segunda-feira

"Quem corre por gosto não cansa" por Dean Karnazes

Ontem para me entreter durante a viagem até à Alemanha, e como habitualmente, fui comprar uns jornais e umas revistas – devo ser um dos melhores clientes daquele quiosque no aeroporto. Uma das revistas que comprei foi a Visão (um colega da empresa tinha-me enviado uma sms na noite anterior a dizer que a edição desta semana tinha um artigo sobre um Ultramaratonista maluco)…escusado dizer que a primeira coisa que fiz, foi abrir a revista na página da tal entrevista….olha, é o Dean Karnazes….aproveitaram o facto de ele vir apadrinhar (e correr) o Run Sintra Trail by by Night para lhe fazer uma entrevista de 2 páginas minúsculas, onde as fotos ocupam metade….que pena….mas vale a pena ler….um resumo da história dele, o facto de ter deixado um bom emprego para se dedicar a um sonho, ser considerado pela TIME uma das 100 pessoas mais influentes do mundo,etc, etc e tal – chegou para me deixar muito interessado em saber mais sobre o homem….destaco as seguintes frases desta curta reportagem:
 
 
“Corro habitualmente entre 20 a 40kms antes do pequeno-almoço, e mais 20 à tarde. Costumava fazê-lo todos os dias, mas agora com as viagens, só o faço 5 vezes por semana”
– fonix, este gajo corre por dia em treino, o que eu faço numa semana em que me estou a preparar para a Maratona. Mas neste momento temos uma coisa em comum, treinamos ambos 5x por semana :D
“….sou um tipo normal que gosta muito de correr……e tenho a sorte de o meu organismo não acumular ácido lácteo, que provoca a fadiga.”
- ahhh, eu vi logo…..assim até eu, ó Karnazes!
“…Aliás, a competição comigo mesmo é aquela que mais me motiva. O importante não é ganhar, mas chegar ao fim e saber que dei o meu melhor.”
- já somos dois…
“Sei perfeitamente quem é o Carlos Sá, um excelente atleta.”
- grande Carlos Sá…é pena não ter os apoios que merece.
“…conheço muito bem Sintra, é um dos meus locais favoritos. Já corri igualmente em Lisboa e Porto.”
- ó Dean, da próxima vez liga quando estiveres aqui pelo Porto que eu vou-te mostrar as redondezas em Canedo para saberes o que é bonito….tem que ser é no treino da tarde, que são mais “curtinhos”. De manhã não me dá muito jeito.
“..há um provérbio português – “quem corre por gosto não cansa” – que eu repito em todas as conferências pelo mundo.”
- não é preciso dizer mais nada….grande Dean Karnazes

domingo

Maratona de Paris - 6ª semana de preparação


A semana que acaba hoje voltou a ser uma boa semana a nível de treinos. Fiz 5 treinos, consegui voltar às series e fazer um longo no sábado – o facto de não ter um objectivo de tempo delineado para Paris está a fazer com que esteja a treinar com mais prazer, sem “pressão”, e não é por isso que tenho feito menos do que noutras ocasiões – sinto-me muito bem. Aqui o resumo da semana:
- 2ª feira – descanso
- 3ª feira – 11km a 4,57min/km
- 4ª feira – 15km – com o meu amigo Badolas – fizemos 8 series de 1000m a 4,20min/km. As primeiras 4 ou 5 foram difíceis, as pernas estavam pesadas, de tal forma que estivemos para desistir à 6ª…mas quem faz 6 tb faz 8 não é? O interessante é que as últimas foram as que nos custaram menos. Muito bom este treininho.
- 5ª feira – descanso
- 6ª feira – 5,5km de corrida descontraída à chuva.
- Sábado – 28,5km – treino longo, duro, de Canedo a Pedorido e voltar – muitas subidas longas. Treino este onde tive a companhia dos amigos Badolas, Zé Miguel e Zé Alexandre em grande parte do tempo. Andamos 3h a contar com uma ou outra paragem de reabastecimento.
- Domingo – hoje viajei para a Alemanha. Saí do Porto com céu azul e sol (embora frio) às 10h e cheguei a Nürnberg às 19h, já de noite, neve e 5ºC negativos de temperatura….dores de cabeça da viagem….quando chego ao Hotel a primeira pergunta é se tem ginásio com passadeira….Yes!!!....equipar, vou fazer 10km descontraídos….ninguém no ginásio, começo a caminhar dois minutos depois começo a correr a 10km/h…..sinto-me bem, pernas estão leves, aumento para 11km/h…estranhamente não me ressinto do longo de ontem…aumento para 12km/h….5km em 26minutos….que se lixe (quem sabe se vou voltar a treinar até 6ª feira com este tempo)….13kmh…as pernas estão impecáveis, os batimentos cardíacos aumentam….aos 8km aumento para 14km/h…e aos 9km aumento para 14,5kmh até que faço os últimos 500m a 15km/h…..tempo final, ca.48min30seg aos 10kms, em passadeira….os 2ºs 5kms com média de 4,29min/km…como bónus as dores de cabeça despareceram…..as pulsações que no fim tinham chegado aos 185, ao fim de um minuto estavam em 125….e mais um minuto estavam já muito perto dos 100bpm….estou em forma:D

Total da semana = 70km
Esta semana vai ser difícil de treinar, não só pelas condições meteorológicas, mas também pelo programa de trabalho apertado que tenho – muitos clientes a visitar (quem não me comprar nada vai ter que me ouvir a cantar “Grândola Vila Morena” :D). Acho que 5ª feira à noite terei oportunidade para treinar e depois vou tentar no fim de semana compensar um pouco – quero fazer um longo de 30kms no sábado ou domingo.

Faltam 6 semanas para Paris.

Maratona de Paris - 5ª semana de preparação


Após a aventura de domingo passado pela Serra de Santa Luzia, fiquei completamente empenado – aquilo mexeu com músculos que eu nem sabia que tinha :D – além das pernas, ele eram costas, braços, costelas…enfim, acho que havia poucas partes do corpo que não me doíam na 2ª feira. Por isso decidi dar 2 dias de descanso ao físico, e só voltei a treinar na 4ª feira porque me obriguei a isso. O que parecia que ia ser uma semana complicada a nível de treinos, foi afinal uma semana em grande:
- 2ª e 3ª – descanso
- 4ª feira – 11km – volta aos treinos numa corrida descontraída, em que a partir dos 5-6km cada perna pesava 1 Ton.
- 5ª feira – 15km com o meu amigo Badolas – melhor, mas não deu para grandes ritmos (5,22min/km)
- 6ª feira – 13km – estes já um pouquinho mais rápidos (5,03min/km)
- Sábado – 5km - era para descansar, mas depois de dar banho ao meu carro e antes de ir eu tb a banhos, calcei as sapatilhas e desatei a correr uma meia horita.
- Domingo – 26km de treino longo a 5,14min/km – saí bem cedinho (6.40h) e andei aqui pelas terras vizinhas, sempre a subir e a descer – o início custou-me, estava com as pernas pesadas, mas à medida que ia andando ia ficando mais solto – os últimos 5km foram abaixo de 5min/km.
Total da semana = 70km (nada mau)

Para a próxima semana quero voltar aos treinos mais específicos, fazer um de series e um com rampas, além de um longo no final da semana de 30kms. Espero treinar 5 vezes e fazer no mínimo 70kms.
Faltam 7 semanas para Paris, e até lá só vou participar numa prova – a Corrida do Pai no Porto a 17-03-2013 (10km). A prioridade agora é Papar Kilometros com fartura.

Trail Sta.Luzia - classificações do pessoal

Para finalizar a saga que foi a nossa participação no Trail e com uns dias de atraso, deixo aqui as classificações do pessoal do CAL:

Classificação  Dorsal Nome Tempo oficial
134 47 Hugo Fernandes 03:59:49
266 236 José Martins 04:57:16
267 235 José Coelho 04:57:16
268 260 Bruno Pinho 04:57:16
269 234 Carlos Cardoso 04:57:16

Havia ca.400 inscritos, dos quais chegaram ao fim 314 (penso que muitos não iniciaram sequer a prova). Como podem ver chegamos (menos o Hugo claro) bem lá para o fim do pelotão - mas nestas coisas o que interessa menos é o tempo e a classificação (pelo menos desta vez).

Compensamos na classificação por equipas, onde conseguimos um fantástico lugar nos primeiros 10 - ficamos em nono entre nove equipas :D .....espectacular!!!

 CAL sempre em grande!!!

terça-feira

Trail Santa Luzia - alguns videos nossos

 
Finalmente consigo voltar a colocar videos no blogue - aproveito para deixar aqui alguns relativos a domingo passado - foram feitos com o telemóvel, por causa da chuva não deu para muito mais, mas sempre dá para ficar com uma recordação.
 
 
primeiros kms
 
 
video
 
subida aos 11kms - aqui dá para ter uma noção do temporal que estava lá em cima
 
video
 
Toca a enfardar pessoal e a prova que o Bruno deu no Vinho do Porto
 
video
 
Abastecimento Km 23 - já "só" faltavam 10
 
video

segunda-feira

O meu Trail Santa Luzia - Viana do Castelo


Ontem foi dia de participar no Trail de Santa Luzia em Viana do Castelo – a minha experiencia neste tipo de prova resumia-se a uma participação do Trail de Sicó há 2 anos atrás. O cartaz deste Trail apresentava a distância de 33km com 2600m de desnível acumulado…. com a distância podia eu bem, agora essa história de desnível acumulado é que não sabia se era muito ou pouco e com o aproximar da data da prova as dúvidas iam sendo maiores. Da nossa equipa tínhamos 5 elementos inscritos, o Hugo Fernandes (Ultra-Maratonista e já com muitas provas deste tipo nas pernas) e o grupinho aventureiro habitual constituído por mim, pelo Bruno, pelo Zé Miguel e pelo Badolas (os 3 últimos estreantes nos Trails) – como as dúvidas e incertezas eram comuns aos 4, já há muito que tínhamos combinado fazer a prova juntos – do tipo um por todos, todos por um!!!
Ao longo da semana ia espreitando as previsões meteorológicas, que apontavam para chuva e frio à hora da prova, o que me deixava um pouco apreensivo. Será que tenho o equipamento adequado para andar aquelas horas todas por aqueles montes? Não tenho impermeável, só corta-vento…..andei pela net a ver casacos impermeáveis e esbarrava quase sempre em preços exorbitantes, valores que neste momento não queria estar a gastar. Nada como ligar ao Hugo e pedir uma dicas e ainda bem que o fiz….aconselhou-me a ir a Decathlon e comprar um impermeável da Quechua, simples e que para este tipo de provas era mais do que o suficiente – assim fiz…gastei € 8,95…maravilha. No sábado esteve um dia fantástico, embora tenha estado frescote foi um lindo dia de céu azul e sol – acreditava que os gajos da meteorologia se tinham (mais uma vez) enganado e que no dia seguinte iriamos ter um dia bonito para desfrutar do Trail – afinal S.Pedro costuma ser nosso amigo, não é?.

As diferenças para as provas de estrada fizeram-se sentir na hora de preparar o equipamento no sábado à noite….como gajo inexperiente que sou, cheio de dúvidas enchi uma mochila com o seguinte:
- camelback de 2ltr (isotónico)
- 1 garrafa de meio litro (+ isotónico)
- uma camisola e umas meias extra
- 2 barras e um gel energético
- Bandeira de Portugal que me acompanha em provas especiais
- uma toalhinha, lenços de papel, vaselina e a minha pomadinha especial para reumáticos sofredores de dores de coluna e joelho à mantorras como o meu.

Bem, era para levar também uma tenda de campismo, uma lareira portátil e um rádio para ouvir o relato de futebol durante a tarde, mas não cabia na mochila. Eram quase 4 Kgs de peso extra.
A noite foi mal dormida, talvez por alguma ansiedade e pelo facto de a minha cadela ter começado a ladrar à meia-noite (levava 1 hora de sono), me ter obrigado a vir cá fora e com isso me ter despertado de tal forma que demorei mais de uma hora para voltar a adormecer. Pelas 5 de manhã tocou o despertador, e eram 5.40h já ia a caminho do ponto de encontro com os restantes 3 magníficos no sítio habitual para o cafezinho da praxe. Nesta altura ainda não chovia e a temperatura não estava nada mal para estas horas (10ºC). Às 6.30h apanhamos o Hugo na Decathlon na Maia e pouco depois estávamos a chegar ao Estádio Municipal Manuela Machado em Viana, já com chuva e vento a dar-lhe com força – afinal os da meteorologia desta vez acertaram.

Curiosamente fomos os primeiros atletas a chegar (em alguma coisa temos que andar na frente, não é?), só andava por lá pessoal da organização. Levantados os dorsais não demorou muito a começar a chegar os restantes atletas…. em relação a provas de estrada, nota-se um tipo de atleta diferente, mais cuidado com equipamentos técnicos (seja relógios, casacos, mochilas) o que é normal – notei também que era um ambiente de maior convivência entre a chamada “Tribo do Trail”, tudo muito mais descontraído - quer dizer os outros, nós embora a disfarçar com as brincadeiras habituais, e misturados com a malta, estávamos um pouco apreensivos por ser nossa estreia e por causa do tempo horrível que fazia - e mais ficamos à medida que íamos falando com pessoal experiente, que diziam que não ia ser fácil. Ainda tivemos oportunidade de conhecer o grande Armando Teixeira e de trocar umas palavrinhas com ele – encontramos tb o Filipe Fontes (o nosso amigo e “guia turística” por trilhos de Santa Maria da Feira da semana passada). E com isto fomos passando o tempo até à hora da partida, não sem antes do meu amigo Badolas fazer das suas – na sua incessante procura por uma casa de banho entrou no balneário das mulheres e só não levou um enxerto de porrada pq elas viram logo, que uma peça destas não faz mal a uma mosca.
5 minutos antes da partida fomos ao carro para nos equiparmos – primeira grande molha – e lá fui eu todo contente com o meu impermeável novo por cima de 2 T-Shirts, 1 Polar e 1 corta-Vento…..sabem, eu sofro muito de frio :D. Bem, quando comecei a olhar para os outros na zona de partida reparei num pormenor - muitos sem qualquer mochila, uns com uns cintos e umas garrafitas, uns camelbacks minúsculos e eu ali com uma mochila de 4Kgs!!! Confesso que fiquei um pouco envergonhado…. mas que se lixe, o problema é meu e afinal ninguém sabia se eu não quereria ficar por ali uns dias, não é?



Mal se deu o tiro de partida começamos a correr uns 500m por um estradão, antes de nos enfiarmos pelos montes…..o pelotão aglomerou de tal forma que no primeiro km tivemos que parar várias vezes. Brincadeiras, gritos, incentivos e muita energia para gastar….. aí é assim isto dos Trails? Afinal não custa nada….. não demorou a mudar de opinião com as primeiras ingremes subidas, naturalmente feitas a caminhar….. Tinham-nos avisado que a parte mais complicada seria até ao km 11/12, até ao Parque eólico, pois seria sempre a subir – como atleta de estrada a tendência de olhar para o relógio, analisar ritmos e analisar tempos previstos de chegada veio ao de cima e foi o choque….3km a 11,30min/km…mais para a frente viria a conseguir “desligar” desta preocupação….nesta primeira fase do Trail tive calor e arrependi-me de não ter deixado a camisola tipo polar no carro, mas quando começamos a chegar lá acima, no parque eólico e com a chuva e vento a dar com força mudei de opinião e fiquei contente por ter aquela roupa toda no corpo. O nosso grupinho ia todo bem, apenas o Bruno se ressentiu de uma dor nas costelas que o anda a assolar há algum tempo, e que lhe dificulta a respiração e eu ia com uma dor no pé direito, de vez em quando dava uns esticões na zona frontal da planta do pé…..mas as paragens para fotos faziam-nos recuperar e lá íamos no nosso ritmo, sempre divertidos. O Badolas até ao km 11 conseguio só molhar o pé esquerdo, segundo ele o direito estava seco o que a ser verdade acho verdadeiramente incrível.
 


 
Logo após o km 11 (penso ter sido o ponto mais alto), iniciamos o que para mim é a maior dificuldade nestas andanças….descidas, e quanto mais ingremes pior….o meu joelho direito é uma lástima (fruto de uma rotura total do tendão rotuliano e de todos os ligamentos há uns anos atrás a jogar à bola, que me demorou 3 anos para poder voltar a fazer desporto), e como tento compensar com a outra perna o resultado é dores na coluna….. com as descidas não demorou muito as dores nas costas a aparecer, mas como estou habituado lá me vou aguentando….sempre que havia descidas ia ficando para trás, e sempre que o terreno ficava plano ou a subir voltava a colar-me ao grupo. Quem andava super divertido com as descidas era o Zé Miguel, arrojado lançava-se por ali a baixo e desaparecia…. uns bois a pastar sem dono por perto, mais umas fotos e não demorou chegamos ao abastecimento nr.2 (ca.15km), onde nos refastelámos com bolo, laranjas (que boas que estavam) e isotónico – tb havia vinho do Porto, mas eu não quis arriscar (havia de ser bonito, pensando bem até era bem capaz de chegar mais depressa quando fosse a descer :D). Quem aproveitou foi o Bruno, quem mais poderia ser…. nesta zona conseguimos ver o mar e as praias da zona bem lá em baixo e aproveitamos para tirar mais umas fotos antes de nos mandar-mos por mais umas descidas abaixo.
 




Até ao abastecimento dos 23kms foi a altura em que deu para correr durante mais tempo seguido, facto que aproveitamos para progredir mais rapidamente. Foi das zonas mais bonitas do percurso (não sei os nomes das zonas por onde passamos), mas serpentear por entre os trilhos na mata, muito verde, muitos riachos de água transparente para atravessar e pequenas quedas de água embelezavam o ambiente e nem dava pelo tempo passar – tudo com muita lama à mistura. Nesta fase nem me lembrava das dores de costas nem do pé. Ia tudo muito bem disposto, e a dor do Bruno tb tinha desaparecido. Chegados ao abastecimento do km 23 com céu azul, abastecimento instalado numa espécie de quinta e onde serviam broa com mel (só provei um bocadinho), vinho do Porto (agora foi a vez do Badolas acompanhar o Bruno numa copada) e chã quente que me soube muito bem. Faltavam agora 10km, que segundo um membro da organização seriam mais fáceis.

Mal arrancamos senti-me mal, sentia-me enfartado (teria sido do chã?) e demorei algum tempo a recuperar. Entramos na mata e começou a chover torrencialmente com ventos muito fortes, de tal forma que dobrava os eucaliptos por cima das nossas cabeças…..siga para bingo….nesta altura da prova, as dores de costas tinham reaparecido mas o pior era a dor no pé direito que me estava a incomodar e muito, tb as pernas estavam já cansadas….acho que dos 4 eu ia em pior estado, mas lá me ia aguentando….descer, subir, subir, descer….quem é que disse que agora era mais fácil? Até pode ser, mas o facto de já andarmos naquilo há 4 horas não o fazia parecer. Foi nesta fase que apanhamos os Canos de água da Aerosa (acho que é assim que se chama), uma espécie de muro com ca. meio metro de largura e talvez um km de extensão, que obrigava os atletas já cansados a concentração máxima para se equilibrarem – eu tive dificuldades nesta parte, estava sempre a escorregar – mais uma vez o Zé Miguel desaparecia nestas partes mais técnicas. Mais umas subidas ingremes a caminhar, e com o Bruno a dizer-me que já não podia e eu a dizer que estava quase (faltavam 2 ou 3 kms) chegamos ao último abastecimento, perto da Basilica Sta.Luzia….mais umas laranjas e uns copos de água e toca a subir por uns trilhos…ao fim de mais de 30kms de subidas, descidas, pedras, lama, água, cair, levantar e continuar chegamos à Citânia de Sta.Luzia - sabe muito bem avistar Viana bem lá do alto…lindo…já não deu foi para tirar fotos….não queria perder o ritmo e chegar ao fim o mais rapidamente possível. Mais um trilho com água e um fulano da organização a dizer que faltavam 200m, altura para tirar a bandeira de Portugal da mochila e lá cortamos a meta, os 4 juntos, quase 5 horas depois.



Posso dizer que adorei a experiência, se por um lado foi pena estar tão mau tempo, que impediu que pudéssemos curtir as paisagens de outra forma, por outro lado toda aquela chuva, vento, frio e lama valorizaram muito mais o feito e até tornou a prova mais “divertida”. Gostei tb do ambiente descontraído em redor desta prova e da “Tribo dos Trails”….claro que existe competição, mas não se nota tanto (pelo menos eu). Não sei se esta prova é muito ou pouco técnica, qual o tipo de grau de dificuldade em comparação com outras, só sei que fiquei bem mais cansado do que estava à espera, mas o objectivo de fazer um “bom treino longo” como preparação para a Maratona de Paris foi alcançado.

Quanto à organização a cargo da Viana Cycles, os meus parabéns. Como inexperiente nestas andanças, senti-me bem acolhido, adorei o percurso, os abastecimentos foram bons e muito importante, senti-me sempre seguro com a presença de pessoas da organização de poucos em poucos kms.
 Um palavra especial para o Hugo Fernandes (um dos culpados por eu ter vontade de andar nestas coisas malucas)…..se quase que entras-te em hipotermia por teres estado uma hora à nossa espera na meta (eu é que fiquei com a chave do carro) a culpa é tua…não fosses tão rápido:D….da próxima vens com a malta bem cá atrás….é pá, desculpa, não me lembrei (e tu tb não) desse pormenor.
Mais uma aventura com o pessoal do CAL, que cada vez mais se está a tornar mais do que um pessoal que se junta para dar umas corridas. Obrigado Amigos, prova superada e que venha a próxima.
P.S.1. O Zé Miguel tb vai à Geira Romana – dois novos Ultras em preparação !!! Este rapazola tem jeito para estas coisas. Tb gostaria de salientar que com o boné vermelho ao contrário, parecias “o menino Tonecas”. Ahhh….e parabéns por não poderes ir à Maratona do Porto este ano:) – you know what i mean!

O "menino Tonecas"
 P.S.2. O Badolas finalmente sujou as sapatilhas (e não só)…ele diz que só não gostou da lama, da água, da chuva, do frio, das subidas, das descidas, mas de resto até que foi porreiro.
Badolas


P.S.3. O Bruno acha que os abastecimentos das provas de estrada tb deviam incluir Vinho do Porto.
Bruno

P.S.4. – O Hugo já se deve ter arrependido de ter ido connosco. Ter que ficar à nossa espera parece castigo – numa outra vida deves ter feito muito mal a alguém pá!

Grande Hugo

 
P.S.5 – Acho que bichinho pegou – vão ter que nos aturar mais vezes por essas montanhas fora.

 

quarta-feira

VI Ultra Trail Geira Romana

 
Dei um grande passo para concretizar o maior objectivo de 2013, que é tornar-me Ultra Maratonista. Inscrevi-me no Ultra Trail Geira Romana. Agora só falta percorrer os 52,5km no dia 19 de Maio 2013.

terça-feira

Treino pelas Matas de Terras de Santa Maria da Feira

O resumo desta semana começa pelo fim, que foi um Treininho pelos Montes de Sta.Maria no sábado de manhã.

Eu e os amigos do costume andamos numa fase de querer experimentar o mundo dos trails, e embora não sejamos propriamente uns atletas natos, temos alguma força de vontade e muita muita lata….como todos juntos não temos nenhuma experiência de trail, nada como “andar à cata” de alguém que nos pudesse aturar, quero dizer ajudar. O amigo Badolas lá arregaçou as mangas e desenterrou um amigo nosso de Fiães para nos abrir as portas deste mundo novo que é andar fora do alcatrão – esse amigo chama-se Filipe Fontes (andou comigo na escola, no 5º e 6º ano) e além de correr de caraças em estrada, participa no Circuito Nacional de Montanha…além disso tudo caiu na “asneira” de se dispor a mostrar-nos alguns trilhos pelas terras de Santa Maria da Feira.

A data combinada foi sábado de manhã, e estava confirmada a presença de 5 atletas – eu, o Badolas, o Bruno, o Pedro Lino e claro o nosso guia Filipe. A saída estava combinada para as 8h em São João de Vêr, pelo que a malta habitual ficou de se encontrar em Fiães às 7.45 – quando lá cheguei o Badolas já estava à espera…faltava só o Bruno….7.50…nada, 7.55…nada…toca a ligar com ele….nada….eis que não quando, o Badolas descobre que tem uma mensagem não lida no telélé, recebida ca. das 5 da manhã com o seguinte texto (transcrito na integra):
"meu amigi acabo ddi
chegada casa estou com
chivaaa que nem imaginas
amanha se eu na aparecer se sem mim
abraco"

E mais não digo em relação a este assunto :D
Durante a curta viagem até São João de Ver recebemos uma mensagem do Tiago Poças a perguntar se ainda dava para se juntar ao pessoal ao qual respondemos que claro que sim, quantos mais melhor. Chegados ao ponto de encontro com o Filipe e o Pedro Lino ainda deu tempo para um cafezinho – entretanto chegou tb o Orlando, colega de estrada do Filipe, um dos melhores atletas do Circuito Nacional de Montanha em Veteranos II. Com estes 6 elementos arrancamos para um treininho, que se viria a tornar um dos mais belos treinos que fiz até à data….o tempo não podia estar melhor, sol, céu azul mas sem estar demasiado quente, e o grupo era simplesmente impecável. Depois de 500m de estrada logo entramos pelas matas dentro, e iniciando praticamente desde inicio um sobe e desce constante…..não me vou alongar muito mais, as fotografias valem por mil palavras…



não entendo porque é que algumas ficam de lado, eu bem as viro e desviro mas voltam sempre a ficar de lado....enfim, o problema deve ser meu...














 
 

 

Tambem tenho uns belos videos, mas não sei porque não os consigo colocar aqui - sou mesmo um zero à esquerda nestas coisas. Vou ter que pedir ajuda a quem sabe.
Andamos ca. 2h40min por São João de Vêr, Feira, Pigeiros, Romariz, Caldas de S.Jorge e nem sei bem onde mais. Não fazia a mínima ideia, que num raio de uns 8 a 10kms, numa zona em que vivi uns anos valentes, havia percursos tão fantásticos e tão diferentes em contacto puro com a natureza. Fizemos ca.23/24km, boa parte a correr, outra a caminhar, atravessamos riachos, enchemo-nos de lama, subimos picadeiros e aprendemos (tentamos pelo menos) algumas técnicas com o Filipe e o Orlando…rimo-nos muito uns dos outros, pois volto a dizer, não somos os melhores atletas do mundo mas na galhofa ninguém nos bate. O espirito de camaradagem saiu reforçado.
Das muitas situações caricatas destaco duas ou três:

a)    Mal começamos a correr, o Filipe andava constantemente a dizer “isto sim, ar puro”….”já andava com saudades de ouvir os passarinhos”….”só nós e a natureza”…”então pessoal, que tal um treininho sem carros?” e por aí fora…..não se calava o gajo.…..ca. meia hora mais tarde, numa subida longa e num trilho mais largo passam por nós uns 50 Jipes a acelerar e a deitar um fumo preto muito bom para os nossos pulmões????…. era o Raid das Fogaças ….escusado é dizer que o Filipe se calou com a conversa e teve que nos aturar até ao fim do treino … qual treino sem carros, qual caraças…

b)   Numa das fontes onde paramos para reabastecer encontramos num arbusto uns sapatos de mulher novinhos em folha. Alguém me pode dizer o que é que isto andava aqui a fazer no meio do monte?

 Eu tenho uma teoria……alguém teve que fugir e não teve tempo de calçar os sapatos….if you know whta i mean:D

O Badolas ainda tentou calça-los, mas não serviram por uma nesga…..os sapatos eram 37 e o Badolas calça o 46,5.

c)    Na noite anterior ao nosso treino choveu muito, mesmo muito. Por isso conseguem imaginar que encontramos muita água e lama pelo caminho. Alguém me consegue explicar como é que o Badolas chegou ao fim sem sujar as sapatilhas novas? O meu relógio deu 23,4km no fim, o dele deu 25???

 
 
d) Aqui o vosso amigo, ao sair de casa de manhã, como estava frio, vestiu 2 T-Shirts, 1 polar de manga comprida e um corta-vento por cima. Quando iniciou o treino esqueci-me de tirar o Polar (pelo menos)....bem, levei-o até ao fim vestido...bem feito ..... é para aprender.

Com isto estamos mais ou menos preparados para enfrentar o Trail de Sta.Luzia no domingo.
Aproveito para agradecer em meu nome e dos outros atletas do CAL, a disponibilidade e atenção do Filipe e do Orlando para nos “aturar”….. proporcionaram-nos uma manhã fantástica e fizeram com que o “bichinho” do trail se tenha entranhado no pessoal…..acho que o CAL vai ter que “abrir” uma secção de Trail Running num futuro próximo. É de amigo, e se precisarem de nós por algum motivo, cá estaremos para retribuir.

O resto da semana tinha corrido dentro do previsto, tinha feito 3 treinos além deste:
2ª – descanso
3ª – 11km de corrida continua
4ª – 5km em tapete (só para enganar)
5ª – 15,2km com Fartlek com o meu amigo Badolas
6ª – descanso
Sabado – 23,4km de Trail
Domingo – descanso

Total = ca.54,5Km
Esta semana vou numa viagem curta para a Alemanha (vou hoje e volto na 5ª)….ontem já fiz 15km, e só volto a correr lá para 6ª feira para estar bem para Viana no domingo. No total deve dar mais de 60km.