora conseguiu recuperar a placa que depois de bem lavadinha está de regresso à parte superior da boca dela ... consta-se que o cão tb se safou 😊 ... é por estas peripécias, por conhecer esta gente genuina da terra que eu gosto de parar nos tascos ... pronto ... e pelas minis frescas tb 😊



cá está a dona do pedaço … o Paulinho bem tentou mas tivemos que pagar na mesma as minis

Seguimos viagem com mais de 1/3 do percurso feito e pouco desnivel positivo nas pernas a uma cota de 250m de altitude. Não é preciso ser pró nestas coisas para saber que para chegar ao desnível anunciado e para chegar ao ponto mais alto do percurso (1067m2) íamos penar um bocadinho. Mas tem que ser ... sigaaaa.

última cena de água para refrescar antes de começar a escalada
 

E não demorou muito a começar a penar serra acima ... por volta dos 13km a coisa inclinou a sério. Com umas antenas do nosso lado direito, bem lá no alto, começamos a subir um estradão aos zigue-zagues ... isto já passava das 11h da manhã e deste lado da serra não corria vento ... mas podia ser pior ... seria pior se a Serra do Caramulo fosse desprotegida, não tivesse aquelas florestas que nos forneceram ums sombras que nos facilitaram e muito aquela subida.





Foram quase 700m D+ em pouco menos de 8km ... quase 9% de inclinação média ao calor ... a água e o isotónico que eu levava tinha-se tranformado numa espécie de chã que era melhor que nada. Quando vimos Jueus, uma pequena localidade a ca.900m de altitude, a minha (acho que todos) visão focava em encontrar um tolde de um tasco qualquer onde pudesse comprar um abebida fresca. Mas estava tudo muito calmo, nem vivalma se deslumbrava ali (pudera, hora de almoço, quase 40 graus, a malta ia andar na rua a fazer o quê? Uma caminhada???) ... mesmo à entrada da aldeia uma escola primária e o portão a aberto ... dei a volta à escola à procura de uma torneira que encontrei ... maravilha .... deu para refrescar, beber (sabia a poço mas entre isso e beber o meu chã de isotónico escolhi a água) e sair dali já bem revigorado.





Para ser perfeito faltava o tasco ... quando já estávamos para desistir eu tive a ideia de subir uma escadas de um prédio moderno que destoava um pouco da paisagem ... mentira ... foi o Paulinho que teve a ideia, eu fui a reclamar atrás por estarmos a gastar energias desnecessárias 😊 ... e qual não é o espanto que damos de caras com um Restaurante/Bar todo modernaço e aberto, que faz parte de um Alojamento Local que se instalou ali ... nem sei quanto tempo estivemos ali ... mais duas rodadas de minis e umas sandes ... a vontade em arrancar não era muita não, pudera 😊




 

Mas lá pusemos pés ao caminho ... continuando a subir por mais 3km (e 300m D+) até ao cume da Serra do Caramulo. Este troço já foi a céu descoberto, parte por entre pedregulhos enormes arredondados, muitos que pareciam colados uns aos outros de maneira estranha e que pareciam ir cair a qualquer momento. 






Chegados ao Cume apanhamos uma estrada em alcatrão que nos levou até ao Caramulinho ... o ponto mais alto de todo o percurso – 1067m de onde as vistas eram brutais.

Ali está ele … o Caramulinho...

Conquistado … 1067m Altitude

 

 


só para avisar potenciais patrocinadores que o Paulinho está a precisar de comprar umas sapatilhas novas … quem estiver interessado em projectar a sua marca por estes trilhos fora pode deixar o contacto na caixa de comentários ...


Já não faltava tudo ... depois de mais 1km a descer por uma estrada de alcatrão fofinha chegas ao Cadraço onde tens duas variantes da GR53 – podes decidir descer directo ao Caramulo (ca.26km no total) ou podes ir dar uma volta mais longa até ao Cabeço de Neve (são mais 5km) – óbvio que escolhemos a 2ª hipotese 😊

O Cabeço de Neve é outra ponta do Caramulo onde tem um Marco Geodésico a 995m ...

Agora era descer 4km até ao Caramulo ... supresa das surpresas foi o tipo de piso que apanhamos ... uma das partes mais técnicas do percurso, com bastante pedra e o piso bastante irregular. Mas tranquilos ... temos tempo.






Ainda demoramos uns bons 45 minutos a chegar ao Caramulo para finalizar a volta, 32km e quase 1300m D+ depois. Precisamos quase 8h o que mostra bem o „soft“ que foi ... mas desenganem-se ... olhem que ainda corremos um bom pedaço do percurso, quase 1000mD+ são feitos de uma assentada só, fizemos foi bastantes paragens e o calor não estava para brincadeiras.



Resumindo e concluíndo – foi um treininho excelente para o que me espera 😊

Só tenho a dizer bem deste percurso ... gostei mesmo muito, bastante variado e é durinho q.b. – se alguêm se lembrar de fazer isto como caminhada pura é apetrechar-se de matimentos e liquidos – logo nos primeiros km não faltam fontes mas depois, a partir do tasquinho de Múceres a coisa complica-se e só em Jueues é que se volta a ter oportunidade de abastecer. As marcações são perfeitas e os responsáveis pelo percurso tem a manutenção feita – o trilho é recente (não tem um ano) mas as partes com silvas e vegetação estão todas abertas, nota-se que ali andaram recentemente. Muito bom. Aconselho.

Foi um domingo bem passado em excelente companhia 😊

olhem que a brincar a brincar estão aqui uns milhares valentes de km de experiências de corrida nesta foto … obrigado pela companhia :)