segunda-feira

MM Cortegaça 2019 - Perneta "ao forno"


Aos 3km finalmente chegava ao ritmo médio que pretendia para esta meia maratona de Cortegaça  … 4,10m/km. Não foi fácil principalmente no primeiro km até à rotunda do barco onde tive que dar ao pedal a sério, grande parte pelo passeio para conseguir passar um mar de gente - quem me manda andar até à última para entrar na box de partida? 
este ano fomos bem menos do que o habitual …

concentradíssimo … como sempre  

Na 4ª feira passada tinha feito um belo treininho pela marginal do Douro .. fiz 15km a uma média de 4,19m/km, incluindo os 2,5km de aquecimento a pouco menos de 5m/km e o último km já claramente a tirar o pé do acelerador por estar a sentir os músculos das coxas bastante cansadas. Pelo meio foi quase tudo feito bem abaixo dos tais 4,10m/km. Há 2 semanas que os treinos não tem tido critério nenhum, não é que normalmente tenha mas ainda foi pior – culpa dos Trilhos dos Pernetas. Afinal ainda deve dar para um brilharete pessoal … se não fosse o calor anunciado.
estava excelente para um treininho … 

não estou tão mal como pensava ...

6ª ainda fui fazer uma massagem de recuperação – o Rui colocou-me as pernas impecáveis – não seria por isso que iria falhar. Já as comezainas não faltaram, tal como a bela da francesinha na 6ª noite no jantar de encerramento dos Trilhos dos Pernetas. Sábado andei no passeio com as minhas meninas e tive sempre o cuidado de hidratar bem … afinal na prova vai estar bastante calor…
cá luxo … mais de 40 Pernetas, caras-metade, filhos … uma família :)

nham nham … depois dá secura durante as corridas … 

mesmo hidratando bem ...

os lenços do #fazfumo são bem catitas

nosso bolinho - made by Pastelaria Laurita

… “foda-se, que caloraça” … pensava eu … a minha língua colava no céu da boca … tinha bebido quase 1 litro de isotónico na hora e meia antes da prova … felizmente levava uma garrafa de água comigo para ir molhando o bico … mas não adiantava muito … nem 1 minuto depois já a língua colava num céu da boca ressequido. As pernas iam bem.
4km … média a 4,11/km … já sentia calor na cabeça, mesmo chapéu, óculos de sol e protector solar, água e mesmo uma ligeira brisa não me estavam a conseguir fazer arrefecer. “que se lixe a prova” … e reduzi o andamento, primeiro para uns confortáveis 4,30m/km e depois intercalando um pouco mais lento com mais rápido. Faltava ainda muito e estava “abrasado” … foi a decisão mais sensata que podia ter tomado. 
Do outro lado já se viam muitos atletas a voltar a caminhar ou a trote … tinham desistido, com certeza por causa do calor. Há muita gente que leva isto mais a sério e não conseguindo os objectivos pura e simplesmente não está para se desgastar.
Eu tb não me queria desgastar muito mas queria fazer a prova até ao fim … o que parecia um ritmo confortável passou a obrigar já a algum esforço. Usei sempre as esponjas para me refrescar e bebi em todos os abastecimentos. Aos 10km ainda estava ali pelos 4,25m/km mas a tendência era para baixar e estava de bem com isso. 
Metade estava feito … já vinha desde aos 8km a distrair-me com malta, primeiro os que iam à minha frente e agora eram os que vinham atrás de mim. Estava muita gente, mas bem menos que em anos anteriores.
O regresso foi mais lento, entre os 4,45 e os 5m/km … sempre certinho, aproveitava apenas as ligeiras descidas para embalar mais um bocadinho. Estava a custar-me fazer a prova … já não havia gente de frente, não estava motivado, tinha calor, muito… os km custavam a passar.
Quando faltavam uns 3km decidi aumentar um pouco a passada e a dois km da meta passei para 4,30m/km, ignorei o último abastecimento e atquei a recta da meta com 1km com firmeza sem entrar em exageros … 
A 300m da meta está o Zé, as Anas e o Paulo Fortunato … high-fives e pouco depois finalmente a meta … estava a ver que não me livrava mais deste  “forno” J
o gajo até parece que corre qualquer coisita ...

oficial foram 1h38m19s … 

1h38 e uns pozinhos … bem longe da 1h30 que eu queria voltar a baixar ao fim de mais de 3 anos. Acho que neste momento tenho pernas para isso mas contra factores a que somos alheios nada podemos fazer. Estava mesmo demasiado calor. No entanto fiquei satisfeito com o treino e como reagi … alguns minutos depois estava bastante bem J
A organização esteve ao nivel habitual – ouvi algumas queixas de pessoas que chegaram mais tarde a dizer que falhou a água. Isso com este tempo é grave se tiver sido verdade. De resto tudo bem – eu não gostei tanto este ano mas foi pela forma como corri a prova. A minha 7ª Meia de Cortegaça - uma palavra de agradecimento aos muitos que durante a prova me incentivaram - ouvi muitos "força Perneta" de gente conhecida e tb de muitos que não conheço, sinal que os Pernetas já chegam bem mais longe do que imaginámos J
Fui ao carro … uma confusão danada de transito … vou demorar 1h só para sair daqui. Pego na mochila e fui directo à praia, sozinho  … a melhor decisão de todo o sempre … que mar delicioso, refrescante … 

… por mim ficava ali a tarde toda … mas não podia … havia a família Perneta à espera … um pic-nic no parque do Buçaquinho …  o fresquinho da sombra dos Pinheiros, comes & bebes com fartura e uma família enorme de malta fixe … perfeito J



a sra.Dª minha mãe … directora para a "aletria nos Trilhos dos Pernetas"


sestazinha merecida … cá bom …

Já passava das 19h quando cheguei a casa … a Pikinita tb já tinha chegado … fez os 26km do Trail de Erdal onde chegou a andar na frente nos primeiros km … a meio diz que fraquejou … normal para quem ainda há menos de uma semana esteve com uma gastro fortíssima onde nada parava no estômago. Não deu para o pódio mas deu para um belo de um treino e uma prova bem boa. 
Siga o caminho para o UTDP J 

quarta-feira

Urban Night Trail Lipor - eu fui



(Muitos parabéns Genéricos)

Não há fome que não dê em fartura. 3 postas de pescada aqui em menos de uma semana … bom sinal, sinal que há algo para contar.
Depois de arrumados os Trilhos dos Pernetas estava previsto voltar às provas logo na 6ª feira à noite. Havia uma prova no Parque de Lazer da Lipor em Baguim do Monte, organizada pelos Pernetas (genéricos*).
*Além dos Pernetas verdadeiros que somos nós, existe um outro grupo que se intitula Pernetas, maioritariamente da zona de Gondomar, Rio Tinto – são os chamados genéricos. Equipam de amarelo e no fundo no fundo até são simpáticos. Achavam que eram os originais até que lhe apresentamos um papyro que comprova a nossa existência desde 1868. Desde aí meteram a viola ao saco e pronto, está bem assim J
Acho que fui dos primeiros a inscrever-me na Urban Night Trail da Lipor – inscrição gratuita – apenas pediam que as pessoas entregassem lixo para reciclar em troca. Era a primeira edição.
Baguim do Monte é ao lado de Rio Tinto … 4km de minha casa, pouco mais de 5 minutos. Estava inscrito com a Pikinita na corrida que previa 12km com início às 21h. Acontece que a rapariga chegou-me a casa enjoada, mal dos intestinos – no dia seguinte passaríamos a madrugada e manhã nas urgências do Santo António com o veredicto de uma Gastroenterite virica – passou uns dias mal mas está a recuperar e se tudo continuar assim no fim de semana já regressa às provas de trail.
Fui sozinho .. encontrei-me com o Rui, a Catarina e o Pedro dos Montemorrows ou lá como se chamam para me entregarem o dorsal. Estava um bom ambiente – na corrida haveria uns 200 inscritos (finalizaram 160 - o resto não deve ter aparecido o que é normal quando as inscrições são de borla) e na caminhada outros tantos. Andava tudo de frontal na testa que pelos vistos era obrigatório – não tinha visto nada da prova, apenas que começava às 21h – daí não ter levado frontal.
Mas como quem tem amigos não morre na cadeia houve uma das muitas simpáticas Pernetas genéricas (obrigado, não sei o teu nome) que me emprestou o frontal dela. E não tardou a dar-se a partida. Seriam 2 voltas.
foi a menina genérica da esquerda que me salvou com aquele frontal … obrigadoooo



Saí mais ou menos a meio do pelotão mas rapidamente cheguei-me mais à frente no primeiro km que foi bastante rápido. Eu já tinha treinado ali uma vez com a malta genérica no “Pernetas à 6ª”, um treino que realizam ali de duas em duas semanas à 6ª feira à noite. Não sabia o percurso, mas tinha uma noção do que nos esperaria e sabia que não seria fácil.
só para terem uma ideia como é o percurso, só que de noite, à luz de frontal



E rapidamente chegou a parte que mais temia … escadarias, feitas de troncos de madeira colocados na horizontal … são 3 ou 4 lanços de escadas para subir com pouco intervalo umas das outras. Tanto subia degrau a degrau como tentava dois de cada vez … nenhum era ideal. O meu joelho direito não dá para estas coisas … estão a ver aquele impulsozinho, aquele pequeno salto que é preciso dar para “voar” de degrau em degrau … o meu “Mantorras” não dá … o meu direito é uma suspensão partida não adianta. Além do coração que dispara naturalmente. 
E se a subir é mau mas ainda consigo compensar com alguma resistência que tenho, a descer sou uma lástima claramente por falta de apoio e consequentemente não me sentir seguro sempre que a perna direita pousa o chão. Resultado … não faltava gente a passar por mim.
Mas mal chegávamos aos planos e subidas onde se podia correr e aqui o vosso amigo recuperava os lugares … estava com força. A 2ª metade da volta é toda corrivel, variando as superfícies entre relva, terra e no fim já alguns passeios em alcatrão antes de entrar na 2ª volta.
Nesta fase vou entre o 6º e o 8º lugar, conforme as zonas onde vamos passando. Nas descidas a pique perdia, nos planos a coisa equilibrava mas nas duas rampas (pequenos elevadores) que estavam um km antes da zona da meta eu fui bem mais forte e consegui fugir um pouco.
Passo na zona da meta … “anda Perneta … tás em 5º” … estava a dar-me gozo aquela luta … o 4º ainda o via de vez em quando, mas estaria a uns 150 a 200m. E não tinha capacidade de andar muito mais rápido do que ia. Acho que pela primeira vez na vida ia tentar usar alguma táctica de corrida nesta segunda volta.

Sabia que nas escadas ia muito provavelmente ser apanhado … faltava saber se por um ou dois … queria ver se conseguia passar essa fase sem ficar muito para trás para aguentar nos planos e depois atacar nas tais duas rampas a 1km da meta. 
Tal e qual … ainda ia no 2º lanço de escadas e já tinha um companheiro ao meu lado. O outro não tinha conseguido chegar perto. Ainda aguentei a 2ª escadaria mas fui perdendo algum terreno … devo ter saído dos escadórios com uns bom 70 ou 80m de atraso e mal cheguei ao plano comecei a tentar recuperar … piso era relva fofa … consegui colar e a partir daí meti-me à boleia porque precisava de recuperar já a pensar na parte final.
A meio havia uma descida a pique por um trilho, apenas uns 20m talvez … o colega entrou primeiro e eu logo de seguida … havia ali uns fios electrificados (que a organização diz estarem desligados) e o moço começou a gritar “foda-se, choques” … eu com a atrapalhação de não tocar nos fios dei um bate-cú que nem é bom pensar … o que vale é que era uma espécie de relva fofinha  e eu tenho um rabo almofadado (por acaso não, é só osso J).
Resultado … quando me levanto e entro novamente no trilho plano em relva o meu “adversário” já leva uns 30 ou 40 metros de vantagem novamente. Eu ainda tento forçar mas a coisa já não vai como eu quero … já não há pernas. Mas não desisto … ainda temos as duas rampas que vão doer mas pode ser que o moço morra mais que eu … sigaaa…
Numa última descida antes da primeira rampa sou ultrapassado por um “cavalo” … fonix … de onde saiu este gajo? … nem pisca deu e foi tão rápido que nem a matricula lhe consegui ver … como passou por mim, passou pelo outro que ia à minha frente na tal primeira rampa.
Nessa subida ainda forço um bocadinho e consigo chegar a 10m … mas já não há força para mais. Na segunda rampa que vem quase de seguida já volto a perder o que tinha recuperado … já não dá … já não há pernas … olho para trás e além da malta da caminhada que vamos passando nesta parte final não vejo nenhum frontal de alguém da corrida.

No último km , já bastante plano, limito-me a controlar o andamento e alguma surpresa que poderia vir de trás. Uma voltinha aos edifícios da Lipor e entrada na recta da meta onde tenho direito a uma recepção calorosa das Pernetas Genéricas ali presentes e o speaker a chamar-me de Perneta Genérico, a mim, o Perneta Verdadeiro Mor … chamou-me para umas palavrinhas e eu aproveitei para colocar os pontos nos iiii’s … “os genéricos são eles e os verdadeiros somos nós … como diz o nosso slogan “a mancar desde 1868” J
a por os pontos nos "iiiiii'S"

7º da geral … fiz os quase 11km em 50min e uns poucos segundos … não dava muito mais 

Ainda fiquei ali um pouco na conversa, comi um croissant e vi algumas chegadas. Mal chegaram os Montemorrows pus-me a caminho de casa para tratar da Pikinita. Foi pena ter ficado doente, sem desconsiderar quem participou tenho a convicção que ele ganharia a classificação feminina – ela está a ganhar forma, e este sobe e desce favorece a moça. Paciência … fica para uma próxima.


Eu gostei bastante … é um percurso muito diversificado, nem é trail, nem é estrada, sei que não é fácil … sobe e desce, escadas, pisos muito diversificados e o facto de ser corrido de noite tb dificulta – eu gosto - muitas zonas só mesmo com luz do frontal.
A organização esteve muito bem para primeira edição. Apenas colocaria uns reflectores nas fitas de marcação, na primeira volta ainda tivemos dificuldades em discernir as fitas na escuridão. Mas é só isso mesmo. Animação não faltou, abastecimento liquido a meio de cada volta, abastecimento sólido e liquido no fim e ainda uma T-Shirt para cada um. Não esquecer que foi uma primeira edição e de borla. Muitos parabéns malta!!!
Também quero agradecer o apoio … como conheço a grande parte deles e é hábito nos metermos uns com os outros nas provas, tive sempre um incentivo, uma boquita no inicio, durante e depois no fim … senti-me em casa J
Obrigado por tudo Genéricos!!!  

terça-feira

Ulfilanis Run 2019 - $$$



No passado feriado 25 de Abril voltei à Ulfilanis Run onde levo 3 presenças.
Esta prova sem grande tradição ainda me diz muito … primeiro porque se corre na minha terra, em Fiães, depois porque foi nesta prova que sem saber à altura se iniciou a saga da “Maratona dos 11km” - foi na primeira edição que eu a meio da prova “rasguei” a coxa uns dias antes da Maratona de Roma-  e por fim porque na edição do ano passado ter ido pela primeira vez na vida aos prémios monetários classificando-me no 5º lugar dos M45 e arrecadado uns fantásticos 5€ (que ainda hoje não gastei) J
Se isto ainda não fosse o suficiente, a empresa para a qual eu trabalho é patrocinador da prova, ou seja, temos sempre uma meia dúzia de inscrições e eu arrebato sempre uma borla. Tudo lucro J
E assim lá estava eu em Fiães um pouco antes da prova. A organização era como sempre do Fiães S.C., clube que representei durante as camadas jovens e ainda duas épocas como sénior em futebol. O Fiães S.C anda em convulsões, maus resultados e dificuldades financeiras levaram à demissão do presidente e quem tomou conta do clube há poucas semanas foram um punhado de pessoas que adoram o clube mas que de atletismo nada percebem. Daí a página oficial da prova não ser alimentada com informações desde fevereiro … qual seria o percurso? Não consegui descobrir. Apenas sabia que começava no estádio, ia aos Passadiços do Uíma e regressava ao Estádio. Uma dureza, garantidamente… 
malta do CAL presente … Euzinho, Agostinho, António Castro e Xô Presidente Dias

Com tantas provas comemorativas pela zona sabia que não ia ter muita gente e confirmou-se quando cheguei ao estádio do Bolhão. Mas havia “maquinões”, daquela malta que anda aos prémios … será que eu tenho hipóteses de repetir a gracinha do ano passado? Vou dar o máximo.
Ás 11h deu-se a partida e eu tentei sair rápido. Não foi difícil porque eramos realmente poucos. Logo após 100m saímos do estádio, temos uma rampa com outros 100m e depois começa a loucura … vão ser quase 3,5km com alguns planos mas quase sempre a descer.

Dou por mim a correr a 3,30min/km e pelo menos uns 30 ou 40 à minha frente, muita gente que conheço e que normalmente ficam atrás de mim. Cum caraças … sei o que nos espera na 2ª parte da prova mas não posso ficar muito para trás com receio de não conseguir recuperar. 
única foto que tenho da corrida (obrigado Dulce)… havia fotógrafos mas até hoje na página do evento nada foi publicado - aqui ainda vinha a ganhar posições com 1,5km mais ou menos

O percurso segue para Sanguedo, freguesia vizinha … ainda não temos 1,5km nas pernas e o ritmo normalizou um pouco. A minha média mesmo assim vai em 3,40m/km … estabilizo a respiração e continuo nas ultrapassagens, entre as quais as 4 primeiras mulheres, primeiro uma, depois a Cristiana e um bocadinho mais à frente a Helena Sampaio da Afis e uma miúda da Juventude Vidigalense … aqui ainda não sabia, mas a luta pelo primeiro lugar (e os respectivos 100 €) seria entre elas até uns 300m da meta … e eu iria lá estar J
… mas depois de as passar não baixei o ritmo e ganhei vantagem, passei mais 3 ou 4 homens e ainda antes dos 3km já não via ninguém … sabia que havia atletas  à minha frente, mas não sabia quantos … nem em rectas com uma visão de 200 ou 300m conseguia avistar alguém. É para vocês terem a noção do nível desta prova … eram alguns “cavalos de corrida” de outro nível, depois havia outros tantos assim como eu e o resto era malta bem mais lenta, menos experiente. 
Nunca me tinha acontecido algo assim … estava sozinho … atrás de mim, um grupinho com as duas primeiras e 2 homens, mas mesmo assim a pelo menos 100m quando entramos nos passadiços pelo lado de Sanguedo.
“Cuidado que está escorregadio” … que bosta, já adivinhava. Aquela zona quando chove ou choveu é uma pista de gelo. Depois tinha calçado as minhas Quantum que por muito boas que sejam não tem a aderência que se pretende neste tipo de piso. Segui com todo o cuidado possível. A tracção era pouca, os cotovelos do percurso eram feitos agarrado à estrutura dos passadiços.
A extensão dos passadiços toda devem ser uns 2km, entramos em Sanguedo, passamos em Fiães e saímos na outra extremidade na fronteira entre Lobão e Fiães. Uns 400m antes de chegar à saída sou alcançado pelas duas meninas da frente … o meu ritmo a medo ajudou a perder vantagem, mas o facto de ter deixado cair um gel que trazia no bolso e ter voltado uns 10m para trás deu a machadada final. 
Saímos dos passadiços num grupo de 4. Dois homens e as duas mulheres da frente. Agora é que iam ser elas … conheço muito bem as rampas que nos esperam, 4 verdadeiramente “fodidas” logo de seguida e uma menos inclinada mas prolongada um pouco antes da meta. Serão ca.3km no total. Vamos a isso.
Estava confiante porque eu subo bem. Logo na primeira volto a colocar-me na frente e a malta aproveita a boleia. Na 2ª rampa em paralelos escorregadios e que vem quase de seguida já estão com mais dificuldades e seguir-me mas o grupo fica junto. Vem aí a pior delas … não fui ver a inclinação mas não serão menos de 12% em 200 ou 300m … as minhas pernas fraquejam mas não sou o único … na última destas 4 continuo a forçar um pouco mas a malta não desarma.
Agora teremos 1km mais plano para recuperar. Forço o andamento e consigo deixar o grupo um pouco para trás. Mas as pernas não vão bem. Já no aquecimento que tinha feito senti as pernas cansadas o que é normal porque as semanas tem sido duras, com muito desnível, muitas horas em cima delas e sem treinar velocidade.
Chego à subida final … são uns bons 600m que vão inclinando à medida que vamos avançando. Já não tenho força para manter o ritmo nos últimos 100m, ouço passos atrás de mim … é o “meu” grupo .. mesmo no final da subida sou apanhado pelo outro homem e pela Helena Sampaio, espreito para trás e a miúda da Juventude Vidigalense vem uns 10m atrás mas já não tem força … decidiu-se ali a vitória nas mulheres … faltam 300m e vamos ali os 3 praticamente lado a lado … já ninguém força mais, não há sprints … o outro homem chega primeiro, a Helena depois e eu logo de seguida. A Helena vem agradecer-me a “boleia” … eu não fiz nada, só fiz a minha prova.
Desconfio que fiquei bem classificado – vou à lap2go perguntar – confirma-se, 20º da geral com 35m15s para 8,4km - 3º M45 e 20 € no papo. Do 17º classificado para o 18ª que chegou uns 3 segundos antes de mim são 2 minutos de diferença - é para verem a diferença de nível entre os 17 primeiros e os restantes. 
tivemos um sorte danada … choveu muito nos dias antes, durante a prova nada e no fim além da chuva até granizo caiu ..

O resto resume-se a ficar por ali na cavaqueira, ver a malta a chegar, subir ao pódio e levar uma ovação da malta que me reconhece como Perneta e sacar dos 20 € e ir para casa dos meus pais, banhinho e almoço J

Confesso que não me sinto muito confortável a subir ao pódio … não estou habituado, parece que aqueles lugares não são meus, não vos sei explicar porquê. Voltei a conseguir um prémio monetário, o nível da corrida é o que é … dos que estiveram presentes (e mesmo assim ainda foram quase 150) fui dos melhores e há que aproveitar quando assim é J
um gajo fica ali sem saber bem o que fazer, onde colocar as mãos, se pelo menos tivesse um copo na mão … lololol

A organização esteve bastante bem … tinha algum receio pela falta de experiência e por terem herdado a batata quente … tudo muito simples mas funcionou, especialmente o percurso, corte de estradas e gente na rua a zelar pela segurança e para que ninguém se enganasse nos cruzamentos – impecável. 
Será que vou ter que esperar mais um ano para ganhar mais algum $$$ a correr? Um dia destes ainda me profissionalizo nisto das corridas J
Estes 20 € foram divididos pelas duas filhotas J

segunda-feira

Trilhos dos Pernetas 3.6 - edição Bininho - visto pelo Perneta-Mor


(melhor speaker animador do mundo)

Feito!!! … ao fim de 2 dias ainda estou a tentar recuperar do cansaço destes últimos dias. Mais do psicológico do que do físico porque o stress é mesmo muito. Mas valeu a pena, muito mesmo.
Os Trilhos dos Pernetas 3.6 – edição Bininho foram um enorme sucesso!!! Não perfeitos, mas modéstia à parte, muito próximo disso.
Dá um gosto enorme abrir as redes sociais por estes dias … é uma invasão de posts e fotos dos nossos trilhos, mensagens em catadupa com elogios, de parabéns, muitos um pouco exagerados mas quem não gosta? J
E eu estou muito orgulhoso e ando aí de peito cheio … confesso. E acho que posso falar por todos os Pernetas - todo gostamos que o nosso trabalho seja reconhecido, certo?
Grande festa que colocamos de pé … as opiniões são generalizadas … percursos mais duros mas muito melhores com as alterações introduzidas. Mais pessoas em todas as distâncias e consequentemente no total de inscritos que ultrapassou os 4 digitos (1029) contra 805 do ano passado e os 505 no ano de estreia em 2017. Com isto aumentou também a competitividade e as lutas pelos lugares do pódio. 
S.Pedro ajudou, dando-nos um dia primaveril de céu aberto perfeito para quem veio mais numa de curtir o passeio.. andei pelos percursos no dia anterior e estavam lindas as cores – tudo a florir, amarelos, lilás, verdes … o rio fresco e transparente … os sons do chilrear dos pássaros e do rio Inha fresco, com caudal reduzido a deslizar em direcção ao Douro ... e os cheiros? Ui ui ... Palco Perfeito!!!



Não me vou alongar mais sobre pormenores da prova. Talvez venha a escrever mais alguma coisa sobre isso num texto à parte.
Quero apenas dizer que este evento tem o sucesso que tem por ser feito por uma equipa de amigos que me deixa super orgulhoso e grato por poder fazer parte da mesma. É mais uma família de amigos … uma família de amigos em crescimento porque cada vez somos mais.
Que gosto enorme dá ver aquelas quase 50 pessoas a trabalhar no dia do evento desde as 6 da manhã, aquelas formiguinhas num aparente caos organizado a agarrar cada uma a tarefa à qual foi confinada com um empenho incrivel - no fim tudo bate certo – tem batido J … 
malta da lap2go e Domingos … muito obrigado




os batedores com a put@ da mania que são engraçados...

parece uma brincadeira mas isto ainda tem uma logística que nem é bom imaginar

os nossos apoios … sem eles nada feito

será que vai chegar? …. chegou ...

65km em dois dias e vejam o sorriso … diz tudo

aqui ninguém fica apeado … há solução para tudo … faltavam 6km mas a fita-cola aguentou

vassouras dos 13km com prata da casa

manter a tradição com os bigodes …

azáfama habitual no secretariado ...

Obrigado Helena, Filipe e Zé (vassouras dos 32km) .. e aos escuteiros claro

obrigado Montemorrows (Ana, Pedro e Ricardo) - vassouras dos 18km

parte do DT (Dreamteam) com um moço que não sei quem é

Adrenalina pura ver partir os grupos, um após o outro e rezar baixinho para que tudo corra bem. 
estava na hora … cala-te ó chato … a malta quer correr ...

aqui vão eles

sigaaaa ...

Que alivio quando começam a chegar os atletas à meta, sinal que as fitas estão no sitio certo. “Então, gostaste, os percursos estavam bem marcados??” … “impecáveis… excelente” … este ano não houve stresses com as fitas.


houve quem fosse a banhos no Inha

houve competição, treino .. como este moço que não sei quem é 

houve quem se viesse divertir e mesmo assim superar ...

umas das grande novidades deste ano … "Trilho da Joana" … tb conhecido como "Zona muito fodida" … o pessoal adorou mais ou menos … adorou menos enquanto andou por lá, adorou bués quando lhes passou o empeno 3 ou 4 dias depois :P

houve momentos lúdicos por caminho … não há desculpa para não saber a receita das natas do céu

bem … no regulamente nada diz sobre ajudar os colegas durante a prova 

eh páh … ali pela meta a aplaudir o pessoal várias vezes ameacei suar dos olhos por causa dos sorrisos, dos olhos vidrados de satisfação, da superação … das palavras que ouvia de alguns que fizeram questão de ali, completamente estafados ainda, nos encherem de elogios. 


confirmei o que já desconfiava … vale a pena conhecer este Fumo … e não é pelo que corre … grande ser humano de uma humildade incrível … obrigado por teres vindo … agora és Perneta oficialmente … e pró ano voltas mas vais fritar ovos porque eles não se fritam sozinhos :P

olhem os sorrisos de satisfação dos menos rápidos e por isso últimos a cortar a meta … fantástico

Feliz por ver as pessoas felizes … a fila para as sandes não era problema, a coisa fluía e o pessoal estava numa de convivo. Tenho pena de não ter podido corresponder mais nesse aspecto … também apetecia ficar por ali com tanta malta amiga mas havia trabalho a fazer.
tava geladinha ...

as meninas do DT fritaram muito mais do que 1000 ovos.. na hora para que a sandes esteja no ponto 

família Cardoso … nunca falham … pai e cunhada na caminhada, mãezinha desta vez não pode participar mas ajudou num abastecimento além de ter feito kg e kg de aletria de véspera e o maninho foi aos 18km e até se safou bastante bem para quem raramente corre e está gordo como o caraças

não sei porque é que a malta se ri do meu bigode … eu cá acho que é inveja :P

festa no palco … as minis tb ajudam 

Juventude Cortegacense renovou o titulo de equipa mais numerosa e arrecadou o presunto, duas bolas de queijo, 2 caixas de minis e 50 pães ...

houve um casalinho que fez 9 anos de casado no dia … nada melhor que festejar nos Trilhos dos Pernetas … 

Quando o palco começa a ser desmontado e mesmo completamente estafados vejo todas as formiguinhas a limpar, a arrumar … não se arreda pé dali. Antes, enquanto ainda havia os convidados mais resilientes, vi um ou outro a retirar-se de cena para ir tentar descansar uns minutos e recarregar um bocadinho as baterias para o que falta fazer - admiro tanto esta minha família de amigos.

Chego a casa eram quase 20h … o mais cedo dos últimos 3 dias … tenho dores de cabeça há pelo menos 24 horas seguidas que não passam nem com uns drunfos. Mas estou tão feliz … não me lembro de vir a conduzir até casa … vinha a rever as imagens do dia e confesso que suei dos olhos várias vezes, especialmente por um episódio que deixo mais para o fim e pelo descarregar da adrenalina de um stress brutal acumulado por estes dias.
Das muitas mensagens que recebemos lembro-me de uma que dizia mais ou menos isto “não sei como é que um bando de pernetas doidos consegue organizar um evento tão brutal como este” …
Eu sei … o segredo é muito simples … ser Perneta … temos por hábito dizer que não é Perneta quem quer … ser Perneta é fazer as coisas de forma genuína, de coração sem esperar nada em troca, sem olhar a proveitos próprios e sem ter o lucro como motivação.
Estou-me a repetir quando digo que os Trilhos dos Pernetas só fazem sentido assim como são feitos – totalmente organizados por nós, amadores que tem fraquezas e pontos fortes, que são tão diferentes uns dos outros mas que por incrível que pareça se complementam de forma quase perfeita. E é preciso ser parvo por natureza também … sem isso não é possível encarnar o tal espirito Perneta que vos garanto, existe mesmo.


missão cumprida!!! Estão quase todos aqui, Pernetas do meu coração … estamos tão de parabéns pessoal!!!

Muito obrigado a todos que vieram a Canedo participar nos Trilhos dos Pernetas 3.6. Nós montamos o palco – vocês fizeram o resto.
Muito obrigado a todos que nos apoiarem, as entidades oficiais e as empresas privadas. Sem eles não era possível colocar isto de pé.
Muito obrigado aos Bombeiros, Socorristas, Escuteiros e Policia que se juntam a nós neste dia.
E aquele abraço muito especial para todos os Pernetas do meu coração – embora me tivessem feito suar dos olhos à frente de toda a gente quando me surpreenderam em plena entrega de prémios com a atribuição do prémio “Manquinho do Ano” … a sorte que eu tive em usar óculos de sol na altura … lá se ia a reputação de Bad Boy.Vocês são os maiores!!!
bem escondido atrás de uns óculos bem escuros e de um "cap" Pernetas

obrigado pela distinção surpresa … está num lugar especial lá em casa

Parabéns a minha Pikinita que está definitivamente de volta … fez uma prova brutal nos 32km e consegui voltar aos pódios com o 3º lugar no escalão - tenho muito orgulho nesta pikinita raçuda. 


tás de volta :) :) :)

Por fim não me vou esquecer de uma pessoa muito especial  – como sabem a edição deste ano foi de homenagem ao nosso Bininho. Podes crer que me lembrei muitas vezes de ti páh, especialmente na partida e na entrega dos prémios pois estavas sempre por ali. Fazes muita falta Bininho - és dos nossos. Tenho a certeza que gostaste da tua festa!!
bolachas feitas pelo Hélio Fumo especialmente para os Trilhos dos Pernetas - by Love in The Bag

Ganda Bininho - esta foi para ti