quarta-feira



(em cheio Luis Lobo J ... tb não era difícil J)
Não, não me enganei no título … enquanto a malta toda corria mais uma edição da Meia Maratona de Cortegaça houve dois marmanjos que fizeram a Maratona, eu e o Nuno Lima.
Como é mais que sabido daqui a um mês embarco nos 144km dos Caminhos do Tejo. Quando me inscrevi convidei a Pernetada para se juntar a mim, e como bons amigos que são fizeram-me um valente manguito J … todos menos um … o Nuno Lima, o único de nós todos que não gosta de distâncias longas porque são para malucos.
Isto foi no início do ano, mas ainda faltava muito não é? Íamos fazer tantos km, tanto treino combinado, inventamos percursos … vai ser fixe … temos muito tempo. Mas a realidade foi outra … ou era do cú ou era das calças, facto é que andou cada um a treinar para o seu lado sem fazer os mínimos para o que se avizinha. E chegamos a Maio e deu-nos as “dores de barriga”.
Eu já me tinha inscrito na Meia de Cortegaça há muito tempo … e comecei há algumas semanas a maturar a ideia de fazer uns km antes e transformar a prova num treino longo de preparação para os Caminhos do Tejo. E se desse duas voltas? Uma Maratona não estava mal. Tá decidido … incentivei o Nuno a inscrever-se mas não lhe disse das minhas intenções reais. Ele só sabia que iríamos fazer mais alguns km J … e andou assim bastante tempo. Ele sabia que ia a Cortegaça, mas andou um tempão sem saber que ia fazer uma Maratona J
E Domingo, um pouco antes das 8h lá estavam os dois malucos a arrancar para ir fazer um reconhecimento do percurso, ver se as fitas estavam no sitio J … tempo fresco, como as pernas e os primeiros km rápidos demais … deixa ir … aos 3km e em sentido contrário vem o Gil (que sabia que íamos) e juntou-se a nós. Em amena cavaqueira rapidamente chegamos ao retorno … pouco depois o Gil despedia-se e caminhamos um pouco para comer e beber qualquer coisa. Depois retomamos a corrida e foi até à meta … 1h53m … demasiado rápido. 
que tripla ...

tudo bem marcado.... 

ai fodaice ... tb tu ó Brutus??? 

metade já está, falta a outra .. 

Na zona da partida um mar de gente a preparar-se para a prova. Deu tempo para ir ao carro, colocar dorsal e chip, beber, comer qualquer coisa e toca a colocar na partida para a 2ª meia Maratona do dia. Não demorou 2 minutos – tudo bem planeado – e estávamos a passar a linha de partida, os últimos do pelotão, uma espécie de vassouras que durou pouco tempo porque mesmo com o ritmo comedido começamos rapidamente a passar gente.
ai vão eles...


As pernas já pesavam, mas ir ali no meio de um pelotão bem disposto, onde conhecemos muita gente facilitava muito a coisa. Dos 8 aos 10,5km onde se fazia a viragem o tempo passou num ápice porque me distraí com a malta que vinha de frente … tanto que o meu ritmo baixou para 4,40min/km e quando olhei para trás tinha perdido o Nuno … mas no abastecimento logo após a viragem fiquei à espera dele – era ver o ar de desalento do moço que pensava que não me tinha que aturar mais J
aqui já tínhamos passado uma gentita ...

ainda dá para rir ... daqui a pouco já ia passar a risota... 

ai pensavas que te vias livre de mim assim??? ... aguenta ..

O ritmo baixou … as coxas já doíam e os km pareciam que eram mais longos. O Nuno estava com dificuldades, muitas vezes me mandou ir à vida mas eu não queria … começamos juntos, acabamos juntos … é um treino … percebi o estado dele e fui tentando conversar “e o nosso Porto páh … ganda festa” J … aguentou até aos 18km e caminhamos juntos durante algumas centenas de metros … aí senti as pernas presas …. e voltar a arrancar foi complicado mas depois de uns 100m lá consegui voltar ao trote em que vínhamos antes de parar. E a gemer lá viemos até aos 20km, antes de entrar na recta da meta …. O último km já foi mais fácil porque já sabíamos que a coisa estava a acabar … e acabou com 1h58m …
muito obrigado a esta senhora que foi incansável no apoio a todos os atletas

feito ... por hoje ... sábado há mais :):):) 

mais uma para a colecção ...

Juntando os dois fizemos 3h51 à maratona o que não é nada mau … não acabei esgotado,  “apenas” massacrado das coxas. Tentei alimentar e hidratar-me bem e nunca me faltou a energia …  faltava saber como iria ser a recuperação.
com o Luis Lobo que veio treinar e fazer 1h21 ... como não quer a coisa ... enfim ...
É lógico que fiquei maltratado dos músculos das pernas mas nos dias seguintes podia ter voltado aos treinos calmos sem grandes problemas. Apenas voltei na 4ª feira de manhã por falta de tempo nos outros dias e senti-me bem. O pior nos dois dias seguintes foram as articulações, os tornozelos e os joelhos que precisaram de mais algum tempo de recuperação.
Agora é multiplicar esta distância mais ou menos por 3,5 e tá feito J … meu Deus, como vamos conseguir??? 
Até ao dia ainda vamos tentar recuperar algum tempo perdido … no próximo sábado é dia para colocar uma das ideias “peregrinas” de treino em prática … um treino ainda mais longo e muito mais parecido com o que iremos encontrar dia 15 e 16 de Junho.
Depois conto como foi …

domingo

Ulfilanis Run - o meu primeiro prémio monetário


(nota: esta prova foi no dia 25 de Abril e o texto em grande parte escrito um dia depois ... entretanto com os Trilhos dos Pernetas no auge foi sendo adiado .. mais vale tarde que nunca :) )
„O dorsal tem que estar no peito, bem visível. O senhor assim não pode correr“ ... diz-me um juiz da AAA quando vou a entrar para a zona de partida. Sou sincero … irritou-me, não pela mensagem que até pode ser correcta (não discuto e sinceramente não li o regulamento da prova) … foi pelo forma rude e autoritária como o fez. A resposta foi dada de igual forma “ olhe … desclassifique-me!!!” e segui em frente. 
Regras são regras e se me desclassificasse por isso, paciência – fui ver o regulamento da prova hoje e não encontro nenhuma informação específica sobre este assunto, no entanto referem que a competição é regida pelas directrizes da FPA e da IAAF – provavelmente deve constar por lá mas não tenho paciência para ir procurar.
 Não era o único com um porta-dorsais, teriam que desclassificar muita gente. Eu não gosto de “furar” as camisolas, além disso o porta-dorsais é muito mais confortável. Existem sistemas novos (de imens penso eu)  mas tendo eu um (ou dois J ) porta-dorsais tenho que lhe dar uso. Além disso nunca entro nas lutas pelos lugares cimeiros e tenho a puta da mania de cumprir os trajectos das provas na íntegra – e hoje até ia “só” fazer um treininho mais rápido J
aí vão eles ...

A ideia era mesmo essa – testar a máquina, ver se se confirma a melhoria de forma – sabia que ia estourar, pelo cansaço acumulado de dias seguidos a treinar e consequentes pernas pesadas, pelo facto de esta prova ser muito dura mesmo (das provinhas de estrada deste tipo provavelmente a 2ª mais durinha depois de Cucujães) e pelo tempo quente que se fazia sentir pelas 11h, que era a hora da partida.
Muita gente conhecida o que é normal pois ia correr em casa … Fiães foi a terra que me viu crescer, terra dos meus pais e minha também – em Fiães passei a maior parte dos anos da minha vida e é em Fiães a sede da empresa para a qual trabalho há já mais de 22 anos. E foi por essa empresa que corri, no papel … a Cinca patrocina esta prova com um azulejo alusivo ao evento e daí tem algumas inscrições para distribuir – calhou-me uma. Mas fui com o equipamento do meu CAL J 
15min de avanço ... quase 2min por cada ano de diferença ... tauuuu ...

Como sempre na conversa e quando se dá o tiro de partida estou bem cá atrás – desta vez na converseta com o meu irmão que também se inscreveu para correr na terrinha J 


Vamos lá sofrer um bocadinho … os primeiros 100 metros são feitos praticamente a passo, pois a saída do estádio onde se deu a partida (no relvado) é por um portão estreito … mal saio, encosto à esquerda pois a primeira curva será à direita e assim passo por fora … olha o Café Florestal (ainda na 3ª à noite fui lá ao Cachorrinho especial com molho de francesinha J) … na recta do Continente já consigo abrir a passada e a partir daqui já se pode correr o que se quer e pode … uma voltinha para passar novamente em frente ao estádio e agora é descer até aos passadiços …
Depois de um arranque a passo chego ao 1º km já praticamente com 4,10min/km … e aproveito que é a descer para acelerar … passo a casa do meu avó paterno, a Preditex, o Infantário e vou bem abaixo dos 4min/km – tenho um km a 3,39min que foi feito nesta altura – Café Centro (onde passei muitas tardes e noites da minha juventude) … “olhó Verdinho” (o meu pai é conhecido na terra pelo “verdinho” e os mais velhos tb me chamam assim) … casa mortuária, cemitério e Igreja … agora é planinho, mas continuo a forçar … é até arrebentar …
Quando aparece a primeira subidinha (uns 200 ou 300m) novamente até ao café Centro senti pela primeira vez as pernas a ceder um bocado … pouco mais de 3km. Também não admira com o calor que está e a média em 3,53min/km … há um anito e meio atrás seria normal, hoje ainda não J
Idanha … casa do meu amigo César (tantas e tantos dias e noites passamos ali) … é de novo a descer por umas ruelas estreitas e empedradas … nem penso no meu Mantorras … sigaaa …
Chego à zona dos Passadiços com quase 5km e já bem desgastado … nos passadiços perco tempo porque anda ali gente a passear o que dificulta a passagem, tem curvas e o sinal GPS não é o melhor (não sei se compensa mais à frente, mas ali em certas zonas, talvez pelas árvores, o ritmo baixa drasticamente no relógio sem que na realidade baixe) … mesmo assim 5km em 20,10min … acho que já não fazia algo do género há muitos meses … mas agora é que vão ser elas …


… nem sei se é bom conhecer o percurso ou não … eu acho que sim, mas neste caso saber que me esperam umas belas de umas rampas “assusta” um pouco … e mal saímos dos passadiços começa a subir … o meu ritmo baixa imediatamente, ainda não tenho pernas para isto, e o meu coração dispara, tb ainda não tenho “caixa” para manter estes ritmos a subir … mas lá vou a bom ritmo enquanto já se vê muita gente a estourar, alguns já a caminhar nas subidas … 
… os últimos 4km de regresso ao estádio do Bolhão tem várias rampas para subir – uma delas com ca.300m deve ter no mínimo 10% de inclinação … faço ponto de honra fazer tudo a correr, nem que seja a trote. As pernas gemem … mas não caminho … aguenta Perneta … e neste sofrimento vou conseguindo ganhar alguns lugares … acho que desde a partida ninguém passou por mim que me lembre … foi a chamada prova de trás para a frente …
… Café Monte-Carlo, novamente Igreja Matriz, Cemitério … fonte Bufas onde há uns bons 35 anos participei pela primeira vez num treino de atletismo de rua … falta menos de 1km para a meta, sempre a subir …150m à frente vão dois atletas … não tenho força para acelerar, mas mesmo penando por ali acima vou-me aproximando … olho para o relógio … não vai dar 10km a não ser que ainda tenhamos que fazer uma voltinha antes de entrar no estádio …
… no último cruzamento tiro a dúvida com um voluntário … nada de voltinhas finais, é directo à meta … 200m e piso o relvado do estádio a acelerar o possível, mesmo não havendo luta para ganhar ou perder posições. Feito e bem feito ...

oficialmente foi mais 1 segundo, 39.40 ...


Depois de um bocadito de converseta e beber uma água decido andar ali às voltas no relvado a trote. Há que fazer kms … já tinha feito 3km antes e agora ia fazer mais qualquer coisa enquanto esperava os amigos. Enquanto andava por ali a trote o speaker começa a anunciar os vencedores e pódios dos diferentes escalões … e ouço “em 5º lugar dos M45 … Carlos Cardoso” … “o quê???” … primeira reacção foi olhar à volta a ver se via o Carlos Cardoso de Espinho por ali .. depois lembrei-me que ele já não corre … Carlos Cardoso??? Eu??? Me??? Ich???
O resto é história … 5 euritos, uma notita que está guardada carinhosamente porque dificilmente acontecerá outra vez J … mas vai ser gasta, em algo especial que ainda não sei o que será J

É lógico que vale o que vale, e para eu ficar em 5º é porque o nível não era assim tão elevado, lógico. Na brincadeira digo que eramos 4 e eu fiquei em 5º - mas ainda foram 18 velhadas no meu escalão. Por curiosidade fui ver o escalão abaixo (M40) onde ficaria em 3º enquanto se fosse nos M60 seria 6º em 7 participantes (estes velhotes andam pra caraças).
Genéricos e Originais ... mas ambos Pernetas ...

com o Sérgio do CAL e um amigo ... 

e com o Jorge que foi 5º nos M40 e tal como eu sacou 5 euritos ... 

e com estes dois que não conheço de lado nenhum :P


O que conta mesmo é que foi a minha estreia nos prémios monetários. Nos anos que dura a minha carreira de atleta de pelotão já tenho uma medalha por mérito (pronto, a dividir com mais 3 elementos da minha equipa) e agora um prémio monetário J … quem diria, hein? J J J
é verdadeira ....

sexta-feira

Quando não apetece treinar


Eu sei ... depois da fome vem a fartura. Depois de meses e meses com publicações intermitentes agora é todos os dias. Sorry!!!

É que além de um bocadinho mais de tempo disponível depois do fim dos Trilhos dos Pernetas, aqui o vosso amigo anda a correr mais um bocadinho - as duas situações juntas fazem com que as histórias aconteçam e existe tempo para as registar.

O meu foco está virado para os Caminhos do Tejo e falta pouco mais de um mês para essa aventura. E tenho que fazer km. Esta semana tinha previsto correr 2ª, 3ª, 4ª e 5ª antes de embarcar na Maratona de Cortegaça no próximo domingo. Cumpri 2ª e 3ª, mas falhei na 4ª - quando acabei os afazeres do dia já eram 23h e não tive energia nem vontade para ir correr. 

Ontem estava previsto ir correr com o meu primo na Feira ao inicio da noite. Uns imprevistos de última hora dele não o permitiram - eu estava sem vontade nenhuma - liguei ao Zé que não podia, tentei o Nuno Lima mas já tinha treinado de manhã. Pronto ... lá tenho que ir treinar sozinho. Eram 21.30h e ia a caminho de casa para Red River City e dá-me um "flash" ... vou parar no Freixo e correr na margem do Douro para ver se me motivo. Dito e feito ... e saiu um treino maravilhoso de 15km, num pequeno périplo por Porto e Gaia que durou 1h17min. Deu para tudo, incluí rampas, escadas, paragens, fotos e uns kms finais abaixo de 4min/km ... faltou uma paragem para uma mini mas não levei $$$ (fica para a próxima).


Acho que era capaz de andar por ali umas horas valentes ... isto para quem não tinha vontade nenhuma ;) ... e vou começar a incluir esta zona nos meus treinos regulares .... por tudo ...




 


uma rampita de ca.250m com 50mD+ ... é só fazer as contas :P 


siga para Gaia .... 

da Ponte do Infante a vista para o Porto iluminado é bem catita... 

gostei deste bocadinho do lado de Gaia, ao sobe e desce desde a Ponte do Infante até ao tabuleiro superior da Ponte D.Luis ... mas da próxima tenho que levar frontal 

a foto clássica sobre o Porto não podia faltar ... 

pela zona das caves em Gaia onde para mim tem uma das melhores vistas sobre o Porto 

tava quentinho :):):) 

a noite estava animada, muito turista pelas ruas do Porto ... 


e voltou-se à margem do lado do Porto 

 olha a Ponte Arrábida ... acabei por ver as 6 pontes 

passagem pela baixa ... faltou subir aos clérigos 

Tudo em alvoroço a prepara qualquer coisa para sábado ;) 

Amanhã, aqui, 16h ... "Feta é Feta" .. 

... eu desci ... mas não sei o que é melhor, se descer ou subir... 

depois de 3km finais a 4min/km de média estava o treininho feito ... que maravilha


quinta-feira

Trilhos dos Pernetas 2.5 - Um obrigado especial (Take 4 - o último)




Bem … com esta posta chega ao fim a saga Trilhos dos Pernetas 2.5. No fundo no fundo não vou dizer nada de novo, vou-me repetir pele enésima vez sempre que há algo especial que meta a família Perneta ao barulho J
Serve apenas para um último agradecimento, um agradecimento muito especial a toda esta equipa que agarrou esta organização pelos cornos. Como disse no primeiro take, começamos com 7 ou 8 e acabamos quase com 50 elementos a dar no duro para que tudo funcionasse. Mesmo elementos que durante os meses antecedentes não puderam dar o seu contributo no dia não falharam e ali estavam a vestir a camisola – e que mais-valias foram.
Tenho a noção que sou uma das caras mais visíveis dos Trilhos dos Pernetas, juntamente com mais dois ou três somos os que aparecemos mais vezes nas fotos, nos posts, nas histórias, também pelo blogue, etc. Mas por trás existe um batalhão de gente cheia de qualidades que fazem as coisas acontecer. E qualidade é o que não falta nesta equipa, primeiro e mais importante que tudo humanas, depois o engraçado nisto é que somos todos tão diferentes, cada um com valências e especialidades diferentes que funcionam muitíssimo bem em conjunto porque existem agregadores comuns … vontade em fazer sem interesse pessoal e uma parvoíce genuína que nos faz encarar o “trabalho” com boa uma disposição que vicia. As nossas reuniões são do mais divertido que possam imaginar – saímos sempre com a ideia que não se fez nada, mas as coisas acontecem, não me perguntem como J
Também houve chatices, claro – como em todas as relações e sendo muitos, mais probabilidades existem em haver algum tipo de desentendimento. Mas conseguiu-se ultrapassar tudo. Da minha parte peço desculpa se de alguma forma fui injusto com algum de vocês.  
Esta edição teve o condão de juntar mais uma data de novos elementos ao grupo, pessoas que foram entrando assim como não quer a coisa e passado pouco tempo já estavam dentro do espirito perneta como se estivessem com a malta desde sempre. E é tão bom … gente boa no grupo com o mesmo espirito!!! Fantástico. Estamos a crescer, venham mais assim.
Como Perneta-Mor (que não manda nada J ... esta é “private”) é para mim um orgulho enorme fazer parte deste grupo. Muito mas mesmo muito obrigado por fazerem deste bando de Pernetas a família que é – todos nós temos a nossa cota de responsabilidade nisto e devemos estar orgulhosos por isso!!!
“QUANDO CORRE UM CORREMOS TODOS!”
cambada de amigos da onça ... mas gosto bué deles caralho

E pronto ... acabou-se ... podem ficar descansados ...