terça-feira

Mega Tareia do Paleozóico


São quase 8 da manhã de domingo passado, Valongo City…ali estou eu com o Gil, o Richard e o João Oliveira, no meio de quase 400 malucos e malucas, prestes a entrar em mais uma aventura…os Ultra Trilhos do Paleozóico.

Chegamos cedo a Valongo, pouco passava das 6.30h, e além do pessoal da organização só se via um ou outro atleta madrugador. Conseguimos estacionar a 100m da zona de partida e levantar os dorsais foi um “tirinho”…cafezinho, conversa com este e com aquele, equipar, dar um abraço ao amigo blogger Artur e já estava quase na hora de zarpar. Uns minutos antes da “largada” chegam os amigos do CAL (que vão à prova das crianças), ainda a tempo de nos saudarmos….que equipinha J

Aqui última foto antes da partida…ainda todos felizes da vida sem saber o que nos estava reservado….

…eu até chegar a Valongo estive sempre muito tranquilo. O facto de ter andado ocupado com os Trilhos do Perneta durante as últimas semanas, tinha deixado o Paleozóico para segundo plano…apenas este semana, andei a ver percurso, a estudar a altimetria e a ler um pouco a “correspondência” dos trailers no facebook sobre esta prova.…”assustei-me” um pouco com o desenho de altimetria do percurso (parecia um pente) e fiquei a saber da existência de um tal de “Elevador” com quem haveria de travar uma dura batalha…mas isso fica mais para o fim J
A minha única preocupação estava relacionada com o meu joelho direito…a semana que passou fiz 2 treinos de 10km, a rolar sempre em plano, sem forçar nada, sem ter tido qualquer torção, queda, nada…na 5ª à noite comecei a ter dores como à muito não tinha, 6ª e sábado não treinei, andei a pomadas e no domingo estava melhor embora não estivesse a 100%. Se já ia com ideias de fazer a coisa nas “calmas” agora tinha que ter cuidados redobrados. O meu objectivo era chegar ao fim mas não a qualquer preço, se o joelho não ajudasse já me tinha convencido a mim mesmo que iria desistir.  

Às 8.02h deu-se a partida, o Gil seguio logo à vidinha dele, e no primeiro km fui com o Richard e com o João…um passadiço e uns caminhos em terra que nos levariam para fora da cidade para entrarmos logo a subir a pique na serra de Valongo. Como sempre, pelotão compacto, muita paragem, piadas e boa disposição...num desses congestionamentos, olho para trás e vejo apenas uns 10 atletas…pronto, já estou no meu lugar J.…o Richard e o João tb já tinham fugido e lá ia eu sozinho….maravilha, hoje sou eu e os trilhos de Paleozóico (e o ruído dos motores das motas que andavam pela serra J, que foram uma constante) …..e com boa disposição a coisa ia-se fazendo….praticamente sempre a subir por trilhos estreitos em terra, com muita pedra solta (maior parte das vezes xisto) o que viria a ser uma constante durante quase todo o percurso. Com isto chegamos ao primeiro abastecimento liquido ca.5km….apenas água…como levava o camelback cheio nem parei…   

….pouco depois apanhei o Richard e seguimos juntos alguns km, até ele ficar para trás…ca. dos 11km, ia praticamente sozinho e entro nuns trilhos estreitos e corriveis por uma floresta, com alguma água e lama…começo a ver alguns atletas a correr como uns desalmados lá à frente e de repente aparece-me uma “manada” (desculpem, mas não me ocorre outro termo melhor) vinda de trás….só tive tempo de encostar e deixar passar, se não quisesse ser atropelado J …era o pessoal dos 21km….a partir dali e até ao abastecimento dos sólidos ca. km 19 não tive mais sossego…foi pena, pq esta parte tinha trilhos lindíssimos e merecia uma atenção maior…entramos numa parte da serra com vários tons de verde, partes completamente amarelas das Maias que já tinham flor, e violeta de outras flores….foi numa destas partes que um “BURRO” (com o devido respeito pelos animaizinhos que não tem culpa nenhuma), me mandou um “chega para lá” para me ultrapassar…logo a mim, eu que até encosto por vontade própria para deixar passar toda a gente pois não gosto de atrapalhar ninguém…não gostei….rosnei-lhe, já nem me lembro do que lhe disse, mas ele seguio o caminho dele todo contente….espero que tenha chegado bem ao fim, e que tenha conseguido o 156º lugar em vez do 157º devido ao empurrão que me deu ...parvalhão de merda J.
…pouco depois chegamos ao primeiro abastecimento sólido (com ca.19km), na aldeia de Couce junto ao rio….que grande confusão….um emaranhado de gente de volta de uma mesa com comida e bebida…juntava a malta dos 21km e da Ultra e era um vê se te avias, só faltavam as cotoveladas…eu lá me encostei a um cantinho, enchi o meu camelback de água, refresquei-me e comi banana, um pouco de marmelada e batatas fritas.

Por falar em malta dos 21km…onde é que andavam os marmanjos do CAL??? Estavam 6 em prova + o Nuno Lima, andei quase 10km a levar com pessoal dos 21km, devagarinho como eu ando, a tirar fotos a torto e a direito, estive 5 minutos no abastecimento, e destes gajos nem sinal? Bem…talvez fossem na frente da corrida J …gandas malucos!!!

Quando saímos do abastecimento dá-se a separação, passamos uma ponte, 21km à esquerda, 45km à direita….finalmente sossego….trilhos ao longo do rio, muito verde, zona lindíssima….estava bastante calor mas ia muito bem, nada cansado,  com um bom ritmo (8,30min/km) e melhor de tudo, o joelho estava impecável depois de ter ameaçado algumas vezes nos primeiros km…ca. 1 km depois reparo que o meu relógio está no “pause”….fod…car……ao tirar e voltar a por a mochila devo ter carregado no botão de stop sem querer….não há um trail que faça em que consiga registar o percurso todo direitinho…enfim…

….até ao abastecimento líquido dos ca.29km (Pia) o percurso é um sobe e desce quase constante, com inclinações fortes e curtas, mas que consigo fazer bastante bem. Houve uma parte com trilhos junto a um riacho que me fez lembrar os que encontramos nos abutres…single tracks, lama, passar de um lado para o outro, e usar as mãos para agarrar as árvores como apoio…gostei…continuava muito bem, subidas a caminhar mas sempre com passada forte e certa….descidas e plano sempre a correr…a descer devagar devagarinho, como sempre, mas quando apanhava plano era um tal passar atletas…levava no bolso dos calções um mapa plastificado com a altimetria e desenho do percurso para ir consultando….gosto de ver onde vou, o que falta, etc….eu sabia que a parte final ia ser muito dura….foi tb aqui que comecei a achar estranho por os abastecimentos andarem cada vez mais desfasados do que estava no papel…eram cada vez mais tarde…este abastecimento de Pia deveria ter sido aos 27,5 e foi aos 29km. Breve paragem para beber alguma água e siga, por um descida estreita e curta, até junto a um riacho para começar a subir a primeira verdadeira parede do percurso…

….antes de “atacar” esta subida, tomo metade de um gel e bebo um pouco de isotónico….meus amigos….brutal a inclinação, muita pedra solta…e o maior problema é que se conseguia ver toda a subida que tínhamos pela frente…toca usar a táctica de não olhar para cima para ver o que falta…funciona só em parte, pois dou comigo sempre a espreitar para cima, mas tb para baixo (o que me dá alento para continuar, pois consigo ver o que tá feito – é a velha história do copo meio cheio ou meio vazio)….várias vezes tive que parar para recuperar o fôlego…mesmo a passo muito lento o coração parece que nos vai saltar pela boca a qualquer momento…um sofrimento danado para chegar à parte mais alta de todo o percurso (ca.380m de altitude)….esta cansou-me….pela primeira vez, por volta dos 30km sinto-me cansado, mas uns passinhos em plano e consigo voltar a correr….


…vejo um atleta sentado à sombra, a fazer uma pausa para comer qualquer coise e recuperar…pergunto se está tudo bem e sigo…corte à direita…corro uns 100m quando me lembro “espera lá! Esta não é a parte mais alta de todo o percurso?”….toca a voltar para trás….subo um rochedo e sento-me ali bem no alto, sozinho a contemplar a vista que estava deslumbrante e a levar com uma bela de uma brisa leve mas refrescante na cara,  isto tudo na companhia de uma pomba que voou até junto de mim vindo do nada.…foi o meu momento zen nesta aventura…estive ali apenas alguns poucos minutos, liguei à Inês para partilhar este momento e para lhe dizer que estava tudo bem…esta paragem valeu muito a pena…foi melhor que uma dúzia de géis energéticos, acreditem…
…até ao abastecimento de Mourama (ca.km35) teve muita parte em que corri…muito estradão florestal, algumas inclinações mas nada de muito acentuado. Foi tb neste troço que tive o meu único engano…no meio do nada apareceu um membro da organização a dizer que queria fazer um controle do material obrigatório..diz ele “ telemóvel”…mostrei-lhe o meu telemóvel, disse-lhe “tá aqui, e tenho umas centenas de fotos da prova para partilhar com vocês” e segui sorridente e distraído por um trilho a descer….andei uns 200m e nem sinal de fitas nem de outros atletas…olho para cima e vejo os colegas a ir em frente me vez de cortar para baixo.....fod…-se …..ter que subir aquela rampa não estava nos planos…BURRO, pões-te na conversa dá nisto….depois de entrar no trilho certo (muito bem assinalado, cheio de fitas) chega-se ao abastecimento de sólidos….já estava a ficar com fome, e como sabia que ainda me esperavam 2 subidas duras + o tal do “Elevador” havia que tentar repor o máximo de energia possível. Pois…mas fiz um erro, comi e bebi demais (bolo, batatas fritas, banana, amendoins e tomate com sal, água e isotónico…uma mistura explosiva, que fez com que ficasse com a barriga cheia e enjoado.

…e o problema é que mal se saia do abastecimento tínhamos outra parede daquelas para subir, esta com a particularidade de estar exposta ao sol…devia ser perto das três da tarde…muito sofri eu para subir aquilo, “morri” pela primeira vez, mas mesmo moribundo lá segui como pude….quando me vi lá em cima nem queria acreditar….continuava indisposto…a barriga inchada, parecia que não conseguia fazer a digestão….mas consegui voltar a correr, e à medida que corria parecia que a energia estava a voltar….agora eram estradões largos em terra batida, depois uns single-tracks em terra a descer até uma pedreira de xisto que atravessamos….muito engraçada esta parte, nunca tinha visto uma pedreira deste tipo tão de perto…o estranho era uma água de um azul tão vivo que era esquisito e belo ao mesmo tempo…
 

….depois da pedreira passamos uma ponte suspensa de madeira….antes de voltarmos a escalar de pedra em pedra para atingir mais um cume onde voltei a entrar em grandes dificuldades (aqui morri a 2ª vez), e voltar a descer até junto ao rio onde estava instalado mais um abastecimento liquido (Ponte de S.Simão)….estava estafado, bebi alguma água, molhei a cara e a cabeça tentando refrescar-me….neste local segundo o meu mapa estaria aos 37,5km….o relógio marcava mais de 40km…..vinha com o Meixedo nesta altura, e ele conhecedor destes trilhos disse-me que por este andar a prova iria ter 48km….um gajo mais morto que vivo, com os km a não passar, a saber que faltava enfrentar o “Elevador” e ouvir uma coisa destas não é propriamente agradável….estava mesmo revoltado (agora que estou a escrever estas linhas estou-me a rir que nem um perdido….são só 3km a mais, mas quem já passou por uma destas sabe bem o que se sente quando já não existe uma pinga de energia no nosso corpo) J

…siga que se faz tarde….mal saímos do abastecimento, mais uma escalada “assassina”….pedra em pedra, algumas vezes de quatro….um passo de cada vez, lento, muito lento (novamente morto, a 3ª vez em menos de 10km)….5 passos e pára…ora ultrapasso outro atleta que está a descansar, ora estou eu parado e ele passa por mim…isto tudo em meia dúzia de metros…até dá para rir….encontro algo que me parece um banco esculpido na pedra, feito à medida do meu traseiro J….sento-me….descanso….fecho os olhos e o que é que me vem à cabeça?....uma mini fesquinha…..não, uma grade de minis fresquinhas….deve ter sido, por ter comentado à uns km atrás com outro atleta, que o que caia bem agora eram umas minis J é cada ideia estúpida J
….mas parece que ajudou, levanto-me e sigo naquele ritmo lento, lentinho, quase parado até que finalmente chego ao cume e volto a ressuscitar.…agora é sempre a descer novamente até Couce onde está instalado o último abastecimento, antes de enfrentar o tal do “Elevador”….neste percurso consigo voltar a correr e a bom ritmo, e à medida que vou avançado sinto que as baterias estão a recarregar um pouco….mas vou preocupado com o tal “Elevador”….então se as últimas subidas foram tão difíceis para mim, como é que eu vou me vou safar naquela última e terrível parede de que tanto se fala?….existe uma frase que costumo usar muito…”uma coisa de cada vez”, e primeiro era preciso chegar ao abastecimento…

…neste abastecimento não cometi o mesmo erro que no último…limitei-me a comer um pouco de banana e marmelada…tinha alguns bolos com bom aspecto mas resisti…não queria voltar a passar pela mesma indisposição….refresquei-me mais uma vez e bora lá enfrentar a fera…

…apenas 100m depois do abastecimento, entramos num trilho largo, seco, pó e muita pedra solta…começa por subir um pouco, depois vai inclinando, cada vez mais…cá está ele, o famoso “Elevador” *

*desculpem, mas a minha luta com o “Elevador” merece um post à parte…vão ter que esperar, mas já ficam a saber que o venci J

Depois de ultrapassar o elevador, começamos a descer a serra pelo outro lado, em single-tracks…pelas minhas contas faltam agora ca.3km, mas antes de descer para Valongo ainda temos que voltar a fazer uma subida bastante técnica, felizmente não muito longa….estou revigorado (na medida do possível), consigo correr a bom ritmo, e por incrível que pareça até a descer ando bem…estou com algum receio de não chegar dentro das 9h, em principio deve dar, mas não sei como é o percurso até final…começo a ver atletas mais à frente e vou-me motivando “agora vais buscar aquele”….”e agora o outro”…vou passando atleta atrás de atleta, sempre a correr e a bom ritmo para quem vai já perto dos 50km e levou a maior tareia da vida dele…cheguei aos arredores de Valongo, reconheço os trilhos que percorro, são os mesmos do inicio da prova…quer dizer que falta ca.1km….vejo mais um atleta no passadiço, forço mais um bocadinho e ao passar digo-lhe “anda…vamos os dois juntos”…ele diz que não consegue, para eu seguir…e eu sigo….
...uma surpresa, passagem por baixo de uma ponte pela água…um choque térmico da água fria  nas pernas mas que sabe muito bem… problema é vergar-me para passar por baixo da ponte pedonal de madeira, que me provoca mais uma ameaça de cãibras …mas tb se faz….passo por trás de um prédio e já vejo ao longe a praça onde está instalada a meta….
...a chegada à meta é por uma espécie de corredor, vejo o Gil e dou-lhe um High-Five…está muita gente numa esplanada de um café a ver o espectáculo de loucos a chegar mais mortos que vivos, mas felizes.. mas ninguém aplaude…problema deles…vale pelos outros atletas, familiares e pessoal da organização que nos dão uma recepção daquelas que a malta gosta…desta vez não me emociono como em muitas outras ocasiões, mas corto a meta extremamente feliz…acabo de levar a maior tareia da minha vida de “atleta” e estou com um sorriso de orelha a orelha…somos loucos? Não…somos apenas gente que gosta de correr, gosta de natureza, de convívio e de uns bons empenos J

Quase 49km, ca.2.600m D+…Tempo oficial – 8h38min, 176º lugar na geral – não é isto o mais importante nem o que me faz participar nestas aventuras, mas olhando a que eu a descer sou uma lástima, ter andando ali a curtir as paisagens e ter tirado mais de duzentas fotografias pelo caminho (isto é uma bela desculpa para ir parando para descansar J), não foi nada mau. Um dia destes vou experimentar fazer uma brincadeira destas mais a “sério”, tentar fazer o melhor tempo possível, só para ver o que do que sou capaz…ou talvez não J

Uma palavrinha para o pessoal que foi comigo…o Gil (7h43) – mais uma grande prova, o João Laranjeira (que conheci nos Trilhos do Perneta) tb fez uma prova excelente com 7h52 (que grande margem de progressão que este rapaz tem) e o Richard (9.14h) a estear-se em Ultras logo nesta brutalidade…tá todo o mundo de parabéns.

Um parabéns muito especial ao colega e amigo blogger Artur…meu Deus, que grande prova fizeste…fonix…7h27 é à campeão e mai nada…és GRANDE e não só por correres como o caraças…muito obrigado (tu sabes a que me refiro), foi um gesto bonito. Só tens um defeito….o teu gosto clubístico (até isto te correu bem no domingo J)…mas não se pode ter tudo!!!

Não podia deixar de referir aqui o pessoal do CAL que foi à prova dos bebés…sei que todos acabaram as suas provas (tb era melhor) e que se saiba nenhum foi preso J Parabéns malta….o CAL pode não ganhar nada, mas chega lá como os outros….demora é mais um bocadinho J


Quanto à organização, hoje que já dormi uma noite sobre o assunto já vos perdoei os 3km a mais…devem ter ficado com as orelhas a arder J .. aproveito para pedir desculpa às V/ mães que não tem culpa nenhuma  disto tudo J

De uma forma geral adorei, o percurso é muito duro (pelo menos para mim, mas tb o ouvi o mesmo da boca de muito trailer experiente), é diversificado, com pormenores únicos (como aquela parte de passar a pedreira por exemplo)…provavelmente, neste percurso devo ter passado pelas 3 subidas mais inclinadas que alguma vez terei feito (acho que já sei o que sente a malta nos km verticais)…e “Elevador” é um espectáculo. Interessante, como é que possível fazer um trail tão duro, chegando “apenas” a ca. de 380m de altitude máxima.

Houve pequenos pormenores, que passam despercebido a quem não faz estas aventuras, mas onde se nota que é uma prova organizada por atletas com a mesma paixão – só como exemplo – o facto de no fim, elementos da organização nos tirarem o chip da sapatilha, não nos “obrigando”, depois de um esforço daqueles, a baixar para o fazer….obrigado J

As marcações estavam top…só um distraído como eu, é que se poderia enganar. Os prémios excelentes…além da tradicional T-Shirt alusiva ao evento, tivemos direito a uma garrafinha de Vinho Verde, e para os Finishers um lousa e um queijinho. Muito bom.

Mas também existem pontos que na minha humilde opinião poderiam ser melhorados e tornar este trail perfeito.

- Abastecimentos sólidos – acho que deveria haver mais um abastecimento por volta dos 10/12km. Darem sólidos apenas aos quase 20km é pouco – os atletas da frente passam ali com 2h-2.30h mas não se esqueçam que existem muitos atletas mais do fundo do pelotão (e menos bem preparados) que precisam do dobro do tempo. Também sou da opinião que deveriam incluir algo quente mais para meio/fim…uma sopa, um chã….aconchega o estomago – mas isto já é um pormenor apenas, mas que às vezes fazem a diferença. E não sou só eu que penso assim – ouvi isto da boca de muitos outros atletas durante o caminho.

- Segurança – vi pouca gente da organização/bombeiros/pessoal médico durante o percurso…havia largos km sem ninguém por perto. Existiam algumas zonas mais perigosas que, em minha opinião, deveria ter alguém da organização de vigia. Para defesa da organização, tenho que dizer, que tínhamos um nr. de telefone de emergência para ligar em caso acontecesse algo.

Muitos parabéns e muito obrigado à organização (Luis Pereira e equipa) pelo dia que nos proporcionaram - foi muito bom mesmo e sai-vos do corpo….bem vos vi sempre a correr de um lado para o outro para que tudo funcionasse a 100%…nem imagino o stress…Parabéns e para o ano, se puder, voltarei para levar nova “coça” J
Se quiserem dar uma vista de olhos em todas as fotos que tirei, estejam à vontade.... Albúm Trilhos Paleozóico 2014
Próximo capitulo….”O Elevador da Glória”

36 comentários:

  1. Parabéns Carlos, por mais esta dura prova superada. O teu espírito enquadra-se perfeitamente nesta doutrina que é o Trail.
    Grandes fotos e uma narrativa excelente. Penso que quem não esteve lá consegue "provar" um bocadinho desta "loucura". Eu estive nos 23K e consigo minimamente imaginar o teu esforço.
    Já agora, conhecemo-nos no ano passado na Geira Romana. Sou o irmão do Hugo Fernandes.

    Grande abraço e vamo-nos vendo por esse trilhos fora...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelas simpáticas palavras Gil. O teu irmão é um dos grandes responsáveis por eu me ter metido nisto...quando o vi a fazer estas loucuras pensei..."se esta peça consegue, eu tb consigo" :)
      Aquele abraço, parabéns pela tua prova e até um dia destes algures por aí...

      Excluir
  2. Parabéns pela grande prova e por este excelente post! Ainda fiquei mais apaixonado por estas 3 montanhas :) Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado João...tu é que estiveste em grande e ainda tens muito para dar :)
      Até um dia destes...Abraço

      Excluir
  3. Belo relato, com fotos a condizer. E claro , parabéns por mais uma dureza vencida.

    ResponderExcluir
  4. Que grande relato! Dá gosto ler e ainda mais vontade ainda de tentar marcar presença no próximo ano (apesar de ser bem longe daqui...).
    Acho que se fizesses uma prova destas "a sério", ias ver que perdia toda a piada... eu próprio não penso de todo em tentar fazer um trail que seja a "sério"... prefiro mais aproveitar toda a natureza, as paisagens, o convívio...

    Bem, agora que venha de lá o elevador da glória que é o que o pessoal quer!!
    Um abraço e bons trilhos! :-D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Pedro....olha que existem muitos trails aqui mais a norte que valem bem a viagem...carregas a família e amigos para um fim de semana e aproveitas para participar no trail ;)
      Fazer um trail a "sério"??? Sabes...eu sou competitivo por natureza, e embora no trail consiga me abstrair dessa minha faceta, ainda existem fases em que que dou comigo a pensar que poderia ir muito mais à frente....mas tens razão, muito do que vivencio me passaria ao lado....mas um dia destes vou fazê-lo.
      Aquele abraço e bons trilhos para ti tb

      Excluir
  5. Brutal!!
    Parabéns Carlos!
    Grande relato de uma prova que fica debaixo de olho.
    Boas fotos.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Vitor....mais um para a lista :)
      Abraço

      Excluir
  6. Eu tive o privilegio de encontar este atleta junto à extraçao do xisto, perguntei-lhe se ainda faltava subir alguma parede e ele amávelmente puxou do altimetro e mostrou-me os 2 ultimos dentes do tal pente dizendo, agora vem aí o pior! Obrigado amigo, isso foi fundamental atacar com firmeza as ultimas subidas incluindo o elevador: Fiquei com a sensaçao que já o conhecia, e hoje ao ler o teu relato a minha memória que ja me atraiçoa muitas vezes recordou uma volta a cidade do Porto que fizemos juntos há pouco tempo. Obrigado amigo bons treinos e numa proxima la estaremos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá António, o privilégio foi meu. Lembro-me do episódio na pedreira e a tua cara tb não me foi estranha...só não sabia de onde.
      Obrigado pelas simpáticas palavras e até um dia algures por aí.
      Aquele abraço

      Excluir
  7. Mas que grande relato! Muito bom Carlos! A prova deve ter sido uma brutalidade, 2600D+? Fosgasse... Venha de lá essa crónica do combate com o Elevador (com maiúscula)!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O "Elevador" talvez saia amanhã...tenho umas horitas no aeroporto de Frankfurt, e se me apetecer trato do assunto :)
      Estou inscrito numa prova no Douro para meados de Julho que tem 60km e 5000m D+....acho que vou fugir :)
      Obrigado e aquele abraço

      Excluir
  8. Senhor Carlos!!!! Estou frustrado!!!!! Desde o início sempre na expectativa do tal elevador e chegas a essa parte e remetes para um próximo dia... isso é maneira de tratares os teus fieis leitores?!?!? Bem... pronto... por esta escapas... :))))

    Grande relato! E aquela subida fez-me ficar envergonhado por ter achado a subida do Monge brutal!!!
    Eh eh, é giro que em esforços extremos vem-nos mesmo à cabeça cada ideia! :)))

    Único ponto negativo... esse betinho besta do encontrão!

    Parabéns por mais uma grande conquista!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr.Lima, tenha lá paciência...o senhor às vezes tb faz aí umas coisas parecidas no seu blogue :P

      Olha...quanto à subida do Monge não conheço, mas como estas nunca tinha feito nenhuma...e olha que já tenho algumas no meu currículo...as do meu quintal ao lado destas parecem descidas :)

      O Betinho da próxima vez "fura" um pneu....palavra de Carlitos!!!

      Obrigado e aquele abraço

      Excluir
  9. Absolutamente fantástico!
    Adoro estes relatos tão pormenorizados!
    O que me espanta é a capacidade da memória para te lembrares de tudo!
    Eu quando andei nestas coisas lá nos primórdios do Trail em Portugal dificilmente conseguiria descrever assim as provas: a partir de certa altura entrava em modo zombie e no fim sabia lá eu por onde tinha andado!
    “Adorei” esse “grande atleta” que só tinha pernas para fazer a “meia dose” e mesmo assim quase te atropelou com a pressa que ia de ganhar um qualquer lugar no campeonato da treta!
    Ainda não fiz nenhuma destas provas modernas em que se pode optar pela “dose completa” ou pela “meia dose” mas custar-me-ia muito participar numa prova e só ter pernas para a “meia dose”, até me sentiria algo envergonhado. Tenho um grande respeito por quem despacha as “doses” inteiras! São os meus heróis! Claro que há quem não tenha pernas para isso e até seja um grande esforço a participação na “meia dose” (eu por exemplo!...) mas devem ter um enorme respeito pelos atletas que fazem a prova “grande”
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Jorge, ainda bem que gostas. Sabes, eu vou mesmo a "curtir" aquilo tudo...mesmo em sofrimento consigo (quase sempre) levar a coisa a "brincar" (é uma maneira de autodefesa) e assim reparar nos pormenores...aposto que em 350 atletas, se conta pelos dedos de uma mão os que no ponto mais alto decidiram subir mais uns calhaus para ir "curtir" as vistas...tirar as fotos tb ajuda a lembrar o percurso e os pormenores surgem automaticamente...não posso é deixar passar muito tempo. Giro é reler isto daqui a uns meses...volto a sentir as emoções da prova. Nem sempre é fácil escrever o "poste", ainda esta semana foi num quarto de Hotel, até à 1h30 da manhã, depois de um dia muito cansativo de viagem e trabalho, e no dia seguinte tive que me levantar cedo. Mas depois leio comentários de pessoas que gostaram (como o teu) e sinto que valeu a pena :)
      Quanto às "meias doses" acho que são necessárias....esta prova é demasiado dura para quem quer experimentar....comer 2 ou 3 "meias doses" antes de experimentar a "dose" inteira é o ideal....é como fazer algumas Meias Maratonas antes de enfrentar a Maratona.
      Abraço

      Excluir
  10. Adorei ler, Carlos, parece que estava lá contigo! Já tinha visto as fotos dessas subidas, mas torna-me a doer só de olhar outra vez! Imagino o "elevador"... :)
    Eu, que por mais 1km numa prova em que já estava farta, quase que me apetecia dar um murro ao voluntário que me disse todo contente que "estava quase", imagino tu, saberes que ainda faltavam 3km! Agora não parece nada, mas na altura custa muito! :)
    Ter atravessado essa água fresquinha no final deve ter sabido mesmo bem! Deveria ser obrigatório em todas as provas. ;)
    Boa recuperação Carlos, pelo que já sei essa prova não foi mesmo nada fácil, e teres tido a capacidade de a concluir, e ainda por cima aproveitares os momentos zen, é formidável! "Competir" para quê? Deixa-te estar assim e continua a "fazer-nos inveja" com os teus relatos. :)
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Rute...não, não imaginas o Elevador!!! Eu que tinha a mania que o meu quintal tem umas subidas, estou tão enganadinho :)
      Gostas da água no fim....mais uma razão para não deixares escapar a Geira Romana :)
      Competir??? Um dia destes...só para provar a mim mesmo que tb sou capaz.
      Beijinhos e boas corridas.

      Excluir
  11. Mais um excelente relato 'à la PapaKilómetros' :)) Este trail ficou-me na mira, só não fui por causa dos treinos na areia do Paul Michel. Mas para o ano não faltarei.
    E com isto tudo deste-me uma grande ideia para o trail da Pampilhosa. Só te digo o seguinte: "your wish is my command" :)) Percebeste??? E mais não digo! :)))
    Muitos parabéns por mais esta no currículo! Sem dúvida uma prova difícil, que mesmo com tantos 'ses' lá te desenrascaste, como sempre, aliás...
    Beijinhos e boa recuperação!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fazem bem em fazer este...muito bom e bem durinho.
      Se percebi? Acho que sim...deve estar calor :D
      Eu, embora nascido na Alemanha, sou puro tuga, mestre em "desenrascanço" ...hehehe
      Beijinhos

      Excluir
  12. Respostas
    1. Ó Tony....só tens que te chegar à frente....coloca aí o dia 27/4 na agenda....Trail de Arouca, só 13,5km, mas bem durinho e muito bonito. Vens com a malta do CAL.
      Abraço

      Excluir
  13. BRUTAL, CARAGO!
    A sério, tanto o detalhe do relato, parece que... ( espera, estou num abastecimento, isto deu-me um desgaste, foi o Trail mais complicado que já li!) estou mesmo lá, como o Trail em si!
    Adorei o teu momento Zen, o parares, ligares e partilhares, o partilhares connosco, muito bom.
    Dizes que é mais duro que os Abutres?
    E pelos vistos também tem uns prémios simpáticos.
    venha de lá o Elevador!
    PS: guarda a garafinha ao pé das da Maratona do Porto, guarda...:)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda tás no abastecimento...então despacha-te que o pessoal quer desmontar a tenda :)
      Mais duro que os Abutres? Não sei...são diferentes, ambos muito duros....venha o diabo e escolha...só sei, que valem os dois muito a pena.
      Esta de "Verde" vai marchar um dia destes, antes que seja usada num cozinhado qualquer :)
      Abraço

      Excluir
  14. Muito bom! Parece que estava lá de novo! Obrigado!

    Aqueles "apenas" 3 Km a mais, agora também me ri, mas na altura... ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita e pelas palavras simpáticas.
      Pois é...na altura não teve piada nenhuma :)
      Abraço

      Excluir
  15. Parabens Grande Carlos , mais uma prova superada !
    ...e que prova :D

    Deste teu post , nem sei o que comentar ! ...está magnifico e emocionante !

    ...tinha muito para dizer, mas como não tenho o mínimo jeito para escrever, só te posso agradecer partilhares este texto e estas fotos magnificas !
    Parabéns !


    Obrigado pela tua simpatia e disponibilidade , és 5 estrelas !

    Grande abraço (desculpa nem ter falado contigo no final, mas tava super "apertado" com os horários dos comboios para Lisboa) , fica para uma próxima prova , que espero seja tão espectacular como o Paleozóico ! :D


    áhh...e estou muito curioso com o "elevador" :) , sim, é simplesmente "demolidor" e "revigorante" ao mesmo tempo !! ehehhe... ;)


    tudo de bom Carlos para ti e para os teus.
    ...muita força !
    ajb

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Artur, andas mas é malandro lá pelo teu blogue...a canalizar energias só para as corridas...fino, o gajo :)
      Se ficasses à minha espera no fim perdias o comboio :) ...
      Aquele abraço e boas corridas...daqui a 3 meses já nos voltamos a cruzar na UTDP.

      Excluir
  16. Fónix! Até fiquei cansado de ler, quanto mais ir a uma prova dessas! Deve ser de uma brutalidade! Parabéns Carlos por mais uma Ultra para o curriculo. Acho que quando chegaste ao ponto mais alto da prova foi a falta de oxigénio que te fez alucinar. :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Silvio...é brutal sem dúvida nenhuma....é só mais uns mesitos e já vais saber como é ;)
      Abraço e boas corridas

      Excluir
  17. UAU! Espectacular! Adorei ler Carlos. E as fotos estão muito boas, paisagens lindas.
    Dá vontade de desatar a correr por esses montes fora.

    E despacha-te lá com a história do elevador que eu fiquei em pulgas, ok? =P

    Beijinhos grande ultra-maratonista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Isa.
      Beijinhos, Maio está aí a virar a esquina ;)

      Excluir
  18. Que grande malha Carlos...Essa prova é de campeão...pelo que descreves foi mesmo dura...Agora desfruta desse enorme empeno que deves ter!
    Abraço e muitos e bons klms

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Carlos...foi mesmo brutal.
      Abraço

      Excluir