sexta-feira

Maratona do Porto 2016 - estou "in"



Eu ir à Maratona do Porto não é propriamente novidade nenhuma. A novidade é que o objectivo a que me queria propor está completamente fora de hipótese.

A minha intenção era não só atacar o meu RP na distância (3h24) que data de 2013 no Porto, como tentar baixar as 3h15. Facto é que depois do CCC a recuperação foi pior do que esperava - não a nível muscular, onde até recuperei razoavelmente bem, mas um vírus e depois uma tosse de cão (que ainda dura) deitaram-me completamente abaixo e não me deixaram retomar os treinos como pretendia - aliás, tirando uns "aquecimentos" não tenho feito nada.

Com a participação nas 24h do fim de semana passado, e mais uma recuperação longa, não resta tempo para uma preparação minimamente adequada para o que pretendia fazer. Estamos apenas a 6 semanas e as duas últimas não contam. Mas não há problema nenhum, não faltarão outras oportunidades.

Á Maratona vou na mesma, mas vou numa de desfrutar ao máximo, ver amigos, participar na festa. Será a minha 6ª Maratona do Porto consecutiva - foi no Porto que me estriei na prova Rainha e desde aí que não a troco por mais nenhuma.

Entretanto este fim de semana volta o GTSA - é uma das provas de trail referência em Portugal e eu nunca pude participar, pois calha sempre na altura em que eu vou para Itália em trabalho. Este ano terei lá uma pessoa muito especial a participar, uma estreia em Ultratrail e logo na Serra D'Arga é de grande coragem - não tenho dúvidas nenhumas que o vai conseguir - com aquela garra e determinação que lhe reconheço, em condições normais, com maiores ou menores dificuldades está no papo. Quanto a mim, um dia tb vou ter esta prova no meu CV.

terça-feira

24h Portugal a Correr 2016 - alma cheia


Tal como prometido o CAL invadiu Vale de Cambra durante este fim-de-semana, quer dizer, não foi Vale de Cambra inteiro, nem sequer metade, mas apenas e só o Parque de Lazer dessa bela localidade … bem, tb não foi todo o parque, nem metade, foi um bocadinho dele ali ao lado do rio e a pista de mais ou menos 2,15km onde se disputou a edição deste ano das 24h Portugal a Correr J
No total eramos 16 elementos, divididos por 4 equipas de 4. A ideia de participar com um grupo foi minha, depois de ter servido de cobaia no ano passado. Quando há uns meses atrás sondei o pessoal para ver quem queria participar nunca pensei que a adesão fosse assim tão grande. Confesso que a minha primeira intenção era fazer a prova em individual, mesmo sabendo que só havia 3 semanas de descanso depois da CCC. Quis a sorte* que fossemos 16 interessados no total, o que me “obrigou” a inscrever numa equipa de 4 para bater tudo certo.
*foi mesmo sorte – no estado em que eu estava ia andar a arrastar-me por ali às voltas. Fiquei mesmo contente por não me ter inscrito individualmente. Tinha-me arrependido. Os Deuses da corrida estiveram comigo J
A lista inicial de inscritos sofreu várias alterações durante os meses que antecederam o dia D. Houve lesões e imprevistos que obrigaram a tal. O bom é que foi sempre possível colmatar as falhas com novos elementos e nenhuma equipa ficou “manca” … quer dizer, olhando que havia Pernetas em todas as equipas, elas eram “mancas” por natureza J … com o coordenar da coisa não tive cuidado especial na altura de fazer as equipas, a não ser com uma. Olhando aos resultados do ano anterior (que valem o que valem), eu achava que a nossa equipa mista mais forte poderia lutar por um lugar no pódio. Por isso, foi a única equipa escolhida a dedo por mim – todas as outras foi por escolha aleatória. O que a malta queria mesmo era pura e simplesmente passar um bom bocado, entre convívio e corrida – se viesse algo mais por acréscimo seria então perfeito J
Há umas poucas semanas o Nuno Silva (um dos nossos craques), numa reunião do clube, chegou-se à minha beirinha a dizer que preferia não fazer parte da equipa mais forte, pois queria concentrar-se num outro objectivo lá mais para o início de Novembro. Queria participar, mas sem o “stress competitivo” J. Ok, não há problema que aqui o “Mourinho” e “Mestre da Táctica” do CAL resolve o problema, e pimba …. quem ficou com a responsabilidade de substitui-lo??? Quem??? Pois, euzinho J … coitados dos meus companheiros de equipa – notei neles um desgosto muito grande, além de ficarem meios mancos, iriam ter que me aturar ainda mais de perto. Não lhes gabo a sorte J
E lá chegou o dia …maior fatia da logística à responsabilidade do Bruno e um bocadito à minha, e lá estávamos todos na Pastelaria Laurita em Fiães (já alguma vez disse que tem as melhores natas do mundo J) e pouco depois em Vale de Cambra. O que poderia correr mal? Nada!!! Ok, a tenda que o Bruno arranjou emprestada nunca tinha sido montada por nós … mas caraças páh, tínhamos vários elementos que já foram escuteiros, outros que foram à tropa, um ou outro que andou em seminários e o Américo, que não sendo engenheiro, parece J
o nosso craque alentejano a mostrar o que é que se deve comer e beber ao pequeno-almoço antes de uma prova

quando tenho uma missão, levo a coisa a sério 

Pastelaria Laurita ... se um dia passarem em Fiães vão lá, experimentem o Pastel de Nata e o "mau" humor do Beto... 

Ao ver como a coisa se estava a desenrolar, preferi oferecer-me como primeiro corredor … é melhor levar com quase 30 graus durante 2 horas do que aturar a malta a “armar a tenda” J Vamos mas é dar à perna …
os 4 magníficos que se voluntariaram para correr no primeiro turno, e assim evitar "armar a tenda"


E começou … a nossa equipa tinha decidido fazer turnos de 2h. Era um bocadito puxado, mas dava 6 horas de descanso entre turnos o que era bom. O meu primeiro turno correu bem – levava o firme objectivo de correr uma meia-maratona por cada um, o que daria 10 voltas. Estas primeiras duas horas ficam marcadas por um calor imenso, que me “obrigou” a parar nas boxes em quase todas as voltas para beber qualquer coisa, e refrescar a cabeça e pescoço com água. Único problema era a “tosse de cão” que carrego há umas semanas e que não me deixava respirar em condições. Acabei por fazer 11 voltas (quase 24km), sempre com um ritmo certinho. Bem bom. Estava na hora de passar o testemunho à Ana. Lembram-se dos marmanjos a montar a nossa tenda? Contei 5 voltas antes que se vislumbrasse algo parecido com uma tenda J
..isto foi na primeia volta ... não se esqueçam desta por fvr..

 hehehe.... tantos a "armar a tenda" ... hehehe

as "miúdas" trataram da delas num tirinho...

isso Perneta, tu salta enquanto podes ...


e vão 4 voltas e a tenda continua por "armar" ... hehehe


isso Perneta, tu ri-te ... isso já te passa ... 

olha, parece que conseguiram ... 

ai o car@.., um gajo a matar-se e eles na festa...

mas foi merecido ... ficou bem catita o quartel general do CAL

para terem uma ideia como se passava o testemunho...
video

Impressionante como as 6 horas seguintes passaram rapidamente. Entre almoçar, converseta com os amigos e conhecidos, beber umas mines e comer umas bifanas, mandar uns “mergulhos” no rio e tentar descansar um bocadinho, o tempo passou a voar e estava na hora de voltar à pista. Eram 20h e os meus colegas de equipa tinham-se portado lindamente colocando a nossa equipa em 8º lugar na geral e 2º nas equipas mistas. Foi a chamada prova de trás para a frente.



já fumega... 
 



nham nham


bem boa....


O meu 2º turno correu muitíssimo bem – tempo fresco e as pernas a responder muito melhor do que o esperado. Só a tosse me incomodava, mas em relação a isso nada a fazer. Fiz as mesmas 11 voltas (quase 24km) que no primeiro turno, com a diferença que fui quase 5 minutos mais rápido. Mais uma vez chegava a vez da Ana …


a correr e a atender o tlm ... segundo o Orlando Duarte esta é inédita... 


E eu fui tomar um banhinho e mudar para uma roupa quente … é que já estava frio. O problema é que a água tb estava fria!!! Mas tomei banho na mesma e fiquei muito confortável depois com as roupinhas quentinhas J … jantar, conviver com a malta e agora dormir umas 3 horitas para acordar fresquinho para o último turno. Querias ó Perneta! Mas quem é que dorme com este pessoal por perto … entre os que estavam em pista a correr (que precisavam de apoio), os que estavam à espera para o turno seguinte e os outros que estavam de visita para o convívio, não havia sossego. Se passei meia horita pelas brasas foi muito J … o que passou bem pelas brasas foram não sei quantos kg de fêveras, barriga, coxinhas de frango e entrecosto desde o meio da tarde até de madrugada e depois ao meio da manhã até ao final da coisa. E a sede tb foi sempre muita J


E num piscar de olhos eram 4h da manhã e estava na hora de entrar no meu último turno. Mais uma vez os meus companheiros de equipa estiveram espectaculares, colocando a nossa equipa em 5º da geral e em 1º nas equipas mistas, com uma vantagem de pouco mais de 12min para o segundo. O problema é que estava desfeito, os músculos das minhas pernas estavam duros e eu muito sinceramente não sabia o que iria conseguir fazer. Vesti um corta-vento, recebi o testemunho do Luís Lobo e comecei a correr sem pensar muito para ver se a coisa ia. A madrugada fria e a pouca gente na pista não davam muito com o que me distrair. O ritmo estava mais baixo, mas se o conseguisse aguentar iria fazer as 10 voltas que considerava o mínimo que tinha que fazer – não esteve nada fácil aguentar correr sem caminhar – ainda por cima a tosse estava a atacar forte e feio (talvez estivesse igual, talvez agora reparasse mais … e que farto estava eu de tossir, já me doía o peito). Aguentei 5 voltas e meia sem parar, e nas 4 seguintes comecei a meter 2 pequenos troços de 200m a caminhar – era tipo um prémio que me dava a mim mesmo – sempre a controlar para que a média desse para fazer as 10 voltas (21km), o que deu. Entreguei o testemunho pela última vez à Ana, que tb estava bastante debilitada e com dores. Mantínhamos o 5º lugar mas a concorrência estava mais próxima.
Fui tomar novo banho, nova muda de roupa e quando saio do balneário a luz do dia já nos presenteava, embora continuasse bem fresco. Tomei o pequeno-almoço, arranjei uma cadeirinha, cobertor nas pernas e um chazinho quente e fui para a pista dar apoio ao nosso pessoal (e aos outros tb), especialmente à Ana que estava numa luta titânica ali às voltas a resistir heroicamente às dores. O Filipe Fontes dormia e seria o próximo a entrar em cena … quando o fui acordar ele disse-me que estava completamente empenado, que não sabia se ia conseguir correr. Quando o Filipe entrou em cena, mantínhamos as posições, agora apenas com 2 minutos de avanço. Havia duas lutas … uma pelo quinto lugar da geral com duas equipas, e a luta pela vitória nas equipas mistas com uma dessas duas. O giro era que estávamos os 3 exactamente na mesma volta, apenas com uns poucos minutos de diferença.
lembram-se do Perneta aos saltos ... não parece, mas este "velhinho" é o mesmo ...hehehe .. ri-te agora...

que soninho... a PDI é do car@...ças.. 

mas não era o único.... 

mais uma troca... vai Filipe ... 

grande Aninhas ... grande mesmo ... 


O Filipe foi um herói, aguentou, aguentou até não poder mais, acabando 10 minutos mais cedo o turno dele completamente de rastos… mesmo tendo feito um pouco menos em relação aos dois primeiros turnos dele, chegou ao fim mantendo as posições e as distâncias – os outros tb se cansam J. Curioso como ao fim de quase 22h havia 3 equipas tão iguais – um pormenor engraçado é que nunca soubemos quem era a equipa que estava na luta pela vitória connosco, sabíamos o nome mas nunca conseguimos identifica-los durante a prova. Entrava agora o Luís Lobo em cena, o nosso craque alentejano, que segundo as próprias palavras estava bem e com vontade de correr com calor … que não seja por isso, sigaaa… J
Filipe nas lonas mas sempre a rir


E foi um guerreiro autêntico, até dava gosto vê-lo ali às voltas a um ritmo impressionante depois de tantas horas e com aquele calor abrasador. Espectacular, com os fones nos ouvidos, concentrado sempre a abrir caminho ... nunca pensei que as outras duas equipas continuassem a dar tanta luta – só a uns 15 ou 20 minutos do fim é que a distância começou a aumentar significativamente e ficamos com a certeza que iriamos vencer o escalão e ficar em 5º na geral. Bela forma de comemorar mais um aniversário - pois é, o homem fazia anos!!!



Deslocamo-nos até à entrada da meta e esperamos pelos nossos que estavam em prova – a ideia foi cortar a meta todos juntos fazendo a festa e foi isso que fizemos com a bandeira do clube puxada pelo Bruno e pelo filhote dele, o “nosso” Renatinho J … foi bonito, foi sim senhor!!!
 



281km não é muito mau pois não???



Seguio-se a entrega dos prémios, onde pela primeira vez desde que corro tive a oportunidade de subir a um pódio sem ser a brincar. E logo ao ponto mais alto. Agradeço ao pessoal da minha equipa que correu, Ana, Filipe e Luís – grandes máquinas. No meu lugar deveria ter estado o Nuno Silva – essa era a melhor equipa, mas quis o destino que eu o tivesse que substituir e mesmo assim foi suficiente para trazer um caneco J



Por falar em Nuno Silva e para terem uma noção das diferenças para mim – ele correu por uma das outras equipas do CAL – sabem que a volta mais rápida de todas as 24h (entre individuais, por equipas, pessoal das provas mais curtas de 3h, e coiso e tal) foi dele? À pois é bebé … imaginem ele no meu lugar. Não sei se não daria para um pódio na geral tb. Mas pronto foi assim e esteve muito bem.
Parece uma gazela ...

sim, cada volta tinha 2,15km .. é só fazer as contas


Mas muito mais importante do que pódios e prémios, foram estas 24h (e mais uns pozinhos) que passamos em convívio entre amigos, não só do CAL pois temos muitos amigos em outras equipas também. Foi verdadeiramente espectacular e o tempo passou num ápice. Foi a corrida que nos levou até Vale de Cambra, mas venho (acho que posso dizer vimos) todos de coração cheio a todos os níveis. Não me canso de dizer que sinto um enorme orgulho em fazer parte do CAL, de termos este espirito contagiante de boa disposição – é uma satisfação enorme ver isto reconhecido por tanta gente fora do nosso clube, que apenas se cruza connosco de vez em quando. E estamos a crescer em gente boa … sinceramente, estou mesmo muito orgulhoso de todos nós, mas mais ainda de alguns dos nossos que responderam positivamente ao desafio e se “atreveram” a participar – amigos que correm há pouco tempo e que apenas fazem distâncias mais curtas, enfrentaram o “touro” pelos cornos e superaram-se à grande – deu-me um prazer enorme ver as “lutas” da Samanta, da Lurdes, da Albina e do Filie Moreira – grandes guerreiras (o) J
não faltou a festa supresa ao Luis Lobo, aniversariante do dia ...

o Xô Presidente não se esqueceu de trazer um bolinho e tudo ...


banhinhos de rio... viva o luxo

Brunage... 

friinho e soninho ... 

e sede...muita 

 depois admiram-se que os caixotes enchem ... 

pois ... isto foi antes do 2º turno... 

isto já foi depois do 2º turno... lol 

Luis Trigo ... não é do CAL mas é como se fosse...

Que dupla ...  

outra dupla ...


e mais uma dupla..


Para a história aqui os que participaram activamente na prova, a quem agradeço me terem proporcionado um dia em cheio:
Luís Lobo

Jorge Bernardino 

Nuno Silva 

Samanta Maia 

Nuno Lima 

Badolas  

Albina Dias

Bruno Pinho o "meu menino"

Filipe Moreira

Filipe Fontes 

Xô Presidente Lucidio Dias a dar o exemplo

Zé Miguel 

Américo Gomes 

Lurdes Tavares 

Ana Santos


Uma palavra de carinho especial a quem nos veio dar apoio mesmo não correndo. Desculpem-me os outros, mas destaco o Zé Alexandre e o Joel que estavam inscritos desde a primeira hora e não puderam participar por estarem lesionados. Mesmo não estando dentro do “ringue”, é como se tivessem estado e são sempre parte integrante da equipa.
Ganda Joel

Ganda Zé Alexandre


A organização esteve ao nível habitual. Excelente!!! Espero que tenhamos ajudado a desmistificar um pouco estas provas de 24h ou 100km a correr às voltas num circuito – a maior parte dos corredores acha que somos malucos, até podemos ser um bocadinho, mas não é nada deste mundo. Experimentem participar um dia e vão adorar de certeza absoluta.
Uma palavra de agradecimento especial ao Orlando Duarte, que mais uma vez não podendo correr, esteve presente durante todo o tempo, de máquina fotográfica em punho para nos dar a todos umas excelentes recordações deste evento. Espero que recupere bem da operação ao joelho para voltar a participar como corredor e deixar a paixão da fotografia para outros. Perdemos umas fotos giras mas ganhamos a companhia do Orlando “lá dentro” J
Não consigo transmitir assim bem o que foi para mim estas 24h na companhia da minha gente … quem acompanha o meu cantinho e convive comigo, sabe que as 24h do ano passado foram para mim uma das maiores histórias da minha vida de corredor, foi épico, adorei a luta, foi uma grande vitória e superei-me a todos os níveis – ainda hoje é de longe a maior distância que eu percorri até à data. Se tivesse que escolher entre as duas, escolhia esta deste fim de semana … e não foi pelo pódio J
Até pró ano ...