quarta-feira

São Silvestre de Espinho 2018 - 4 em 4


4 edições, 4 x que aqui o Perneta concluiu a São Sivestre de Espinho. Sou totalista – daqui a 96 anos espero que a organização me ofereça a inscrição e me faça uma homenagem … tá dito J
2015 – 39m29s (1ª vez que baixei os 40min)
2016 – 38m48s (RP à altura … baixar aos 38? Txiii … impensável)
2017 – 37m42s (RP actual … um voo daqueles)
2018 – 42m17s (que passou-se???? J)
Só por este historial a SS de Espinho já tem um lugar de destaque na caixinha das provas preferidas d aqui do Perneta. Mas os resultados obtidos são apenas uma das partes que fazem esta prova especial para mim. Correr em Espinho é como correr em casa, estudei em Espinho durante dois anos, era em Espinho que passava grande parte dos verões de infância e juventude. Depois é uma prova muito bem organizada – há ainda o facto de ser corrida de noite com as luzes de Natal ligadas, e de haver muita adesão de público em quase todos os 10km do percurso. Acho que está tudo dito.


E este ano, embora o resultado fosse muito aquém dos anos anteriores, tive direito a todo o resto. E foi muito bom.
Cheguei à linha de partida com pouco treino – não vale a pena estar sempre a falar na mesma coisa, as coisas são como são – e “gordo” … por isso não há milagres. A minha intenção era de fazer um treininho mais rápido, chegar ao fim sem problemas físicos. Assim na minha cabeça, era fazer tipo 45min tranquilos. Um gajo cheio de juízo J
Acontece que no “aquecimento” – devido às obras tive que deixar o carro a 1km e como andei  entre carro e zona de partida para trás e para a frente acabei por fazer 4km.  E nisto passei por muita gente, vivi o ambiente e começaram as recordações dos anos anteriores a vir ao de cima. “E se desse o máximo, só para ver até onde chego?” … “deixa-te de merdas, não vais longe, além disso ainda te lesionas e há objectivos a cumprir daqui a umas semanas” … 
Antes da prova o habitual com a família calense … quase 20 inscritos, faltaram alguns. Faltavam apenas uns minutos quando entrei na caixa de partida A, bastante à frente o que é bastante bom olhando a que estavam 1500 inscritos entre corrida e caminhada.


E não tardou muito a dar-se o tiro de partida … tentei não exagerar mas era impossível. A avenida é larga mas é muita gente com pressa J … faço o primeiro km a 4min/km e deixo-me ir. Vou bem, soltinho de pernas e respiração controlada. “e se arriscar mais um bocadinho?” … “ganha juízo páh!!! Tu achas que há milagres?” … pronto … vou andando e depois logo se vê. A marginal junto às praias é sempre uma festa, com muita gente a assistir … muitos “força Perneta” … “vamos Carlos” … reconheci alguns, outros nem por isso (além de ser de noite sou um caixa de óculos cegueta) … e ao fim da Avenida corte à esquerda … e o que vejo? A maior parte da malta a cortar a direito num parque de estacionamento, na diagonal … alguns bons 70 a 100m a menos … “então pessoal??? Isto é assim?” … um senhor da organização que estava nessa esquina tb barafustava com quem cortava caminho … não me admira as discrepâncias nos relógios em termos de distâncias no fim … enfim …
Voltamos à zona de partida cheia de gente a apoiar … ouço mais incentivos antes de cortar para a Rua 21, ca. 3km nas pernas para enfrentar a primeira das 3 subidas até ao retorno no alto de Espinho junto à BP. É o segredo desta prova …. chegar lá acima dando o máximo para depois  gerir na volta, maioritariamente a descer. Vou com 4,03min/km de média mas já a dar alguns sinais de fraqueza … baixo um pouco o ritmo a subir e nas cortadas planas à direita tentava recuperar o ritmo e a respiração o que parece incompatível mas é possível. Cheguei ao retorno da BP com os bofes de fora, mas num ritmo bem bom para a forma 4,08min/km …. a prova estava quase feita … as pernas estavam bem, nenhum resticio da lesão muscular de final de ano. E no meu cérebro pequenino continuava a luta … “sou menino para conseguir chegar no minuto 40” …. “cuidado moço, já não és o mais novo … vais-te lixar” … 
E a descer a rua 19 o ritmo aumentou de imediato para ritmos bem abaixo dos 4min/km … não durou muito, porque nessa primeira descida senti a coxa direita a ficar presa, uns primeiros sintomas acho eu e daí a abrandar para ritmo a trote foram uns segundos … “foda-se” … “eu bem te avisei, tens a mania que tens 20 anos” … e assim fui andando, sempre a ser ultrapassado e a ver o que a coisa dava. Aos 8km passa por mim a Cristiana (3ª mulher) do Running Espinho e vencedora dos Trilhos dos Pernetas 18km de 2017 … aproveitei a boleia e fui assim até ao fim, novamente a ritmos bem mais altos e novamente bem das pernocas. Terá sido falso alarme, será que ando mais atento aos sintomas, será que ando a exagerar no juízo? … não faz mal … importante é que cheguei ao fim sem mazelas, com um tempo razoável e a sentir-me bem, tranquilo J



E pronto … foi isto. Mais uma SS Espinho, a primeira prova de 2018 que espero seja o ponto de partida para um ano sem lesões. Próximo episódio daqui a duas semanas na Meia Maratona de Viana para um treino longo. O próximo objectivo de tempo será em fim de Março nos 100km de Lousada J



8 comentários:

  1. Apesar de ter sido o teu pior tempo, foi um belo tempo! Parabéns :)

    Que 2018 te traga muitas corridas felizes :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado :) .. ontem voltei a fazer uma corrida feliz ;)

      Excluir
  2. Que espectáculo!!! E algo me diz que este ano vai ser estilo o teu de 2016 :)

    Força e tudo a correr pelo melhor!
    Grande abraço

    ps - Esses cortes de caminho... no ano passado no Natal, houve muitos que cortaram por uma bomba de gasolina que fica numa curva (eu vi), ganhando aí cerca de 100 metros, mais aquelas dezenas de metros que tinham ganho no parque junto à igreja da Luz. No final barafustavam que a prova não tinha 10 Km!!! Ele há cada um...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Vamos lá ver ... não é fácil, mas cá estamos para tentar :)
      Abraço

      Excluir
  3. Muito bom. Eu também ando fisgado em manter-me totalista em algumas provas. Até ao momento sem ir ver ao histórico já o sou em duas (excluindo provas em que só se tenha realizado uma edição).

    Ao ler relatos como o teu e outros com os quais me tenho cruzado (curiosamente de alguém também com fortes raízes em Espinho) fico com uma enorme vontade de dedicar uma época inteira a fazer provas só no Norte. Espinho, Ovar, Porto, Aveiro, Braga, etc.

    Força para os próximos objectivos e que sejam alcançados com esse sorriso de puto reguila malandro!
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens que ver a Espinho, vale a pena esta prova ..
      Puto reguila malandro??? Isso é bom :)
      Abraço

      Excluir
  4. Acho que o problema nem é da idade, isso é do equipamento.

    a camisola, apesar de vermelha, ainda se safa, agora ele é calçõezinhos de compressão, cenas que brilham no escuro, enfim.
    Já pensaste que" nessa primeira descida senti a coxa direita a ficar presa," eram os calções a apertar demais?

    Afinal estás "gordo"!

    Vai treinar, pah.

    Bom prova, com juízo, belo inicio de 2018.

    Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A camisola é vermelha, verde e preta :( ... os calçõezinhos de compressão é para manter os músculos das coxas colados aos ossos, só isso. As cenas que brilham no escuro é para me encontrarem se me perder. E bem podem ter sido os calções ... comprei na altura em que fui aos Montes brancos, estava mais fininho ;)
      Treinar? Fui ontem e hoje vou outra vez :P
      Aquele abraço

      Excluir