terça-feira

Não é justo


Estou na Alemanha para uma semana cheia de km … de carro. Mas também quero fazer alguns a correr. Hoje fiquei numa zona nova para mim, um Hotel numa localidade que se chama Bispingen no norte da Alemanha não muito longe de Hamburgo. Queria fazer um treino mas não sabia o que me esperava .. sabia que a localidade era pequena, mais nada.

Faltavam uns 10km para o destino e quando saí da autoestrada deparei-me com este cenário … espetacular, as cores de Outono misturadas com um por do sol fantástico. Lindo? Sim!!! Mas o sol pondo-se sobra a noite para treinar e sendo uma localidade pequena que não conheço deixa pouca margem para um treino interessante.


Cheguei ao Hotel, check-in em tempo recorde, atirar as malas para o chão, vestir equipamento enquanto sentado na sanita largava uma manada de javalis (que querem??? estes pormenores fazem parte …) e siga para a rua onde ainda apanhei luz do dia … aproveitei para seguir umas placas que levavam a uma floresta …


adoro o Outono … as folhas, as cores...




não posso ver nada …



dá para ver que a luz se está a ir … e eu estou a 2,5km do ponto de partida…

a decisão foi a única possível … regressar ao Hotel… e rápido …

tive direito a um inicio de noite fantástico ...



5km era pouco e acabei por percorrer mais 7km pelos passeios de Bispingen..


NÃO É JUSTO!!! Esta zona merecia uma visita mais demorada com luz do dia … sinto que ficou muito por descobrir …

e fui afogar as mágoas com uma jantarada com tudo a que tenho direito ...



e foi durante o jantar que decidi que isto não fica assim … amanhã decidi levantar-me cedo, com os primeiros raios solares para voltar à floresta e explorar mais um pouco … vai ser bom!!! 

Aproveito para registar aqui que ontem voltei a treinar no red-line já com os olhos postos na Meia de Viana em Janeiro … variações de ritmos e os pulmões a arder no fim … muito bom.

pelo meio tentei fazer 5km abaixo dos 20min. Aguentei o ritmo até aos 4,3km, depois tive que reduzir um pouco porque não dava mais … fiquei satisfeito, estou a voltar …

quinta-feira

Perneta pifou de vez


Entre 2011 e 2017 a média de provas a que fui por ano é de 13,72. No ano passado tinha batido o recorde de provas num ano com a participação em 17 e em 2014 tinha sido o ano com menos provas com apenas 10.

Vou a poucas, gostava de ir a mais, mas a falta de disponibilidade de tempo e a apetência por provas mais longas faz com que faça poucas de distâncias mais curtas. Só para terem uma ideia, em todos estes anos em que corro (e já vou para 10) só fiz 21 Corridas de 10km (o que dá sensivelmente 2 por ano) e 20 Meias Maratonas. Maratonas e Ultras somadas dá 29!!! 

E o que é que isto tem a ver com o facto de ter "pifado" de vez? Sentem-se por fvr … estão sentados??? Cá vai ...

Aqui o vosso amigo, num acto de loucura extrema, inscreveu-se em 8 provas entre 1 de Dezembro e 20 de Janeiro de 2019. Isso mesmo, vou fazer 8 corridas de estrada em 7 semanas. 

uma estreia correr em Aveiro

acreditam que nunca fiz? Acreditam que já estive inscrito e pago por 3x? … como diz o ditado "à quarta é de vez…"

outra estreia :):):) … com os nosso vizinhos de Mozelos

a melhor de todas … sem qualquer dúvida

 nesta sou veterano … tem pão de ló :)
n

depois de um ano de interregno, este ano volto para a verdadeira

manter-me totalista … a correr como se fosse em "casa"

bolas do natário ou jesuítas???

E perguntam vocês, porquêeeeee???? Vá perguntem!!!

Porque gosto de Corridas de São Silvestre, porque se disputam ao fim da tarde/inicio da noite relativamente perto de casa e porque quero voltar a ganhar um ritmo próximo do que já tive e as provas ajudam. Os olhos estão postos na Meia Maratona de Viana a 20 de Janeiro … tenho umas contas a ajustar com esta menina. Até lá espero conseguir ganhar o ritmo e resistência necessários para isso. 

NOTA: se o tempo o permitir, até pode ser que faça 9 provas em 8 semanas. É que tem uma para o dia 27/01 que está pendente!!! Se essa acontecer poderá alterar os planos e os objectivos!!!

segunda-feira

Maratona do Porto 2018 - estou de volta


Correu muito bem a Maratona do Porto deste ano, a mim, aos meus amigos e à grande maioria dos que nela participaram.

Este ano quebrei algumas tradições de que gosto muito. Para mim a Maratona do Porto começa no sábado antes com aquela rotina de ir levantar o dorsal à Alfândega, participar na Pasta Party* e rever muitos amigos das corridas por ali. A tradição mantive-a embora em parte um pouco contra a minha vontade.
Para começar, da malta do CAL/Pernetas, apenas eu fui à hora habitual. Todos os outros ou foram no dia anterior ou só de tarde. Fui “adoptado” pelos Montemorrows ou lá como se chamam com quem me sinto em casa – vá-se lá saber porquê J … mas senti a falta da minha família Perneta – meninos e meninas – em 2019 retomamos a tradição J
gente boa … que dizer, alguns, poucos … quase nenhum
o raio da "pikinita"
*Pasta Party – este ano a organização decidiu fazer-se cobrar pela já famosa pasta party – 3 € a cada participante na Maratona. Quando soube fiquei revoltado – participo nesta prova há 8 anos consecutivos e não gosto de ver estes “cortes” que aos poucos e poucos vão acontecendo nesta prova. Os mais antigos lembram-se da garrafinha de vinho do Porto. Que saudades!!! Quanto à Pasta Party estava decidido – não compactuo com isto. Como em casa!!!
Mas comi por lá L (isto é que se chama coerência) – como sempre a ala feminina dos Montemorrows ou lá como se chamam dão-me a volta em dois tempos … sou um Banana, eu sei L
no dia seguinte levei uma abada … com todo o gosto diga-se :)

depois de almoço fui assistir a uma bela palestra de um amigo … estiveste muito bem João
E quebrou-se uma bonita tradição tb ao jantar … nos últimos 4 anos organizei sempre um jantar em minha casa onde juntava os meus amigos dos blogues que vinham ao Porto correr a Maratona. Este ano com a falta de tempo dos últimos meses foi algo que me escapou. A retomar para o ano J
achei que podia dar uma energia extra para o dia seguinte …

E pronto … chegou o dia M, o dia da minha 8º participação consecutiva na Maratona do Porto, a prova rainha que junta todos os anos um enorme leque de malta conhecida de todas as vertentes da corrida em Portugal. Uma festa que eu adoro e a que não vou faltar enquanto puder.
Estive sempre muito tranquilo com esta edição – porque estava sem objectivos de tempo, queria apenas fazer tudo a correr. E porque me sentia confiante, depois de 5 semanas seguidas a treinar sem qualquer mazela, a sentir-me cada vez melhor. Que pena não ter acontecido uns 2 meses antes J … quer dizer, estava sem objectivos até há umas duas semanas atrás. Num treino ali pela marginal do Douro o Jorge tinha-me confessado que gostaria de fazer 3h45. “Vou contigo” saiu-me espontaneamente. E prontos … já tinha objectivo. Tentar ajudar o Jorge a chegar à meta em 3h45!!!
Acordei ansioso … estive sempre muito tranquilo até à hora de acordar. Maratona é sempre Maratona!!! Mas passou relativamente rápido … a primeira coisa que fiz foi espreitar pela janela o tempo que fazia. A estrada estava seca … ainda não tinha chovido!!!


á última decidi-me por estas … depois dos Caminhos do Tejo, Caminhos de Santiago, Maratona de Berlim achei que a Maratona do Porto seria uma despedida em beleza mais que merecida

As previsões apontavam para chuva durante o dia todo, mas divergiam na hora de uns sites para outros. Uns apontavam para chuva a partir do meio da manhã, outros que chovia já logo desde a primeira hora da Maratona. Eu gosto de correr à chuva, e achava que o tempo que se previa iria ajudar na Maratona o que se veio a concretizar com a quantidade de recordes batidos pela malta que participou. Só não queria que chovesse antes da partida o que iria ser desagradável. 


pelo sim pelo não fui comprar o equipamento necessário … Perneta sempre à frente …

S.Pedro foi amigo … apesar de alguns chuviscos de aviso do que iria vir mais tarde, até à partida o tempo aguentou-se bem. Não nos podemos queixar.


 falta a Ana Paula que como sempre não quer ficar na foto …

E ali estava a pernetada toda no bloco de partida C – com as brincadeiras de sempre não há tempo sequer para pensar no que nos espera o que é excelente. 


3 Pernetas ...

quaaaatroooo….

Seteeeeee … estão todos, incluindo o Paulo que foi à caminhada da Family Race e já agora … apresentamo-vos a Ana Paula ...


E partida …
O percurso é mais do que conhecido … novidade para mim este ano foi ter partido tanto de trás o que fez com que fosse enfiado como sempre numa multidão mas a ritmos inferiores ao que pretendíamos. Sem stress … que estas provas são longas. Aproveitando a ciclovia da subida da Avenida da Boavista começamos (não sei se repararam mas isto é a dois) a passar os balões … primeiro o das 4.45h … depois o das 4.30h.
Onde anda o raio da minha “pikinita” … a Dora ainda há poucos dias estava na dúvida se participava ou não. Não se sentia confiante, os treinos não corriam bem e havia ali uma dorzita num gémeo que andava a incomodar bastante – mas lá arranjou forma de se motivar a participar através de uma companhia – a ideia era seguir no balão das 4h30 … como cada um seguiu o seu caminho logo de manhã com a respectivas equipas nunca mais a vi. Ia atento porque sabia que ia à minha frente mas não a vi … “deu uma doidice qualquer à mulher e  já deve ir longe” … o Jorge ria-se J
Não demoramos muito a chegar à média que precisávamos para as 3.45h que era de 5,20m/km. Mas era preciso baixar mais um pouco para as poucas centenas de metros que dá sempre a mais e tb como margem para os km finais. Não era fácil pelo pelotão compacto que se esgueirava pelas ruas estreitas antes de voltar à zona da Anémona. Trava, arranca, trava, arranca … 

Quando viramos para o porto de Leixões a média já andava nos 5,13m/km e estabilizou-se o ritmo. O pelotão ainda estava compacto mas já andava mais no “nosso” ritmo. Ida ao fundo da linha de metro em Matosinhos, já se vê as primeiras caras conhecidas do outro lado, os balões da malta mais rápida (um dia gostava de ir no encalce do das 3h) … já tínhamos passado os das 4h … o próximo era o nosso, mas levava uma vantagem grande fruto dos mais de 3min que levamos na partida para passar o pórtico. 
Os meus olhos continuavam a olhar para o outro lado à procura da “Pikinita” mas nada … que raios, não pode ir muito mais à frente que isto J … e a cada conhecido que via, lá tinha que mandar o meu bitaite – isto foi um constante, tem que ser. Retorno em Matosinhos … e pouco depois lá vinha a moça a comandar o balão das 4h30, toda sorridente … parece bem. Fixe. Fiquei mais descansado J 
10km em ca.53min … excelente. Vamos bem … também mal seria J  … quem tb vinha bem eram todos os calenses pernetas desta prova, quando digo bem refiro-me tb à boa disposição … os “incentivos” habituais que nosso caso é mais “bota abaixo”JJJ … uma festa J
Passamos a placa dos 11km e resisti à tentação de parar para a foto da praxe – havia um objectivo a cumprir. Mas alguém haveria de tratar do assunto.


nem sei se hei-de rir ou chorar … adoro

Outra coisa que não fiz, foi parar para “mudar a água às azeitonas” … desde o primeiro metro que venho com vontade, umas vezes mais outras menos. A esperança é que passe como acontece muitas vezes, ou então que arranje um arbusto a jeito e decido na hora … não quero deixar o Jorge porque depois para recuperar o ritmo é complicado. Vamos mais rápidos, às vezes até abaixo dos 5m/km e temos de refrear os ânimos para não exagerar.
No Castelo do Queijo a separação da malta da Family Race e pouco depois entramos na marginal do Douro, Ponte Arrábida, Alfandega e chegamos à Ribeira … 20km feitos. Tudo bem nesta altura. 10km mais rápidos em 52min. Vamos até Gaia? Oupas …



Mil cuidados a descer para a Ribeira … piso em pedra molhada, parece escorregadio. Corre tudo bem … siga para a Ponte D.Luis … espectáculo, cheio de gente a fazer barulho, a incentivar … as pernas ganham força e nem damos pela subida para chegar ao tabuleiro inferior. No meio da multidão tenho direito a claque … do outro lado reconheço o João Moreira, o Jorge e sei que estavam com mais gente … retribuí da forma possível … obrigado, sorrisos e acenos quando dava J
Aliás … se há coisa que eu não me posso queixar de forma nenhuma é de apoio durante as provas, de malta que conheço pessoalmente, estejam a correr ou da parte de fora, mas também de muitos desconhecidos que reconhecem a minha fronha deste tasquinho ou dos Trilhos dos Pernetas. A referência aos 11km da Maratona de Roma continuam bem vivas e eu gosto tanto J … aproveito para agradecer a todos, e a pedir desculpa caso tenha deixado alguém sem retribuir – se assim foi foi porque não me apercebi. Tento sempre retribuir de alguma forma, aliás, faço questão de agradecer aos desconhecidos que nos batem palmas durante o percurso … lógico que não a todos porque se não não fazia outra coisa, mas sempre que possível tento faze-lo J
Estávamos do lado de Gaia a passar a meia Maratona .. aprox.1h51 … excelente. Já noto algum peso nas pernas mas nada de alarmante. O Jorge tb já me parece algo desgastado mas faz parte deste jogo. Mantivemos o ritmo em direcção à Afurada … continuavamos a conversar de vez em quando o que era bom sinal. Novamente muita gente de frente … fico feliz por ver alguns amigos dentro dos objectivos bem ambiciosos que tinham para esta prova, como o Paulinho e o João Sousa … ainda retribuíam os incentivos – bom sinal J
Retorno na Afurada … vamos ao próximo no Freixo … oupas. Agora vemos quem vem atrás de nós e dá para ver como vão os restantes amigos. Zé Moreira vem muito bem à frente do balão das 4h. A poucos metros desse mesmo balão das 4h surpresa das surpresas … o Bruno!!! Fonix … este moço decidiu correr a Maratona um dia antes, com meia dúzia de corridas nos últimos meses – a companhia do Badolas dá nisto J … e a “Pikinita” … lá vem ela toda sorridente como (quase) sempre … 24km e bem … excelente … uma guerreira esta moça J … agora procurava ver a Ana Castro, única atleta feminina do CAL a participar na Maratona e que era uma estreia … ali vem ela … “atão Ana???” … “tá difícil!!!” … mas com boa cara J
Com este jogo do andar a ver quem conheço do outro lado, mandar e receber bitaites os km vão passando e voltamos ao Cais de Gaia. Mesmo à entrada as famílias do Zé e do Bruno. Ana, Samanta e canalhada nunca falham … high-fives e sigaaaa …
Cá está o Adamastor … aquela filha da mãe da subidinha para o tabuleiro inferior da Ponte D.Luis … hoje faz-se bem … o Jorge pareceu-me com mais dificuldades … mas rapidamente recuperou. Á saída da ponte mais uma injecção de adrenalina com um público entusiástico … mais uma vez João, Jorge e resto da malta (obrigado) … siga para o último retorno no Freixo … não foi fácil para o Jorge manter o ritmo … mas conseguiu …. 30km … estes últimos 10 em 53m … excelente. E ali está ele … o último retorno. Agora é “só” ir até à meta … começa a Maratona J
O Jorge já vai pálido … mas cheio de força de vontade vamos conseguindo manter o ritmo. Novamente o público fantástico da ponte … túnel da Ribeira … este ano vejo tudo, as placas para nos dar força, as tv’s passam imagens da Maratona de Berlim, o público dentro do túnel a aproveitar os ecos para fazer barulho ensurdecedor … muito bom…. E está a tocar Queen … vem-me à memória o “Bohemian Rapsody” que estreou no cinema esta semana … fui ver a antestreia com a Dora na 4ª feira e adorei. É espectacular!! Vão ver … conselho de amigo.
Por falar em Dora não a vi neste retorno … como estará? Espero que continue bem. Ela safa-se, o raio da “pikinita” J
Á saída do túnel vindo de trás de mim “Caaarlosss” … olho para trás … é a Lígia do Sporting Clube de Espinho, tínhamos passado por ela e não a reconheci. Tinha-a conhecido há umas semanas atrás na Espinho Beach Run, veio dizer-me que acompanhava o PK e que gostava … tem que haver gostos para tudo J .. e ali estava ela a estrear-se na Maratona em excelente “estado” para aquela altura da prova. Juntou-se a nós mais ou menos a partir da Alfandega … e fomos uma bela ajuda uns para os outros para aqueles intermináveis 3 ou 4 km até à Foz … 
Na subidinha para a Avenida Brasil ela foi-se embora, ganhou ali uns 100m e assim se manteve. O Jorge estava pálido ... a fazer das tripas coração para não baixar o ritmo … em grande mesmo. Compreendo tão bem aquela luta!!! 
Avenida Brasil … é interminável nesta altura. Ao ritmo que vamos já há muitos km que é um ultrapassar constante de pessoal que vai mesmo em grandes dificuldades. Olho mais uma vez para o Jorge e está tão branco … “então? E o Benfica … fodaice, só soube quando cheguei a casa na 6ª feira?” … esboçou um sorriso, disse qualquer coisa mas não deu seguimento à conversa. Pronto … vou deixa-lo sossegado J
Ali a uns 300m à nossa frente ia o balão das 3h45 … de repente diz o Jorge “vamos apanhar o balão” … J … ah valente !!!!
E apanhamos mesmo, ali por volta do km 40. Faltavam 2 … estava feito. Pelas minhas contas íamos chegar no minuto 43… quando entramos no km 41 disse “vamos tentar o 42?? … era um nr.bonito” … houve uma aceleradela imediata mas não durou muito, já não havia energia para muito mais. 
Anémona … faltam uns 400m, a maior parte a subir … começa a chover … é para ser épico. O ritmo não baixa … curva e contra curva … olha a meta … conseguimos, fantástico …



Jorge com a faca nos dentes … valente…

bem bom :)

Estava super feliz, por mim, tinha feito uma Maratona sempre a correr, sempre bem. Nunca me faltou energia, falta pernas naturalmente … são já 2 anos de muitas lesões e treinos intermitentes. E mais feliz ainda pelo Jorge … que enorme Maratona ele fez … lutou até à última e conseguiu tirar muitos minutos ao recorde dele … 
Fartei-me de rir no fim … eles estava tão mas tão desorientado … chovia a potes, ainda fomos buscar a bela da cerveja mas não havia vontade. Bebeu-se metade e o resto ficou. Ali tb estava a Ligia toda feliz e com razão pelos 3h45 da sua primeira Maratona (fantástico). Cá fora o Joel que nos tinha vindo ver chegar, mesmo com dilúvio. Só amigos.
Chovia tanto que não havia como ficar por ali a confraternizar. Vamos embora!!! Pelas minhas contas tinha pouco mais de 30m para ir ao carro trocar de roupa e ver a Dora a chegar. O carro estava a 1km … cheguei lá com chuva ininterrupta, encharcado até aos ossos e a tremer como varas verdes de tanto frio. Mudar de roupa dentro do carro foi uma aventura … com as pernas feitas num oito a tirar a roupa toda e a vestir uma mais quentinha … que riso J … levei o carro para mais perto da meta com medo de chegar atrasado à chegada da Dora. O Joel sossegou-me … seguindo na aplicação conseguiu dizer-me que a Dora estava a 10min da meta, com hora prevista para as 13.27m … “pikinita” brava J
À chegada ao Queimódromo vejo o Zé e o Bruno … o Zé de sorriso rasgado (recorde pessoal, marca anterior melhorada em 3min) e um Bruno super bem disposto (4h11m sem treinar … ta que pareu). São estas coisas que me enchem a alma J
“Falta um minuto” diz o Joel … coloquei-me a jeito no último cotovelo antes da meta. Continuava a chover para caraças. Se der, corto a meta com a “Pikinita” … não tardou ali vinha ela … sorriso estampado no rosto a subir para a meta … feliz da vida … vinha com a Alice, a companheira de viagem nesta aventura … não entrei no relvado … este momento era delas J


muitos parabéns meninas … pela Maratona e pela forma como a correram

O que aconteceu depois é vergonhoso. Fui com o Joel para a zona onde os atletas saem depois de acabar a prova. As filas para levantar as mochilas entregues antes da prova eram imensas. Que grande confusão. As pessoas à chuva, ao vento, cheias de frio … confusão geral. Pessoas a tremer, a entrar em hipotermia … vi estranhos a abraçar-se uns aos outros para tentarem manter-se quentes. Muito mau mesmo!!! É imperativo que a organização olhe para isto de forma a corrigir de futuro … olhando às condições foi uma falha muito grave para uma organização de excelência quase em tudo. Não sei o que se terá passado mas teve gente 1h30 à espera para receber os seus pertences. No caso da Dora que tinha entregue mochila demorou uns 25m, o suficiente para ficar novamente todo molhado e cheio de frio. Eu, de calças grossas, meias e cuecas secas, camisola e casado de fato de treino – nem imagino o que sofreu aquela malta ali, com o pouco equipamento da corrida no corpo. Desumano.
O banho quente em casa soube como o cortar de uma meta numa Maratona!!! J
Tenho mais uma no currículo! A 8ª seguida no Porto, a 12ª na minha carreira de atleta do pelotão. Adorei mais uma vez e para o ano cá estarei novamente.
Parabéns a todos os que acabaram, aos que desta vez por algum azar não conseguiram é levantar a cabeça e para o ano tentar novamente. Muito orgulhoso e feliz pelas marcas que os meus amigos conseguiram – tantos recordes pessoais. Estive com especial atenção aos meus amigos de clube – grande Jorge, grande Zé e fantástica estreia da Ana Paula… enorme Bruno e Serafim. Os Montemorrows ou lá como se chamam estiveram igualmente em grande … Paula, Raquel (que voo moça), Ana (outro voo) e Ricardo com RP’s … Paulinho com grande tempo, o Pedro que fez 1h menos que no ano anterior e Rui Taveira (da próxima corre melhor) J … uma palavrinha para um “miúdo” que é um lutador nato … o João Sousa … na estreia atirou-se às 3h como um dragão, fez 3h09 e juntou uma aprendizagem muito grande à bagagem dele - na Maratona é preciso alguma experiência … o sub-3h é uma questão de tempo.
E por fim claro muito orgulhoso e feliz pela minha “pikinita” … é de uma raça que só visto. O sorriso com que anda estampado na cara desde ontem diz tudo!!! 
Estou com ganas de fazer uma Maratona “a sério” … para isso preciso que as lesões andem longe de mim. Isso quer dizer que tenho que ter juízo e um bocadinho de sorte. Quem sabe não arranjo uma Maratona para inicio do ano J … agora venham as São Silvestres para ganhar ritmo J