terça-feira

Enquanto não posso correr dou-vos música ...



Esta posta surgiu no seguimento da anterior, do Pernetas On Tour pelo Alive deste ano. Quando ia abrir um parêntesis para explicar a minha paixão pelos Pearl Jam comecei aqui a desbobinar e o texto ficou demasiado longo. Por isso, fica aqui à parte … quem não gostar de música é melhor ficar por aqui. Este é um texto de partilha da minha viagem por uma outra paixão que tenho mas que está adormecida há muitos anos – não totalmente – não há tempo para tudo e há outras prioridades. Tenho a perfeita noção que me vou expor bastante, encontrarão aqui material para um bullying mais que justificado, mas como a ideia é contar a verdade e a reputação já não é o que nunca foi, aqui vai... J
*mesmo não sendo um conhecedor profundo gosto de música desde que me lembro. Mesmo muito. Ainda como criança, emigrado na Alemanha com os meus paizinhos, dedicava muito do meu tempo a ouvir rádio, cassetes e discos. E nunca fui muito influenciado por pais, irmãos ou amigos. Fiz o meu caminho sozinho, bem ou mal dependendo do ponto de vista mas como se costuma dizer “gostos não se discutem” e ainda bem. Só para terem uma ideia, o meu grupo preferido quando eu deveria ter uns 7 ou 8 anos era um grupo chamado “Truck Stop”, um grupo de música Country alemão (sim leram bem …e  cantavam em alemão … querem rir, pesquisem no youtube, deve haver alguma coisa perdida por lá J) … pedi o álbum como prenda de Natal e sabia as músicas todas de cor e salteado (ainda hoje, passados quase 40 anos consigo lembrar-me das letras quase todas se a música começar a rolar, o que felizmente só acontece mesmo muito de longe a longe, como por exemplo escrevinhar um post destes J), adorava os chapéus e as calças de couro (podia ter sido o inicio de uma incursão no sado-maso mas descansem, não foi J). 
para vos facilitar a pesquisa … e não tem que agradecer, esta é oferta da casa

Gostei de Abba (álbum “Super Trouper” – quem não adorou que atire a primeira pedra – prontooo, já chega de calhaus que isso magoa a sério J), de Boney M e coisas assim (podem continuar a atirar pedras que eu mereço) – era o que havia, ou ao que eu tinha de alguma forma acesso na altura. Os famosos 80´s começaram pela Alemanha (até 1981 apenas) e acabaram em Portugal, foram muito intensos a nível de música e começaram a encarreirar o gosto do Perneta-Mor acabando a década com uma onda mais Rockeira que se veio a manter até à data… a sequência de bandas preferidas foi mais ou menos esta – CultureClub (sim, sim, Boy George), Duran Duran (Simon Le Bon e seu amigos) e DireStraits (ofereceram-me o Brothers in Arms e acho que andei um ano seguido em que não ouvi mais nada J) …tenho episódios que ainda hoje me envergonham …  (é mentira, foi preciso ir conhecer “o outro lado” para saber que não era isto que queria para mim), gostei muito de um grupo chamado “Bros” (até comprei um single e queria ter a mesma pinta dos gajos - espero que as minhas filhas não leiam isto) mas em minha defesa nunca gostei dos Modern Talking … mas gostei e de outros alemães, os Alphaville (quem não começa a cantarolar o “Forever young” quando começa a tocar nos carrinhos de choque? Bem me parecia J) e adorei uma banda que se chamava Transvision Vamp (olhando para trás só podia ser por causa da vocalista … a maioria da malta gostava mais da Samanta Fox  (que concorria com outra estrela chamada Sabrina e o mítico vídeo "Boys" que ainda hoje se vê bem mas sem som) .. e eu tinha uma paixoneta pela Wendy James – mas tb tinha posters da Samanta Fox e da Sabrina e não era por causa das músicas - que foi? se até os bichinhos gostam J)
hmmm … são gostos ...

… tudo bastante soft ainda até que descobri um álbum chamado “Apetite for Destruction” de uns desconhecidos chamados Guns&Roses que me deram uma marretada tal que me tornei obtuso, fechado num casulo onde não entrava nada que não tivesse guitarras poderosas, letras agressivas e mosh (sim, este vosso pacato e pacifico amigo caixa de óculos foi dos mais terríveis caceteiros nos poucos concertos de rock a que tinha hipótese de assistir a partir da segunda metade dos 80´s, coisa que se prolongou nos 90´s). Não cheguei a ter cabelo comprido, as poucas tentativas esbarravam sempre num cabelo fino e com tendência a encaracolar sempre que passava os 3 ou 4 cm de comprimento e ta,bem de um pai que achava que todos os que usavam cabelo maior que pente 1 eram drogados, e como era ele que punha pão na mesa era ele que mandava lá em casa (quando a minha mãe não estava)… mas tb não era preciso. cabelo comprido. A partir do “Apetite for Destruction” e com a chegada das prendas de aniversários e natal em dinheiro (em detrimento dos brinquedos) por já ser “grande”, um pouco mais tarde com os primeiros trabalhos de verão, os primeiros salários no futebol e logo de seguida com um trabalho mais a sério começaram as incursões no passado … a verdadeira descoberta do que eu realmente queria ouvir usando as fontes a que tinha acesso numa “aldeia” apenas a 20km do Porto mas onde a cultura musical mais alternativa não existia muito para um miúdo normal, com um grupo de amigos normais – viajei aos 60, 70 e 80 – descobri os Stones (outra das tais vozes que me fascinam e o grupo que mais gosto a par dos Pearl Jam e mais vezes vi ao vivo), a era Punk e New Wave com Sex Pistols e Clash à cabeça, os Pogues com o seu Folkrock irlandês (impossível não gostar do Shane McGowen), o Alice Cooper com uma cena mais melódica, os Cult (que vi no Coliseu do Porto o que ainda hoje é um dos melhores concertos que vi de sempre) entre muitos outros. E um dia ouvi uma música (não sei onde) que se chama “I wanna be adored” de um grupo inglês chamado The Stone Roses e encomendei o álbum com o mesmo nome na papelaria da terra – demorou umas semanas porque tinha que ser importado mas valeu cada segundo de espera. Haveria de aprofundar uns anos mais tarde, quando me passasse a onda mais punk/rock/grunge americana.
o que eu dava para ver estes gajos ao vivo

Na papelaria lá da aldeia havia uma revista chamada “Metal Hammer” que eu comprava e lia - lia sobra as novas bandas que apareciam e era influenciado pelas criticas (e pelo aspecto mais ou menos “in” dos respectivos elementos das bandas”) … foi assim com Axl Rose e Slash … foi assim com Megadeth e um álbum fenomenal chamado “Countdown to Extinction”, os Metallica, Body Count (uma cena meio estranha, banda de negros liderada por Ice-T a tocar um rock bastante pesado misturado com um cena tipo RAP, letras mais pesadas ainda (nunca o “explicit lyrics” tinha feito tanto sentido), não era normal) ou Suicidal Tendencies, Sonic Youth e afins. 
… eu via e lia, se gostava e tivesse dinheiro pedia ao senhor da Papelaria para me arranjar o álbum … alguns ainda em vinil (era o fim desta era e o inicio dos cd’s – tou velho, eu sei J), depois já em CD porque já tinha comprado a minha primeira “aparelhagem” (era assim que se chamavam – todos que me estão a ler agora, nascidos nos 90´devem achar que eu devo estar com os pés para a cova de tão velho), com gira discos, duplo-deck de cassetes (muitas gravei eu para os meus amigos) e claro, leitor de cd’s (era da Sony, custou-me 165 contos na altura, andei um ano a juntar o ordenado do futebol – penso que o ordenado mínimo nacional rondava os 35 contos na altura só para terem uma ideia do dinheiro investido) – só gastava dinheiro numas francesinhas de longe a longe e a jogar bilhar no café – de resto era muito canalizado para o “vicio da música”.
Foi através da Metal Hammer que cheguei aos Pearl Jam (acho eu, sei que foi com uma revista daí deduzo que só possa ter sido por aí). Já conhecia e adorava Nirvana, com aquele som cru a que chamavam “Grunge”. Paixão à primeira vista – ideal e na altura certa para substituir a paixão pelos Guns&Roses que já andava pelas ruas da amargura com álbuns cada vez mais comerciais (a ruptura final foi com os Use Your Ilussion 1 e 2, mais especificamente com o “November Rain” – agora, passados quase 30 anos já consigo ouvir essa coisa outra vez) – voltando ao Grunge,  curiosamente só comprei o Nevermind já em cd bem mais tarde – arranjei uma cassete gravada na altura em que saiu que servia muito bem – o $$$ não abundava e como Pearl Jam ninguém conhecia ou tinha, lá tive que ser eu a comprar o “Ten”, em vinil, importado – é páh … aquela voz, aquelas guitarras … fiquei agarrado de imediato… o Alive foi o que mais me prendeu de início, mas adorava (e adoro) o álbum todo, sem excepção – aquilo é só pérolas de principio ao fim. Escusado dizer que o “Grunge” era a partir dali (do Nevermind e do Ten) o que dominava a cena musical do Perneta. Ouvia tudo o que surgia desta cena e foram muitos, mas poucos ficaram até hoje – apenas os dois aqui mencionados, mais os Alice in Chains (acho que desde o Alive deste sábado tb morreram definitivamente) e claro os Soundgarden (com outra daquelas vozes únicas e que me arrepiam, a do Chris Cornell).
quando o gajo se foi fiquei mesmo triste … esta faz parte da minha playlist de corrida - deveria ser obrigatório quando se corre com música

Em meados dos anos 90’s e com o Grunge a começar a desaparecer mudei de continente, para terras de sua Majestade, mais concretamente para Manchester. Voltei a “pegar” em força nos Stone Roses (já tinham acabado provavelmente nessa altura) e descobri Oasis dos manos Gallagher e do seu Britpop (o que prova que não é preciso gostar dos músicos para gostar das músicas que fazem) – estava a ficar mais soft? Talvez J Viajei muito pelos UK durante o resto da década de 90 descobrindo várias bandas que faziam e fazem as minhas delícias, os Blur ou Verve (o bittersweet symphony é uma música perfeita) entre outros … entre eles um grupo onde o líder é outra daquelas vozes que fazem toda a diferença para mim … Tom Yorke e os “seus” Radiohead … quem não conhece o “Creep” do início daquela década? – gostei na altura mas era na época apenas mais um grupo com um (ou dois com o “Bends”) álbum fixe, apenas isso. Só em 1997 (o wikipedia de vez em quando faz jeito J) sou verdadeiramente agarrado pelos Radiohead … foi um monstruoso “OK Computer” que me fez apaixonar por esta banda e pela melancolia da voz do Tom (somos compinchas tb – não há outra voz igual ou sequer parecida para mim). 


fechem as persianas, as portas dos vossos quartos, desliguem todas as luzes … deitem-se na cama … fechem os olhos e curtam este som e esta voz no silêncio total … boa viagem …

A viagem dos 90’ foi um vaivém entre os Estates e os UK … nos 90’s tive mais dinheiro para aprofundar bandas que já vinham dos 80’s e passei a gostar muito … Depeche Mode, RHCP (ainda hoje gosto muito, cada um é um personagem daqueles.  o meu preferido vai e vem), U2, Cure (aproveitem para ver o Robert Smith sem arbusto na cabeça), Smashing Pumpkins ou Janes Addiction (Perry Farrel é outra das vozes inigualáveis e estrondosas da minha lista) entre muitos outros.


é este o meu preferido dos RHCP (quer dizer, neste momento não pertence … por um lado ainda bem que assim faz umas coisitas a solo)

E os Tugas? Até esta altura e muito sinceramente não tinha nenhuma banda ou artista português que gostasse mesmo. Nem Xutos … gostava de ir a um ou outro concerto, mas comprar discos, ouvir até à exaustão, até gastar as fitas das cassetes ou riscar o vinil de tal forma que a agulha saltava? Nenhum, nem perto. Talvez a fase inicial dos Blind Zero (seria por haver a comparação e colagem aos Pearl Jam?) J Em português, na altura gostei muito dos Mamonas Assassinas … quem não gostou? J
Em 95, com apenas vinte e poucos anos, totalmente inexperiente decido abrir uma loja de música … a “Curtisom” … nome catita, confessem J … andava a matutar que nome dar à criança e surgiu assim do nada … a meio de uma noite acordo com o nome na cabeça. Com os artistas deve ser assim tb, sejam eles músicos, pintores, escritores acredito que as ideias surjam assim do nada – a mim foi a dormir, algo que naquela altura sabia fazer muito bem J … acho que foi a única vez em que fui verdadeiramente “artista” J … continuo a achar o nome uma obra de arte … juntar “curtir” a “som” é de valor JJJ … esta minha aventura durou apenas 2 anos e pouco. A loja era por baixo da casa dos meus pais, tive que me endividar na banca e é lógico que a era do CD estava a começar a dar sinais de fraqueza com a internet a surgir ainda tímida, com os primeiros programas e aparelhos que possibilitavam as produção de cds piratas .. eu era um chavalo e não tive essa visão. Depois as grandes superfícies vendiam ao preço que eu comprava às distribuidoras. E outro “problema” é que eu comprava o que gostava … e os Top’s vendiam outras coisas … mas foi uma experiência de vida, entrei no negócio e dei-lhe saída. Não ganhei dinheiro mas também não perdi nem fiquei a dever nada a ninguém. E fiquei a conhecer muitos mais artistas e bandas de tantos outros géneros que serviu para ver que afinal tb gostava de outros tipos de múscica. Mas também foi a partir dos finais de 90 que deixei a música para outras núpcias. Deixou de ser uma “prioridade”. Um emprego cada vez mais exigente, a família e o desporto (sempre) tomaram as 24h do meu dia. Até hoje.
Continuo a ouvir música … sempre que conduzo, ou nas minhas viagens, de vez em quando em casa e pouco mais. Há tanta mas tanta coisa, muita música mesmo má mas também muita coisa boa … continuo a ter preferência pelas guitarras, pelo rock em muitas das suas vertentes e pelos artistas anglo-saxónicos, mas também já existem alguns de outros países, tugas, franceses, alemães que despertam o meu interesse. E vou mais a concertos …


no ano passado vi provavelmente o melhor concerto até à data, em Paredes de Coura … o artista, a música, o ambiente, o local e a companhia …perfect!!!

Quando comecei a correr, a música era sempre a minha companhia. Com o tempo passei cada vez menos a levar o meu mp3 e hoje já nem me lembro da última vez que o levei comigo. Umas series ao som de umas malhas que eu cá sei até ajudam as pernas a voar, ou um longo, sozinho, apenas com a companhia de umas certas músicas nem damos o tempo passar J 


uma dica para um intervalo a passo acelerado … eu uso e funciona bem … atenção!!! não exagerar de inicio porque ainda dura quase 5min

Adoro música – não sei se já disse … ia comparar com a corrida, mas na corrida sou melhor, ainda consigo coordenar um pé à frente do outro e ando pelo meio do pelotão. Em todas as vertentes da música não sirvo para nada, ando mesmo à frente do carro vassoura J … cantar esqueçam, cana rachada é pouco J … tocar instrumentos? Nem ferrinhos J … e dançar??? Lol … se quiserem morrer a rir peçam para eu dançar … ainda bem que existem os copos, porque um copo na mão é sempre a desculpa ideal para não ter que abanar muito o capacete, além de saber o que fazer às mãos (agarrar o copo J) se abanar muito pode entornar não é? J
E pronto, acaba por aqui a incursão aos temas que não tem a ver com corridas neste tasquinho … tive ordens de soltura para voltar a correr. Ontem experimentei mas ao fim de 2km voltei a sentir o problema no gémeo … está melhor mas não dá para correr L … 4ª volto para a maca e vamos tendo paciência. 
P.S. Voz Nr.6 da minha lista de vozes que até arrepiam? Inigualável? Adivinhem lá … Eddie Vedder, Chris Cornell, Mick Jagger, Tom Yorke e Perry Farell … admito que todos estes poderão ser discutíveis, dependendo do gosto e da paixão que cada um de nós tem a nível de música, mas o meu nr.6 deve estar na lista de todos nós. Quem será?



segunda-feira

Alive 2018 - Pernetas on Tour


Este tasco é sobre corrida!!! O que não quer dizer que não se possa abrir excepções que confirmem a regra, certo? Já cá tinha estado, sozinho, há dois anos atrás englobado no "estágio" para o Mont-Blanc e tinha sido um sucesso. Pensando melhor e assim mais em profundidade, assim mesmo profundo profundo, nas profundidades do nosso ser mais profundo, esta posta tem tudo a ver com corrida!!! Porque este capítulo foi escrito na companhia de amigos que a corrida juntou. Metendo Pernetas no barulho tem a ver com corrida, porque foi a corrida que fez surgir os Pernetas!!! Capisce!!!

Posto isto … siga para mais um episódio dos “Pernetas on Tour”!!!
Os Pernetas surgiram porque tem gostos em comum. A corrida é apenas um, talvez o elo de ligação de todos os outros, a agregador de tantos gostos diferentes mas comuns. Há o gostar de “festa”, todo o tipo de festa J. Há o comer e beber em exagero o que acaba muitas vezes em grandes tainadas. Há a parvoíce natural que é comum a todos mas que se multiplica infinitamente quando dois ou mais elementos se juntam. Há o viver de um lema “Quando corre um corremos todos” que não se explica, sente-se. E há os Pearl Jam!!!
E os Pearl Jam vieram a Portugal, consta-se que pela oitava vez. E reza a lenda que aqui o vosso amigo Perneta-Mor é uma grande fã do Eddie Vedder e companhia. Mesmo grande fã – não tendo assim uma banda preferida existem umas 5 vozes no mundo que eu simplesmente adoro, não por serem as melhores mas porque são diferentes de todas as outras, porque as consigo identificar nem que estejam a cantar o malhão e me arrepiam tanto ou mais que a Maria Leal com o “Verão Chegououououou” mas ao contrário. O Eddie (trato assim porque somos compinchas de longa data, ele e as músicas dele acompanha-me já há uma catrefada de anos (pelo menos desde 1992*)

*ia explicar esta paixão pelos Pearl Jam, e até comecei a escrevinhar ..mas entusiasmei-me tanto que escrevi sobre todo o meu “percurso musical” e ficou bué grande. Agora estou na dúvida se publique aqui mais tarde ou guarde para mim. Talvez publique se me pedirem com jeitinho ou me mandarem uma nota de 5 euros para beber umas minis na Dª Alice porque no Alive mal dá para uma bejeca de 0,5lt.

Onde é que eu ia? Ahh .. Pearl Jam no Alive 2018. Nunca tinha tido a oportunidade de ver os Pearl Jam ao vivo. Das bandas que mais gosto só faltavam eles, os Nirvana (com o Cobain) e os Soundgarden (com o Cornell) … mas espero que alguma organização se dê ao trabalho de trazer os outros cá também – não quero ir desta para melhor sem os ver. 
Quando anunciaram que os Pearl Jam vinham cá estava dentro de um carro, de um agente meu, de viagem na zona de Frankfurt na Alemanha. Precisei apenas de alguns minutos para fazer a reserva dos bilhetes online e pagar (benditos Smartphones e net na europa a custo normal). Passados uns minutos recebo mail de confirmação com os vouchers dos bilhetes … arrepiei-me todo, eu ia ver os Pearl Jam!!! E partilhei no grupo com a malta. Passado uns dias já eramos uns quantos com bilhetes comprados. E se alguns não tivessem comido sono, no sábado tínhamos sido mais. 
E sábado de manhã cedinho lá nos pusemos a caminhos de Lisboa de autocarro – foi a forma mais económica que encontramos. Como os transportes para Algés funcionavam bem, foi o ideal. E funcionou bem.

Eu quis ir cedo para experimentar o ambiente … eram 16.30 estávamos lá dentro a dar uma voltinha, ver o que havia e coiso e tal. A minha ideia era abancar em frente ao palco principal desde as 18.10h até ao fim do concerto dos Pearl Jam. E foi quase cumprida.
antes de entrar foi preciso abastecer … 0,33ltr bem fresquinha a € 1,50 … não era barato mas justo …
vou dar uma de rebelde e entrar em território "inimigo" de Super Bock em punho (digo já que correu mal, não me deixaram entrar, podia ser considerado um objecto de arremesso, cortante, o liquido podia ser uma mistura qualquer que desse para fazer uma bomba ou algo do género … compreendo … not :( ) … mas não desperdicei nada,  bebi o resto e as garrafas de água que levava comigo antes de entrar … fiquei com a barriga inchada e a pesar mais 3kg mas não importa :P
acho que 98% dos 55.000 que entraram todos os dias tem uma foto neste local … a malta adora espelhos … tarados 
Tinha alguma expectativa com os Alice in Chains – tenho os 2 primeiros álbuns deles dos quais gosto bastante. Passaram 25 anos e faltavam 2 elementos que faleceram nos entretantos, um deles a cara e voz do grupo – o carismático Layne Staley. Desliguei-me completamente deste grupo e para ser sincero até pensei que já não existissem. Quando os vi no cartaz fiquei contente. Uma rápida pesquisa no youtube pelos últimos concertos já com este novo vocalista colocou as minhas expectativas em baixo – o homem não canta mal, até chega a ter uma voz parecida com o Staley mas não é a mesma coisa. E assim foi o concerto … o facto de ser em plena luz do dia tb não ajuda, e mesmo com alguns milhares de saudosistas como eu, muitos a enveredar orgulhosamente camisolas dos Alice in Chains não conseguiram fazer muito melhor do que arrebatar a atenção da malta com as músicas mais conhecidas. Nada de especial. Agora posso dizer que já os vi ao vivo – a continuar assim acho que não duram muito mais.
até estava muita gente mas tudo muito sossegadinho …
Não perderam nada …
Seguiam-se os Franz Ferdinand, concerto no qual eu depositava grandes esperanças. Nunca vi ao vivo (aliás, eram tudo estreias para mim naquele dia) mas já tinha visto alguns concertos na tv e costumavam arrebentar com tudo. Aproveitamos o intervalo para ir comprar uns hambúrgueres e ir à casa de banho – a ideia era alapar o traseiro por ali e não mais sair para não perder lugar. Entretanto chega a tropa fandango  - Badolas, Andreia, Zé e Ana. Pronto .. falta só o alentejano J. O concerto dos Franz Ferdinand não só não defraudou nadinha, como ainda superou as minhas expectactivas. Eles te reportório para manter uma plateia ao rubro e energia para dar e vender – o vocalista (Alex Kapranos – bem haja wikipedia) é um animal de palco, aspecto “direitinho”, nada ar de rockeiro engana bem e ainda bem J Foi um espectáculo e passado estes dias todos os acordes do “Take me out” não me saem da cabeça J … já tinha valido o Alive!!! Pelo menos para mim.

acabou o sossego …

estava "compostinho" 

Enche o bucho homem que já não sais mais daqui!!!

Fez-se história … um destes dois bebeu cerveja pela primeira vez na vida!!! 

estes gajos … só querem selfies … 


ALTO!!! Parou tudo … chegou. 

e veio acompanhado de umas loiras :) 

EQUIPA COMPLETA!!!!


"This Fire" arrebentou com a malta … achei piada a uma miúda que estava ali ao lado… quando o vocalista pediu para toda a gente se baixar ela aos saltos toda contente porque era a primeira vez que estava a conseguir ver o gajo :)

Seguiu-se Jack White … completos já com o Lobo junto da “matilha”, envergando a camisola do CAL – Valente J!!!  Não sou um profundo conhecedor da discografia do homem (do Jack, não do Lobo J) – conheço as “malhas” mais estrondosas do tempo dos White Stripes e Raconteurs e andei a ouvir umas coisas do último álbum dele a solo, onde destaco o “over and over” que é de uma potência que Deus nos livre. E Deus não nos livrou pq foi exactamente com o “Over and Over” que ele abriu as hostilidades para agarrar a malta logo de inicio. Espectacular!!! Já era de noite o que ajuda à festa … acho que estamos todos de acordo se afirmar que um concerto à noite tem outro encanto. À medida que ele ia debitando músicas que eu não conhecia, ia-me distraindo mais com outras coisas … fiquei mais atento à performance dele em palco … um “animal” à solta e enorme guitarrista (digo eu que não percebo nada disto) … hmmm … a bexiga começa a apertar já o concerto vai a meio … “volto já” … sair do meio da multidão foi fácil … até batem palmas e abrem alas quando um gajo quer sair dali (menos um não é? J) … voltar é que foi pior… uma selva de malta que consegui passar para voltar para junto da nossa matilha, não evitando alguns olhares fulminantes e até uma boquitas. Sem stress!!! Ainda cheguei a tempo do “Seven Nation Army” e prontos .. foi fixe, gostei mas não adorei. Precisava de ser mais conhecedor para chegar ao ponto de adorar. Por um grupo de chavalos que estava à nossa frente o concerto só pode ter sido bom, cantaram, saltaram e curtiram o tempo todo – ou foi da performance do Jack, ou das bejecas e das ganzas ou tudo junto J Venha mas é o momento para o qual viemos ao estrangeiro J
Entre as bandas costuma haver aquele movimento de a malta sair para ir comer, beber, à casinha. Agora esse movimento quase não existe. Quem ganhou o lugar mais à frente não quer sair para não ter que ficar lá atrás. É justo!!! Nós tb não. Nas corridas normalmente evito este tipo de confusão – aqui não – luto pelo meu lugar. O tempo de espera é longo e os 15 min que passam da hora anunciada para os Pearl Jam ainda demoram mais … 

cá está a camisola mai linda do mundo e do lourosa tb


voltou tudo à normalidade… 

Roubar o caralho … 

nunca mais começa … 

se tivesse que fazer uma legenda a esta foto seria "o entusiasmo" 

… e finalmente ali estão eles, ali está o Eddie e Companhia … uns 100m à minha frente em carne e osso e projectado em 2 ecrãs gigantes. Dou graças a Deus por ter 1,86cm J … não vou entrar em grandes pormenores (a net está inundada de textos, relatos e criticas muito positivas sobre este concerto) – iria repetir o que foi escrito. Foi espectacular … tinha grandes expectivas e foram superadas. Não dei pelas ca.2 horas passar - como diz o Lobo, pareciam uma banda no início de carreira a querer mostrar serviço – energia brutal colocada em palco, o Eddie ao fim de 2 ou 3 músicas já estava encharcado em suor – o som e a voz ao vivo são como se ouvem em disco – muito muito bom – valeu cada cêntimo gasto, mesmo o que se gastou na cerveja**… podemos discutir o alinhamento, haveria sempre quem desejasse outras músicas (eu adoraria ter ouvido o "Off he goes", o "Yellow Ledbetter" ou o "Nothingman" mas prontos … eles só tinham 2 horas)… 





só um cheirinho…
**um roubo à descarada é o que se pratica dentro do recinto. 0,25ltr a € 2,50 e 0,5ltr de cerveja a 4 €. Água 0,5ltr a 2 euros. Vão roubar o caralho!!! Á entrada barraram todas as bebidas que levávamos – meio copo de cerveja num copo de plástico que levava na mão (ainda perguntei ao segurança se era por ser Super Bock?) e duas garrafas de água que poderíamos levar se tirássemos a tampa. Mas lá dentro, compradas a preço de ouro com tampa já não havia problema. Enfim … não há alternativa … quer dizer, haver há … é não ir, mas prontos. Já as comidas tenho a dizer que são em conta – pagamos 7 € por um grande e saboroso hambúrguer feito na hora com batatas fritas – achei justo!!! Justo tb seriam as finanças controlarem estas vendas das cervejas, porque se pagamos uma fortuna destas espero que pelo menos a parte dos impostos seja paga. Ponham os olhos na festa do Avante!!!
Tal como a grande maioria da malta já não ficamos para os MGTM, TMGT, VBGT ou lá como se chamam - tenho pena deles, não devia haver concertos a seguir a uma Banda como os Pearl Jam. Já não havia forças e vontade para continuar por ali. E os autocarros de volta ao Alegro eram assegurados apenas até às 3h da matina.
Foi uma Pernetada diferente e valeu a pena, foi um bom estágio J

 “Quando corre um corremos todos”


… para o ano tragam os Stone Roses por favor … para o Alive ou outro festival qualquer. Pleaaaaseeeeeee …..




quarta-feira

Um telegrama ...


Ontem tive "alta" por volta das 18h … stop … demorei ca.30min a chegar a casa e 15 a equipar-me… stop… eram ca.19h quando saí para a rua para correr… stop … que foi??? Tive que largar uma manada de "javalis" antes… stop ...comecei com cuidado …stop ... tudo bem …stop ... entrei em modo "cruise" …stop … tudo bem … stop… 1 km e "tou numa forma lastimável" mas está tudo bem que é o que importa … stop…. 1,5km "maravilha … cansadinho mas feliz da vida" … stop …. 1,9km "não vai ser fácil recuperar a forma, mas vamos a isso" … stop …..

…2km … "FODA-SE" …  stop

… hoje regresso ao tratamento … stop … e vocês continuem a fazer figas por fvr!!! … stop … era só … stop, over and out!!!

terça-feira

Façam figas ...


Esta semana faz 1 mês que fiz os Caminhos do Tejo. Retirando os 7km do que seria o meu regresso à corrida nunca mais calcei as sapatilhas - culpa do meu gémeo direito que teimou em fazer-me um manguito daqueles grandes.

Estou a ressacar à grande - enquanto nos primeiros dias até encarei a coisa com desportivismo e aproveitei para descansar - fiz umas caminhadas e até … espero que estejam sentados … um treino de reforço muscular (o horror). Nestes últimos dias sinto mesmo falta de correr. Ando mais rabugento, stressado e sinto-me pesado e gordo. E é pena … porque há um mês atrás estava a voltar a sentir-me bem, a velocidade e a resistência estavam a melhorar e tinha a base que precisava para o que gostaria de fazer no segundo semestre. Paciência!!! Ainda vou a tempo ...

Estou melhor, muito melhor e ansioso por experimentar uma corrida ligeira. Ainda este fim de semana tive que me controlar para não o fazer - é que hoje tenho o que em principio será o último tratamento e espero que o Rui me dê a "alta" e me mande correr. 

Façam figas por mim!!!

EU DISSE FIGAAAAASSS!!!


Assim tá bem … Obrigado!!!


segunda-feira

4º GP de Santa Maria de Lamas


E no sábado lá aconteceu o 4º Grande Prémio de Santa Maria de Lamas. 4 vezes que estive envolvido na organização, 4 vezes em funções diferentes. Fazemos sempre um pouco de tudo mas durante a prova tenho tido sempre missões diferentes para cumprir. No primeiro ano andei feito vagabundo por toda a parte, depois fiz de fotógrafo, no ano passado corri e este ano calhou-me tomar conta de um cruzamento, ou dois J 
Mas o dia começou cedo … quer dizer, eu cheguei mais tarde … este ano havia equipas definidas e a malta responsável por organizar o percurso já andava pelas ruas de Santa Maria de Lamas desde as 7h da manhã. 



Aquilo é agarrar de tudo um pouco, há muitas pequenas “missões” a cumprir para que o ramalhete fique completo. E vão-se resolvendo com muito empenho de uma equipa cada vez maior. E quer-me parecer que de ano para ano, e por incrível que possa parecer, o grau de parvoíce aumenta … não me vou repetir pela enésima vez … não há equipa como esta … ficam aqui algumas fotos que provam que se conseguem organizar eventos com qualidade e divertirmo-nos ao mesmo tempo J



é sempre isto … não me resistem… não as censuro 

isto de organizar provas dá sede .. é preciso hidratar bem … 

aqui sabemos receber bem .. ninguém se há-de queixar de falta de carinho

Almoço a caminho … o moço das entregas

 

Paparazzis era com fartura... 

o Briefing final … enquanto uns se concentravam nas tarefas... 

outros asseguravam que estas reuniões ficassem registadas para a posteridade... 

hidratar sempre… havia um dos nossos que estava encarregue de dar de beber à malta, não é Fernando???

Não esqueçam este moço … descobriu uma bebida chamada cerveja faz umas poucas semanas … isto quase aos 50 ... 

txiii … cum car@&% … foi nesta fase que ninguém entreva no secretariado 

o único atleta que reclamou teve direito ao "livro de reclamações" …  


não vieram ao nosso GP? Ficaram a perder meninos … olhem a categoria ... 

calma meninas!!! Tb há para vocês … é muito Swag … o de óculos a elevar o nível … pétaculo 

Apenas de lamentar a equipa responsável pelo secretariado ter chegado tarde … o secretariado abria às 9h e eles chegaram depois das 10h e o que fizeram:
a)    Agarraram-se logo ao trabalho como gente grande
b)    Pediram desculpas pelo atraso e agarraram-se logo ao trabalho como gente grande
c)    Chegaram de nariz empinado e ar altivo, e foram todos nas calmas tomar um cafezinho como se tivessem a chegar às 7h e estivesse tudo pronto. 
Até estava tudo pronto … aqui os “escravos” das outras equipas trataram de tudo L .. Falta de profissionalismo é o que é!!! É para isso que vos pagam??? Enfim…

Sem stress … os outros põe tudo pronto, são pessoas responsáveis …



Desta vez estive um bocadinho longe da zona da partida e de chegada pelo que não consegui sentir o pulso à coisa durante a prova, mas pelo feedback que tive de atletas e de colegas podemos dizer que correu muito bem (mais um vez). As pessoas parece-me que deram o dinheiro por bem empregue, correram (e caminharam) e divertiram-se.


 






 






Como sempre há coisas que correram menos bem e que podem ainda ser melhoradas, mas nada de grave. Assuntos a tratar numa próxima reunião da malta, de preferência à mesa J
A minha função deste ano teve alguns momentos de tensão – a nossa prova é de 2 voltas e passa pelo centro da freguesia. Naturalmente há cortes de estrada, mas é impossível controlar tudo, tantas ruas e ruelas – por exemplo, existem pessoas que vivem no centro ou que estão nos cafés das zonas “cortadas” e que tem os carros ou motorizadas no centro da acção. E quando algum se lembra de sair na hora da prova é um problema. Tínhamos umas dezenas de pessoas a controlar as passagens principais e uma equipa de policias. Eu era um deles. Tivemos o cuidado de avisar que ia decorrer este evento com cartazes e folhetos colocados nas caixas de correio. Mesmo assim é impossível controlar tudo. E enquanto a maior parte é compreensiva, paciente e colabora há um ou outro que gosta de complicar. Em anos passados chegamos até a ter tentativas de atropelos … este ano felizmente não chegou a esse ponto.
Mas eu tive as minhas discussões … duas mais acesas e numa delas conseguiram-me tirar do sério … a sorte foi que o “senhor” se colocou a milhas, acalmado pelo senhora que ia ao lado dele … não sei como teria acabado a coisa. Imaginem que o homem queria a todo o custo meter o carro pela rua onde temos os pórticos, zona de chegada e partida onde tudo acontece … e porquê? Porque queria ir à missa … para que conste a missa era às 19.30h e seriam umas 18h. Para que conste também, sugeri-lhe estacionar o carro ali onde estava porque até à Igreja seriam no máximo dos máximos 150m. Ouvi de tudo … sempre a tentar ser calmo, mas firme … por ali não passa!!! E lá o deixei arrancar quando não vinha nenhum atleta dizendo que teria de virar à “esquerda” … “A MIM NINGUÉM ME DIZ PARA ONDE POSSO IR OU NÃO! VOU PARA ONDE EU QUERO!!! … e foi por onde eu o mandei, talvez tb fosse para onde queria ir e esta discussão tivesse sido desnecessária J J J*
*Quando eu era chavalo e a minha mãe quando ia trabalhar dava-me sempre (ou algumas vezes J) trabalhos para fazer em casa. Eu dizia sempre que não fazia mas quando ela chegava a casa estava feito J … este senhor no fundo é como eu, não faz mas fez J
A parte melhor foi ter podido assistir à corrida e caminhada, várias passagens por mim. Sempre que podia tentava incentivar com palmas e umas piadolas. Giro ver que a maior parte da malta da corrida na 1ª volta ainda reagia e sorria … na 2ª volta e a 300m da meta a coisa mudou, bem tentavam mas a maior parte já ia nas lonas a dar o tudo por tudo.. espectáculo malta … é que a nossa prova é bem dura. Normalmente faz calor e o traçado com umas belas subidas desafia qualquer um. Faz parte :)

E pronto … foi um dia cansativo. No fim houve convívio até às tantas. Eu com muita pena desta vez não pude ir. Havia princesas à minha espera e um programinha planeado. Acho que sentiram muito a minha falta, pelos vídeos e fotos que iam mandando não deviam ter mais nada que fazer … amigos da onça J
cá tá o moço que descobriu a cevada … eu cá acho que isto vai acabar menos bem ou mesmo mal .. mas isso sou eu com ciúmes de não ter sido convidado pró convívio…

 olhem aqui os amigos da onça todos juntos...

esta recebi eram 1h08 de domingo … a coisa tinha acabado por volta das 19h30 de sábado … façam as contas...

pronto … não é preciso dizer mais nada pois não????


Este ano tivemos 135 atletas a finalizar a corrida (estavam ca.170 inscritos – faltou bastante gente no dia). Com os caminheiros teremos chegado perto dos 200. Olhando ao nr.de provas que havia neste fim de semana por perto (campeonato regional em Monte Real no mesmo dia por exemplo) até não foi mau de todo, embora ache que podemos fazer melhor. A 5ª edição nesse aspecto vai ser melhor!!! J

Não foi pelo preço das inscrições (5 € a corrida e 3 € a Caminhada) - o dinheiro angariado pela caminhada reverteu totalmente para a Cerci de Lamas como habitualmente. Todos tiveram direito a uma T-Shirt técnica e uma medalha de participação. Ainda sorteamos 15 frangos assados por todos e o já tradicional fato completo (com camisa e gravata) oferecido pela Casa Barra. 




Acho que estamos todos de parabéns por mais este evento. Somos um clube pequeno com gente humilde que se empenha a 100% em tudo o que se mete. Adoro este malta e estou grato poder fazer parte desta família de doídos!!! Como é que é mesmo????
“Quando corre um corremos todos”